Leite longa vida e leite pasteurizado: conheça verdades e mitos

O leite “longa vida” dura mais? O leite que os nossos avôs consumiam era mais saudável do que os atuais? Descubra

O ser humano é o único animal que consome leite na fase adulta, mas, mesmo sendo considerado um alimento bastante comum, existem alguns mitos que o cercam. Algumas dúvidas referem-se ao leite “longa vida” e ao leite “pasteurizado”.

É verdade que o leite “longa vida” dura mais? O leite que os nossos avôs consumiam era mais saudável do que o produto que compramos atualmente? Ana Paula Del’Arco, nutricionista e consultora da Viva Lácteos, revela os mitos e verdades relacionados com os dois tipos de leite.

Verdade ou mito?

Confira a seguir os mitos e verdades por trás do leite “longa vida” e do leite “pasteurizado”:

Leite longa vida e leite pasteurizado: conheça verdades e mitos

Foto: depositphotos

O leite é o único alimento pasteurizado.

MITO. De acordo com Ana Paula Del’Arco, o leite é o alimento pasteurizado mais conhecido, porém outras bebidas – cerveja e sucos de frutas, por exemplo – passam pelo mesmo processo, que utiliza a combinação de diferentes tempos e temperaturas, a fim de matar os micro-organismos que possam causar infecções.

As embalagens têm relação com a durabilidade do leite.

VERDADE. A embalagem desempenha um importante papel na conservação do leite. No leite longa vida, a embalagem é cartonada e, graças às diversas camadas, é capaz de proteger o alimento do contato com a luz e com o oxigênio.

A durabilidade do leite “longa vida” é maior.

VERDADE. O leite “longa vida”, também popularmente conhecido como “leite de caixinha”, passa por um processo de conservação com temperaturas superiores às da pasteurização, conhecidos como UHT (Ultra High Temperature). Este tipo de leite tem a validade de 4 meses em embalagem fechada e até 3 dias após aberta.

O leite do passado era mais saudável do que o leite que consumimos atualmente.

MITO. O leite que nossos avôs consumiam apresentava mais chances de provocar doenças, uma vez que possuíam maior quantidade de micro-organismos. Além disso, ao passar pelo processo de fervura doméstica, o alimento podia sofrer algumas perdas. E, mesmo fervido, podia dar origem a quadros de diarreia e vômito, devido à ingestão de grande quantidade de micro-organismos causadores de infecções alimentares.

O leite “longa vida” é comercialmente estéril.

VERDADE. O leite “longa vida” apresenta uma redução de 99,99% da carga microbiana, o que garante uma ótima qualidade do leite, auxiliando na conservação prolongada.

A ingestão de leite cru é indicada para não perder as vitaminas.

MITO. Os processos que envolvem elevadas temperaturas alteram minimamente a constituição do leite, portanto, o consumo de leite cru não se justifica.

Sobre o autor

Formada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), com certificado DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera), outorgado pelo Instituto Cervantes. Produz conteúdo web, abrangendo diversos temas, e realiza trabalhos de tradução e versão em Português-Espanhol.