Sintomas da dengue clássica e da hemorrágica

O vírus da dengue possui quatro sorotipos. Em todos os casos, os sintomas são os mesmos, porém, há tipos que apresentam sérias complicações


Causada por um vírus da família flaviridae e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é considerada um dos piores problemas de saúde pública no mundo. Para agravar ainda mais a situação, essa doença apresenta quatro tipos, haja vista que o próprio vírus possui quatro sorotipos conhecidos por DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Em todos os casos, os sintomas são os mesmos, porém, há tipos que apresentam complicações que merecem ainda mais atenção médica e do próprio paciente.

No Brasil, esse problema de saúde é bem acentuado, uma vez que os mosquitos que transmitem essa doença se proliferam com muito mais eficácia em lugares com climas tropical ou subtropical. Neste artigo, vamos compreender quais são os sintomas mais pertinentes da dengue clássica e da dengue hemorrágica, duas variáveis distintas do mesmo distúrbio, em que o segundo tipo pode ser uma consequência do primeiro.

Sintomas da dengue clássica

O período de incubação do vírus é entre três a 15 dias. Em outras palavras, pode-se dizer que, após a picada do Aedes, o paciente terá em torno de 15 dias para apresentar os primeiros sintomas da dengue. Vale ressaltar que esse tempo vale para todos os tipos dessa doença. No caso da dengue clássica, ela é mais branda e, ao afetar o ser humano, provoca dores de cabeça e por trás dos olhos (aumentando a intensidade com o movimento deles), febre alta acima de 40 °C e de forma súbita, náuseas, vômitos, perda do apetite e do paladar, tontura e extremo cansaço físico.

Além disso, podem surgir manchas vermelhas por todo o corpo ou até mesmo erupções semelhantes ao sarampo, afetando com mais intensidade os membros superiores e o tórax. Quem apresenta dengue do tipo clássica, também pode ficar com moleza, dores espalhadas pelo corpo e fortes contrações nas articulações e ossos.

Sintomas da dengue clássica e da hemorrágica

Foto: Pixabay


De acordo com especialistas, quem é contaminado por um sorotipo acaba ficando imune a ele. Apesar disso, fica sujeito às outras variáveis da doença, podendo contrair a dengue até quatro vezes e, a cada novo contágio, mais aumenta a possibilidade de se ter casos mais graves, como é o da dengue hemorrágica.

Os sinais da dengue hemorrágica

Como já mencionado inicialmente, os sintomas são os mesmos nos quatro tipos de dengue. Todavia, nos casos mais graves, como é o da dengue hemorrágica, podem surgir outros sinais que alertam para esse sorotipo. Geralmente, a manifestação de outros indícios surge após três dias dos sintomas da clássica e incluem dificuldade de respiração, fortes dores abdominais e contínuas, perda da consciência, confusão mental, agitação, insônia e, principalmente, sangramentos pelo nariz ou gengivas.

O paciente também pode apresentar vômitos intensos, boca seca e muita sede, pulso fraco e características anormais na pele, como a umidade, palidez e esfriamento. Os olhos podem ficar vermelhos e a urina acompanhada por sangue. Esse quadro clínico piora com agilidade, por isso, ao sentir esses sintomas, o paciente deve procurar atendimento médico com urgência. De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 5% dos casos de dengue hemorrágica resultam em morte.

Importante: a automedicação não é indicada

Os primeiros sintomas da dengue podem ser confundidos com outras doenças mais simples, como gripes e resfriados. Por essa razão, as pessoas acabam se automedicando, algo que não é aconselhável. Muitos casos de dengue hemorrágica são evoluções da dengue clássica, que não teve acompanhamento médico e nem tratamento adequado. Não arrisque, procure uma unidade de saúde o mais rápido possível.


Reportar erro