Olhos: Como evitar contaminação através das lentes de contato

A ceratite é apenas um dos demais problemas que podem surgir devido ao mau uso das lentes

Levando em consideração uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 35 milhões de brasileiros apresentam algum problema de visão, totalizando 19% da população. Deste número, estima-se que 2 milhões dos pacientes fazem uso de lentes de contato, na substituição do óculos.

Mas, quem opta por esta escolha precisa aprender como cuidar da higienização para evitar problemas relativos à contaminação. Para o oftalmologista Renato Neves, é necessário saber usar, manusear e limpar as lentes. “A ceratite é uma das doenças mais frequentemente associadas com o uso de lentes de contato. Trata-se de uma infecção que provoca dor intensa nos olhos e dificuldade de visão. Quando não tratada a tempo, as consequências são bastante graves e vão desde a perda parcial ou total da visão, até desdobramentos no sistema nervoso central”, explica o profissional que também é diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo.

No entanto, a ceratite é apenas um dos demais problemas que podem surgir devido ao mau uso das lentes. “Em mais da metade dos problemas encontrados, notamos falta de higiene do estojo que armazena as lentes. Vale dizer que isso não se justifica, já que os cuidados são simples e seguem regras de bom-senso. Mesmo assim, ainda é muito alto o número de pacientes que recorrem a tratamentos depois de vacilar na higiene diária”, diz o especialista. Levando em consideração esta realidade, o profissional indica alguns procedimentos que podem evitar mais problemas oculares.

Saúde dos olhos: Veja como evitar contaminação por meio das lentes de contato

Foto: depositphotos

5 dicas para evitar a contaminação das lentes de contato

Não usar água da torneira para lavar as lentes

“Embora nossa água corrente seja uma das mais bem tratadas do mundo, engana-se quem pensa que não faz mal lavar suas lentes com água de torneira, chuveiro ou banheira. A água potável não é estéril nem livre de microrganismos que podem atingir a córnea e causar uma infecção”, destaca o médico. Por esta razão, é indicado o uso de produtos específicos para a limpeza das lentes ou soro fisiológico.

Substitua o estojo durante o ano

O oftalmologista ressalta a importância de trocar as caixinhas utilizadas para armazenar as lentes durante o ano. É necessário fazer a substituição de três a quatro vezes anualmente, evitando assim que haja contaminação com o prolongamento de uso. “Quem não tem paciência para limpar e guardar as lentes de contato e caixinhas do modo mais seguro e higiênico possível, melhor considerar voltar a usar óculos, optar por lentes descartáveis, ou cirurgia ocular”, diz Neves.

Evite tampar o estojo ainda úmido

Além de trocar esporadicamente durante o ano, o estojo precisa ainda de outros cuidados para se manter útil. Um exemplo disso é fechar o recipiente com ele ainda molhado. Esse tipo de atitude pode provocar a proliferação de fungos que contaminam as lentes, por isso de nada adianta limpar o estojo com a solução apropriada, se você não espera secar devidamente.

Jamais use lentes fora do prazo de validade

“Tem gente que usa as mesmas lentes de contato prescritas há três, quatro ou cinco anos. E tem sempre aqueles que usam por um tempo, param, e depois resolvem voltar a usar as mesmas lentes. Trata-se de um erro muito perigoso. Primeiramente, porque é enorme a chance do material estar contaminado. Depois, porque o grau pode ter sofrido variações no período. Por fim, porque deve ter expirado o prazo de validade do conjunto (lentes, solução, estojo) – aumentando o risco de infecção”, afirma o oftalmologista.

Nunca durma com as lentes de contato

Dormir com as lentes de contato é uma proibição dada pelo próprio médico, mas que é desrespeitada por alguns pacientes sem saber o risco que correm. “A córnea recebe oxigênio do ar e das lágrimas que lubrificam os olhos durante o dia. Durante o sono, a córnea recebe menos nutrientes, lubrificação e oxigênio. Sendo assim, não retirar as lentes antes de dormir significa aumentar exponencialmente o risco das lentes grudarem ou até mesmo arranharem a córnea. Caso haja microrganismos no local, inclusive, uma infecção pode se instalar rapidamente”, alerta Neves.

Atenção, pacientes!

Diante das dicas, o médico ainda indica que os pacientes prestem atenção a qualidade da visão. “Na presença de qualquer tipo de alteração ou desconforto, é importante revisar a rotina de higiene pessoal, lavando sempre muito bem as mãos antes de tocar nas lentes e nos olhos, cuidando diariamente das lentes com solução apropriada, e usando lubrificante prescrito por um oftalmologista. Se ainda assim a irritação se prolongar, o paciente deve ser avaliado por um especialista”, finaliza.

Sobre o autor

Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.