Gabiroba: benefícios da fruta e da planta

A gabiroba, ou guabiroba, é uma planta nativa da América do Sul, encontrada principalmente em regiões do Brasil, Argentina e Paraguai. Seus pequenos frutos amarelos atraem pelo sabor e aparência, mas sobretudo por possuírem propriedades medicinais, assim como as folhas da planta.

Entre os principais benefícios da fruta destacam-se a ação anti-úlcera, a melhora da saúde do sangue e o combate a diarreia. Já a planta em si (folha e extrato das folhas) reduz o colesterol. Além disso, as folhas são ótimas para quem está em processo de emagrecimento.

Frutos e folhas da gabiroba
Os benefícios da gabiroba podem ser encontrados a partir do chá ou do consumo da fruta (Foto: Reprodução | Gustavo Giacon)

Conheça a seguir as principais vantagens de se consumir a gabiroba (Campomanesia xanthocarpa) e como usá-la a favor da saúde.

Principais benefícios da gabiroba

Vamos listar os benefícios de cada parte em específico.

Benefícios da fruta

  • Reduz a pressão: uma das principais vantagens do consumo da fruta é a sua ação hipotensiva. De acordo com um estudo realizado no Rio Grande do Sul, o extrato da fruta possui compostos fenólicos e flavonoides, que ajudam a diminuir a pressão sanguínea. (1)
  • Melhora a saúde sanguínea: essa fruta é rica em substâncias que diminuem a formação de placas nas correntes venais e arteriais, favorecendo a circulação sanguínea. Tudo isso promove uma melhora na saúde do sangue e, consequentemente, protege o coração, que passa a bombear melhor. Esse benefício se estende ainda para as folhas da planta. (2, 3)
  • Previne trombose: outro benefício vascular da gabiroba é que ela possui ação antitrombótica. Esse efeito também é chamado de fibrinolítico, que é como são chamados os remédios usados para prevenir e desmanchar trombos sanguíneos. (2)
  • Combate a diarreia: um estudo realizado na Universidade do Estado de São Paulo comprovou que a ação antimicrobiana da fruta ajuda na prevenção e tratamento da diarreia. (4)

Benefícios da planta

  • Protege contra úlceras: o principal benefício comprovado das folhas dessa planta é que elas protegem o organismo contra a formação e desenvolvimento de úlceras gástricas. (5)
  • Ajuda na redução de peso: um estudo realizado pela Universidade do Vale do Itajaí mostrou que o extrato das folhas de gabiroba reduz o ganho de peso e a concentração de glicose no sangue. (6)
  • Reduz o colesterol: o efeito redutor do colesterol ruim (LDL) por parte da gabiroba foi comprovado após testes em pacientes que apresentavam nível de colesterol alto e que mostraram redução significativa após o consumo de cápsulas naturais dessa planta. (7,8)
  • É antioxidante: a gabiroba reduz o processo oxidativo nas células, ou seja, sua degradação, e previne doenças como diabetes, hipertensão, Mal de Alzheimer, câncer, Parkinsoninsmo, entre outras. (8)
  • Combate inflamações: esse benefício se deve graças às substâncias antioxidantes de alto potencial na composição química da planta. (8)

Como usar a gabiroba

Uma dúvida comum é como usar a gabiroba a fim de obter seus efeitos para a saúde do corpo. Abaixo você conhecerá quatro maneiras diferentes de consumir as propriedades dessa planta.

In natura

Você pode consumir a fruta na sua forma natural, nos lanches ou até mesmo como sobremesa após as refeições.

Algumas pessoas costumam tirar a casca, pois ela tem um gostinho amargo, mas essa parte também é rica nos benefícios citados. A polpa, por outro lado, é doce e gelatinosa. Recomendamos lavar bem a fruta antes de consumi-la, principalmente se você for comer com a casca.

Chá de gabiroba

O chá é feito com as folhas da planta. É um dos modos mais tradicionais de usar a gabiroba com propósitos curativos e medicinais. A bebida deve ser tomada sem açúcar e, preferencialmente, pela manhã.

Receita: Em uma panela, adicione 2 xícaras de água filtrada e espere ferver. Desligue o fogo e adicione 1 colher (de sopa) de folhas picadas de gabiroba. Deixe tampado por cerca de 10 minutos. Em seguida, coe e beba morno.

Cápsulas

A gabiroba também pode ser encontrada na versão em cápsulas. O extrato da planta é usado na confecção de pílulas que reúnem as principais propriedades. Elas podem ser encontradas em lojas de produtos naturais, farmácias e farmácias de manipulação.

O uso dessas cápsulas deve ser orientado por um médico, pois o exagero pode trazer complicações como mal-estar, tontura e ânsia.

Extrato

O extrato da planta geralmente é encontrado em lojas de produtos naturais, farmácias naturais e, dependendo da região do Brasil, também em feiras livres. Como o nome já diz, é um produto feito a partir da extração natural das substâncias da planta (fruta e/ou folhas).

O modo de usar esse extrato geralmente é especificado no rótulo. É importante também não exagerar no seu uso.

Referências

(1) Sant’Anna LS, Merlugo L, Ehle CS, Limberger J, Fernandes MB, Santos MC, Mendez ASL, Paula FR, Moreira CM. Chemical Composition and Hypotensive Effect of Campomanesia xanthocarpa. Evid Based Complement Alternat Med. 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28584558. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(2) KLAFKE, Jonatas Zeni et al. Antiplatelet, antithrombotic, and fibrinolytic activities of Campomanesia xanthocarpa. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. 2012. Disponível em: https://www.hindawi.com/journals/ecam/2012/954748/abs/. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(3) Otero JS, et al. Inhibitory effect of Campomanesia xanthocarpa in platelet aggregation: Comparison and synergism with acetylsalicylic acid. Thromb Res. 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28410506. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(4) Souza-Moreira TM, Salvagnini LE, Santos E, Silva VY, Moreira RR, Salgado HR, Pietro RC. Antidiarrheal activity of Campomanesia xanthocarpa fruit. J Med Food. 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21480796. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(5) MARKMAN, Blanca Elena Ortega; BACCHI, Elfriede Marianne; KATO, Edna Tomiko Myiake. Antiulcerogenic effects of Campomanesia xanthocarpa. Journal of Ethnopharmacology. 2004. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874104002272. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(6) BIAVATTI, M. W. et al. Preliminary studies on Campomanesia xanthocarpa (Berg.) and Cuphea carthagenensis (Jacq.) JF Macbr. aqueous extract: weight control and biochemical parameters. Journal of Ethnopharmacology. 2004. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874104002053. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(7) KLAFKE, Jonatas Zeni et al. Effects of Campomanesia xanthocarpa on biochemical, hematological and oxidative stress parameters in hypercholesterolemic patients. Journal of ethnopharmacology. 2010. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19914369. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

(8) Viecili PR, et al. Effects of Campomanesia xanthocarpa on inflammatory processes, oxidative stress, endothelial dysfunction and lipid biomarkers in hypercholesterolemic individuals. Atherosclerosis. 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24632042. Acesso em: 25 de outubro de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
24 anos, é jornalista e produtor de conteúdo especializado. Atua com produção jornalística há 4 anos. Vencedor do prêmio de empreendedorismo digital “Academic Winner 2017”, promovido pela DeVry University na Califórnia, Estados Unidos. Tem no currículo trabalhos em emissoras de televisão, jornal impresso, revistas e internet. É pernambucano e tem como hobbies escrever, jogar videogames, cinema e estudos sociais.