Argila vermelha: para que serve no rosto e no corpo

A argila vermelha é um dos vários tipos existentes no mundo e que tem essa cor por causa da grande concentração de ferro e cobre.

É justamente devido a essa composição que ela se diferencia das demais e permite que amenize linhas de expressão e deixe a pele mais macia e firme, uma vez que o ferro melhora a respiração celular e estimula a produção de colágeno.

Quando usada como máscara facial, essa argila retira a oleosidade do rosto, cicatriza e previne a acne e é ideal para peles sensíveis, pois faz uma limpeza suave e não causa irritações.

E aí? Ficou ansiosa para testar? Pois continua lendo pois separamos o que a ciência fala sobre esse tratamento e ainda três maneiras de usar a argila vermelha na pele e nos cabelos!

Afinal, para que serve mesmo a argila vermelha?

A argila vermelha é formada basicamente por minerais como ferro, cobre e cromo, além de boas quantidades de óxidos de ferro, cobre e potássio. Também traços de magnésio e sódio. O resultado dessa mistura é uma composição rica para uso cosmético e terapêutico. (1)

Amenizar linhas de expressão e dar firmeza à pele

Graças a presença dos óxidos de ferro e cobre, a argila vermelha possui propriedades tensoras.

Isso é, estimula o estiramento da pele, fazendo com que ela fique mais lisa e firme. Isso reduz a aparência de linhas de expressão e da flacidez. (2)

O ferro favorece a circulação sanguínea e a respiração das células, estimulando a renovação dos componentes que formam a pele. Em especial do colágeno, um tipo de proteína que dá resistência e firmeza, sendo portanto essencial para manter a pele mais jovem e bonita. (1)

Diminuir a retenção de líquidos e os inchaços

Outro uso da argila vermelha é na melhora da circulação sanguínea. Processo que pode reduzir a retenção de líquidos, já que estimula a movimentação do que está acumulado no corpo, abrandando inchaços causados pelo problema.

Isso acontece porque ela é bastante fina e consegue penetrar no corpo, motivo pelo qual é usada como complemento das drenagens linfáticas. (1)

Aliviar as dores do reumatismo

O mineral é capaz de estimular o funcionamento das articulações, tirando a rigidez e aliviando as dores clássicas do reumatismo, doença inflamatória crônica.

Ainda por cima, os oligoelementos presentes são absorvidos pela pele e promovem uma ação anti-inflamatória. (3)

Diminuir a queda de cabelo e a caspa

Sabia que também dá para usar a argila vermelha nos cabelos? Pois é, quando aplicada diretamente no couro cabeludo ela consegue eliminar resíduos de produtos químicos, sebo, células mortas e poluição da pele. Tudo isso acaba promovendo uma limpeza profunda e desobstrução dos folículos capilares.

Por estimular a circulação sanguínea, consegue também melhorar a oxigenação do local e ativar o processo de crescimento de novos fios.

Essas duas ações fazem com que os tratamentos para queda e combate a caspa sejam mais efetivos. (5)

Quando usada junto com a argila branca, a argila vermelha proporciona efeitos antissépticos e cicatrizantes, diminuindo assim a coceira que a caspa causa no couro cabeludo. (6)

Tratar acne

Pessoas que sofrem com acne não só podem, como devem, fazer o uso da argila vermelha, visto que esse mineral limpa a pele de toxinas, exerce um potente controle da oleosidade e ainda possui propriedades bactericidas e anti-inflamatórias.

Essas propriedades fazem com que ela seja capaz de desobstruir os poros e evitar o acúmulo de sebo, que causa a acne. Além de estimular a cicatrização. (4)

Aliviar os sintomas da rosácea

Por último, a máscara facial de argila vermelha pode ser usada para diminuir os sintomas da rosácea, doença de pele causada por um processo inflamatório crônico que dilata as veias e causa um aumento do fluxo sanguíneo, motivo pelo qual tem como principais sintomas a vermelhidão, o aparecimento de lesões, dores e maior sensibilidade da área afetada.

O controle da doença acontece por causa dos minerais que compõem essa argila, que são capazes de controlar a quantidade de sangue que passa pelos vasos que ficam localizados no rosto, parte que costuma ser mais afetada pelo problema.

Com isso é possível controlar o processo inflamatório local, reduzindo os sintomas ao mesmo tempo que promove uma limpeza e hidratação suave da pele. (2)

Como usar?

No rosto

Para preparar a máscara facial você deve colocar meia colher (de sopa) de argila vermelha em um recipiente plástico e ir adicionando água mineral ou filtrada, soro fisiológico ou mesmo chá de calêndula ou camomila, e misturar bem até obter uma pasta lisa e fácil de espalhar.

Feito isso, aplique uma camada bem fina no rosto, com os dedos ou com um pincel, espere secar e lave o rosto com água fria.

Na hora de retirar, você pode fazer movimentos circulares, com delicadeza, esfoliando a pele. Finalize com um bom hidratante facial. Essa máscara pode ser usada semanalmente.

Atenção: Evite usar instrumentos de metal no preparo e manuseio da máscara, pois os minerais dela podem reagir com esse material. Sempre use utensílios de plástico ou vidro.

No corpo

Para a argiloterapia corporal, que é o uso do mineral para fins terapêuticos, você deve colocar a quantidade de argila necessária para cobrir toda a região onde ela será aplicada.

Acrescente água filtrada ou algum chá com propriedades anti-inflamatórias, até formar uma pastinha cremosa e bem lisa. Para alívio das dores você pode aquecer o líquido escolhido antes de misturar.

Aplique na área afetada, com as mãos mesmo, espere secar e lave tudo com água fria. Alguns tratamentos usam a argiloterapia de duas a três vezes por semana, mas é sempre importante procurar um profissional em fitoterapia para avaliar qual a sua necessidade.

Nos cabelos

O modo de preparo é o mesmo, misture a argila vermelha com água filtrada até ter uma pasta bem lisa e mole.

Use um pincel para aplicar essa máscara pelo couro cabeludo, sem esfregar para não danificar os fios com o atrito, e espere uns 10 minutos. Passado esse tempo, enxágue bem, lave e finalize os cabelos como de costume.

O tratamento pode ser feito a cada 15 dias e combinado com o uso de óleos essenciais ou vegetais extra-virgens para potencializar os efeitos.

Referências

(1) LOPES, Lara Fernanda de Morais; MEDEIROS, Graciela Mendonça de S. Argilas Medicinais: Potencial Simbólico e Propriedades Terapêuticas das Argilas em suas Diversas Cores. Disponível em: http://www.nucleogra.com.br/wp-content/uploads/2014/03/Argilas-Medicinais-Potencial-Simbolico-e-Propriedades.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2019.

(2) AMORIM, Monthana Imai de; PIAZZA, Fátima Cecília Poleto. Uso das argilas na estética facial e corporal. Disponível em: http://siaibib01.univali.br/pdf/monthana%20imai%20de%20amorim.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2019.

(3) TOYOKI, Bruna Kaori; OLIVEIRA, Ana Caroline Teixeira de. Argiloterapia: Levantamentos dos constituintes e utilizações dos diferentes tipos de argila. [2015]. Disponível em: http://belezain.com.br/adm/uploads/argilok144.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2019.

(4) CARNASCIALI, Michelle Soares de Carvalho Matta; SOUZA, Ariane. Argila Vermelha no tratamento da acne. [2017]. Disponível em: https://tcconline.utp.br/media/tcc/2017/05/ARGILA-VERMELHA-NO-TRATAMENTO-DA-ACNE.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2019.

(5) CASSIA, Danielle de, OLIVEIRA, Silvia Patricia de e ARAUJO, Fernanda Quaresma de. Alopécia Areata: a importância do conhecimento da estética. Disponível em: http://tcconline.utp.br/media/tcc/2015/01/ALOPECIA-AREATA-A-IMPORTANCIA-DO-CONHECIMENTO-NA-ESTETICA.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2019.

(6) LIMAS, Jaqueline Rosa de; DUARTE, Rosimeri e MOSER, Denise Krugger. A argiloterapia: uma nova alternativa para tratamentos contra seborreia, dermatite seborreica e caspa. Disponível em: http://siaibib01.univali.br/pdf/Jaqueline%20Rosa%20de%20Limas%20e%20Rosimeri%20Duarte.pdf. Acesso em: 24 de outubro de 2019. 

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.