Remédios caseiros para enxaqueca e dores de cabeça

Você já procurou algum remédio caseiro para enxaqueca? Boa parte da população sofre com esse problema e nesse artigo você vai descobrir várias opções de como aliviar a dor apenas com medicamentos naturais.

Na verdade, não se trata apenas de uma cefaleia, mas de uma síndrome neurológica. Ela é caracterizada por dores de cabeça repetidas, normalmente são pulsáteis, em um ou dos dois lados da cabeça. Também podem ter intensidades moderadas ou intensas. Além disso, é comum que venham acompanhadas de náuseas e vômitos, intolerância à luz ou aos barulhos.

As crises de enxaqueca podem ser precedidas por alguns sintomas, como irritabilidade, hiperatividade, depressão nervosa, falta de apetite e dificuldade de concentração e memorização. Há ainda casos de sonolência, bocejos repetidos e também vontade de comer algum alimento específico, como chocolate.

Vale ressaltar que quando essas crises ocorrem, elas podem ter duração entre 4 e 72 horas. E mais, essa patologia não atinge apenas adultos. Isso porque, as crianças também podem apresentar enxaqueca, associada à dores abdominais recorrentes, tonturas, vômitos cíclicos e dores nas pernas. Sendo assim, confira quais os melhores remédios caseiros para tratar enxaquecas e dores de cabeça.

Tratando enxaqueca através do uso de remédios naturais

Quando se tem crises de enxaqueca é possível tratá-las com remédios naturais que melhoram muito os sintomas! Veja alguns deles:

Cataplasma de limeira

Em um pilão, esmague um punhado de folhas de limeira junto com 1/2 cálice de água, até que forme uma pasta. Aplique esta pasta diretamente sobre a área da cabeça que dói ou em uma gaze e depois na cabeça, por meia hora. Fazer isso sempre que a dor de cabeça surgir.

Mulher com dor na cabeça

Chá de gengibre e de camomila são remédios caseiros para tratar enxaqueca (Foto: depositphotos)

Chá de gengibre

O gengibre é uma planta usada há milênios por causa dos seus benefícios para a saúde. E de acordo com estudos, há a comprovação da eficácia dessa raiz fresca ou em pó na diminuição dos sintomas de enxaqueca em apenas duas horas. (1)

Rale 50 g de gengibre e ferva-o com 1 litro de água por quinze minutos. Desligue o fogo e coe o chá. Beba a infusão várias vezes ao dia.

Chá de coentro

O chá de coentro é indicado para a diminuição do tempo dos sintomas da enxaqueca e o alívio desses. Também é ideal para diminuir a frequência das crises e o grau da cefaleia que é sentida durante os episódios.

Para isso, o indicado é beber os chás diariamente ou quando os primeiros sintomas forem notados. Um outro detalhe é que não apenas as folhas, mas também as sementes da erva apresentaram efeitos contra a enxaqueca. (2)

O modo de preparo da infusão com as folhas frescas é bastante simples. Basta levar ao fogo meio litro de água e esperar ferver. Logo depois adicione as folhas de coentro e deixe em infusão por 15 minutos. O ideal é que a bebida seja consumida ainda quente.

Chá de camomila

O óleo essencial presente na camomila também se mostrou bastante eficaz na redução dos sintomas mais comuns da enxaqueca. Além disso, a infusão ajudou a reduzir sintomas como cefaleia, náuseas e sensibilidade à luz após 30 minutos da ingestão. (3)

Contudo, é importante destacar que parte desses benefícios é atribuído aos flavonoides e componentes anti-inflamatórios. Uma vez que esses elementos ajudam a inibir as dores. (4)

Para fazer o chá dessa planta é preciso levar 200 ml de água ao fogo. Quando entrar em ebulição, adicione uma colher (de sopa) de flores de camomila, desligue o fogo e deixe em infusão por 10 minutos. Beba e repita o tratamento até três vezes por dia.

Chá de erva-cidreira-brasileira

Essa planta também é conhecida como Lippia alba ou falsa melissa. É encontrada com certa frequência no Brasil e bastante usada como erva medicinal, principalmente na forma de chás.

O tratamento feito com o chá da erva-cidreira-brasileira ajudou a reduzir em 50% a frequência dos episódios de enxaqueca em mulheres. Além de ser considerado um tratamento barato, seguro e que pode ser usado a longo prazo.

O preparo do chá de erva-cidreira-brasileira deve ser feito através da infusão das folhas secas ou verdes. Em primeiro lugar, é preciso ferver uma xícara de água. Logo depois, desligue o fogo e adicione uma colher de folhas da erva. Deixe descansar por 5 minutos e beba ainda quente. (5)

Outras plantas medicinais para dor de cabeça

Para desintoxicar e relaxar o sistema nervoso são indicadas ervas como a cavalinha, chapéu-de-couro, tanchagem, dente-de-leão com alfazema. Nesses casos, é recomendado beber de três a quatro xícaras ao dia.

Além disso, pode-se usar essas ervas associadas, durante quatro dias e, por dois dias, água com limão e 20 gotas de água de melissa (produto natural vendido em farmácias).

Na prevenção e tratamento de crises de enxaqueca, uma das plantas mais indicadas e eficientes é o tanaceto. Também chamado de atanásia ou feverfew, ele é vendido em cápsulas em lojas de produtos naturais. Trata-se de uma erva de origem israelense e que contribui com a diminuição da frequência e da duração dos episódios de enxaqueca.

Normalmente, a dosagem indicada é de 200 mg ou uma cápsula ao dia, podendo ser repetido por semanas ou meses. No entanto, não é recomendado para gestantes ou lactantes. Além disso, o consumo em excesso pode fazer com que os sintomas da enxaqueca regressem mais fortes acompanhados de dores musculares e insônia. (6)

O nutricionista e especialista em nutrição esportiva, Ítalo Rodrigues, informa que para quem sofre com crises de enxaqueca o ideal é consumir alimentos com ação anti-inflamatória. Peixes como sardinha, salmão e atum e ainda linhaça e chia são exemplos de alimentos do tipo.

Outro componente importante de se procurar nos alimentos é o triptofano, um aminoácido que ajuda o corpo a sintetizar a serotonina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar. Por isso, alimentos como leite, aveia e banana devem fazer parte da alimentação, destaca Rodrigues.

Afinal, o que é enxaqueca?

A enxaqueca é considerada um dos distúrbios neurovasculares mais comuns e debilitantes do mundo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 15% da população mundial sofre com crises recorrentes de enxaqueca. Sendo que, as mulheres são as mais afetadas e em boa parte dos casos os sintomas aparecem durante a infância ou adolescência.

Essa condição é sempre acompanhada de diversos sintomas físicos e neurológicos. Um dos principais motivos para o aparecimento dos sintomas é uma série de eventos no cérebro, que desencadeiam uma dilatação dos vasos sanguíneos. Isso faz surgir uma dor pulsante e localizada. (7)

As chamadas crises ou episódios de enxaqueca costumam ter um tempo limitado e não causam danos permanentes ao cérebro. No entanto, em casos recorrentes da doença a realização de atividades do dia a dia são afetadas. Além disso, não se sabe ao certo qual as origens ou causas do problema. Porém, o mais aceito é que seja uma resposta cerebral a gatilhos externos que causem dor. (8)

Assim, essa doença crônica é considerada a terceira mais comum desordem cerebral e a sétima principal causa de incapacitação e afastamento do trabalho ao redor do mundo. Por esses motivos, a OMS encoraja pesquisas sobre o potencial de ervas medicinais no tratamento e prevenção da enxaqueca e que apresentam poucos efeitos colaterais. (2)

Atualmente, existem vários medicamentos que são usados para evitar e controlar crises de enxaqueca, como antidepressivos e anticonvulsivantes. No entanto, a maioria deles traz efeitos colaterais que podem prejudicar o tratamento a longo prazo, como por exemplo prisão de ventre, depressão, hipotensão, além de tremores e ganho de peso excessivo. (2)

Quais os principais sintomas?

Antes de mais nada é preciso saber que cada caso é único. Por essa razão, os sintomas de enxaqueca podem variar de pessoa para pessoa. No entanto, existem alguns sinais que aparecem com mais frequência antes e depois das crises.

Ao contrário das dores de cabeça normais, a enxaqueca não apresenta apenas cefaleia, que é uma dor pulsante na cabeça. Na verdade, existe um conjunto de sintomas, que são divididos em cinco fases. Essas fases sintomáticas são:

  • Sintomas pródromos
  • Aura
  • Cefaleia
  • Resolução
  • Sintomas pósdromos.

Sintomas pródromos

A primeira fase são os sintomas chamados de pródromos, que aparecem em mais da metade das pessoas que sofrem com enxaqueca. Esses sintomas são algumas alterações que podem aparecer horas ou dias antes da enxaqueca.

Na maioria dos casos eles são mudanças de humor, alterações neurológicas, como sensibilidade a luz e som, tonturas e visão enevoada. Também são comuns fadiga, náuseas ou desejo de comer um alimento específico. (7)

Aura

A aura é outro sintoma que costuma aparecer antes dos episódios de enxaqueca, mas não é tão comum. Esse sintoma é uma disfunção neurológica focal transitória, que dura de 5 a 20 minutos. O tipo mais comum de aura é a visual, sendo mais frequentes alucinações visuais.

Para exemplificar, podemos citar a visualização de pontos, estrelas, setas ou manchas brilhantes e piscantes no campo de visão.Mas além da visual, há também o tipo de aura sensorial. Nesse último caso é comum apresentar sinais como adormecimento e formigamento de partes do corpo. Assim como ter vertigens e dificuldade em se comunicar com outras pessoas. (7)

Cefaleia

A cefaleia é a forte dor de cabeça pulsante que pode atingir os dois lados da cabeça ou apenas um. Essa é a característica mais visível e incapacitante da enxaqueca, uma vez que as dores podem durar por vários dias.

O mais comum é que a dor seja unilateral e ela pode estar acompanhada de vários sintomas, como a perda de apetite e agressividade. (7) Apesar disso, as dores costumam diminuir ou desaparecer após o sono e descanso. Mas qualquer esforço físico pode potencializar o problema.

Resolução

A fase da resolução é a diminuição gradativa da cefaleia. No entanto, na maioria dos casos isso só acontece após algumas horas de sono ou vômitos, espontâneos ou provocados. (7)

Sintomas pósdromos

Esses são os sintomas que aparecem após a cefaleia e podem ou não estar presentes. A maioria deles não é um incapacitante físico, mas pode prejudicar qualquer tipo de esforço intelectual.

Os sintomas pósdromos podem ser fadiga, letargia e fraqueza extrema. Apesar disso, em outros casos as pessoas podem se sentir eufóricas e dispostas após o episódio de enxaqueca. (7)

O que causa a enxaqueca?

Na maioria dos casos, a enxaqueca tem causa desconhecida. Mas os especialistas afirmam que as causas podem ser multifatoriais, incluindo fatores hereditários. Além disso, as crises podem ser desencadeadas por outros fatores, como estresse físico e mental, privação ou excesso de sono e alterações hormonais, como o período menstrual feminino.

Alimentos e bebidas também podem provocar essa condição, como queijos, embutidos, vinho tinto e álcool de maneira geral. Portanto, cada caso deve ser individualizado, para que a causa seja investigada de acordo com o histórico do paciente.

Leite, queijos e iogurte

Leite e seus derivados devem ser evitados por quem sofre com enxaqueca (Foto: depositphotos)

Além dos fatores já citados, outras situações podem provocar as fortes dores de cabeça. São exemplos disso a fadiga, o excesso de trabalho físico ou mental e viagens longas. Estímulos luminosos muito fortes, sons altos, sentir fome por muito tempo e ficar exposto a perfumes fortes são outras causas observadas. (7)

Um dado importante estima que 20% das enxaquecas são causadas por algum tipo de sensibilidade a determinados alimentos, principalmente os que possuem ativos vasoconstritores, como o café e o chocolate. Derivados do leite e alguns tipos de adoçantes naturais também são considerados fatores que causam a enxaqueca. (9)

Diagnóstico

Para ter o diagnóstico de enxaqueca, é necessário que tenham ocorrido mais de cinco crises de dores de cabeça com os sintomas e características do problema. (7) Nesses casos, são realizados exames clínicos, neurológicos e complementares. Além disso, o médico deve fazer um questionário a respeito do histórico do paciente.

Hábitos que podem ajudar a diminuir as crises de enxaqueca

Além dos remédios caseiros para enxaqueca citados nesse artigo, existem alguns hábitos que podem ajudar a diminuir a frequência e a duração das crises. Entre as principais indicações estão manter um ciclo regular de sono e praticar exercícios físicos com frequência.

Além disso, é imprescindível evitar fazer jejuns muito longos e evitar tomar remédios para dor constantemente. Outro ponto importante é manter uma alimentação saudável, ingerir pouco álcool e abolir o uso do glutamato monossódico.

Outras indicações são: diminuir consideravelmente o consumo de produtos derivados do leite, evitar usar perfumes muito fortes e eliminar o tabaco. (7) Ainda segundo o nutricionista Ítalo Rodrigues, é indicado evitar alimentos ricos em cafeína, como refrigerantes, chocolates e café. Isso porque, esses elementos podem aumentar a frequência das crises.

*Artigo feito com a colaboração do nutricionista especialista em nutrição esportiva Ítalo Rodrigues (CRN6 – 13041), mestrando em ciências da nutrição.

Referências

1. MAGHBOOLI, Mehdi. et al. “Comparison Between the Efficacy of Ginger and Sumatriptan in the Ablative Treatment of the Common Migraine”, Phytotherapy Research, 2013. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/ptr.4996. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
2. KASMAEI, Hosein Delavar. et al. “Effects of Coriandrum sativum Syrup on Migraine: A Randomized, Triple-Blind, Placebo-Controlled Trial”, National Center for Biotechnology (NCBI), 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4752800/. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
3. ZARGARAN, A. et al. “Evaluation of the effect of topical chamomile (Matricaria chamomilla L.) oleogel as pain relief in migraine without aura: a randomized, double-blind, placebo-controlled, crossover study”, National Center for Biotechnology (NCBI), 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29808331. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
4. ZARGARAN, A. et al. “Potential effect and mechanism of action of topical chamomile (Matricaria chammomila L.) oil on migraine headache: A medical hypothesis”, National Center for Biotechnology (NCBI), 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25238714. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
5. CARMONA, F. et al. “Lippia alba (Mill.) NE O extrato hidroetanólico marrom das folhas é eficaz no tratamento da enxaqueca em mulheres”, National Center for Biotechnology (NCBI), 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23639189. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
6. PITTLER, Max H. MHP.; VOGLER, B. K.; ERNST, E. “Feverfew for preventing migraine”, Cochrane Library, 2000. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD002286/full. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
7. MACHADO, Jorge; BARROS, José; PALMEIRA, Manuela. “Enxaqueca: fisiopatogenia, clínica e tratamento”, Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (RPMGF), 2006. Disponível em: http://rpmgf.pt/ojs/index.php/rpmgf/article/view/10267/10003. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
8. WANNMACHER, Lenita; FERREIRA, Maria Beatriz Cardoso.“Enxaqueca: mal antigo com roupagem nova”, OPAS/OMS – Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/visa/?q=node/4842. Acesso em 3 de dezembro de 2018.
9. SINCLAIR, S. Migraine headaches: nutritional, botanical and other alternative approaches”, National Center for Biotechnology (NCBI),1999. Disponível em:  https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10231608. Acesso em 3 de dezembro de 2018.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.