Pimenta do Reino faz mal? Veja benefícios

Com sabor marcante e forte, a pimenta engana muitas pessoas. A verdade é que é uma especiaria rica em benefícios para a saúde

Você conhece os benefícios da pimenta do reino? Esta especiaria, também conhecida como pimenta preta ou pimenta redonda, é comum na alimentação mundial, mas será que ela faz bem ou mal para a saúde? É o que você vai descobrir aqui!

Antes de mais nada, no Brasil, é comum usar a pimenta do reino como tempero de receitas comuns no dia a dia ou até mesmo na alta gastronomia. Dessa forma, trata-se de uma especiaria muito fácil de encontrar e de uso quase intuitivo como tempero.

Possui um composto químico chamado piperina, que lhe concede a picância. Mas, devido ao seu sabor marcante e forte, muitas pessoas têm dúvida se a pimenta do reino faz bem ou mal a saúde. Veja abaixo a resposta!

A pimenta do reino faz mal para a saúde?

Não, muito pelo contrário. Vários estudos, pesquisas e análises realizadas pela ciência comprovaram que a pimenta do reino é um alimento rico em nutrientes e propriedades que fazem bem para o corpo humano.

A ideia de que a pimenta do reino faz mal vem do seu sabor forte, picante e muito característico. Muitas pessoas pensam que por causa disso, a pimenta faz mal e é uma grande fonte de sódio.

Grãos de pimenta do reino

A pimenta do reino é um alimento rico em nutrientes que fazem bem para o corpo humano (Foto: depositphotos)

De fato, existe sódio na composição da pimenta do reino, mas também há vários compostos ativos e substâncias benéficas para a saúde. Se está com dúvida, veja nossos próximos tópicos e se surpreenda com os benefícios comprovados pela ciência.

O que é esse alimento?

A pimenta do reino (Piper nigrum) é uma especiaria/tempero muito famosa no mundo inteiro. Também é chamada de pimenta-preta e pimenta-redonda. Trata-se de uma das especiarias mais antigas da história, sendo usada em comidas desde a Antiguidade.

Historiadores acreditam que sua origem é indiana, pois foi desta região que teve início a exportação da pimenta do reino para o Ocidente através dos mercadores muçulmanos. O valor desta pimenta era tão alto nessa época que, inclusive, a especiaria já foi usada como moeda.

A pimenta preta vem da planta conhecida como pimenteira, uma planta do tipo trepadeira que pertencem à família Piperaceae. É uma planta nativa das florestas equatoriais da Ásia (região da Índia). Hoje é possível encontrar plantio de pimenta em vários países ao redor do mundo.

Veja também: Descubra os benefícios e propriedades da pimenta biquinho

Para que serve a pimenta do reino?

Além de não fazer mal para o organismo, a pimenta do reino é um tempero rico em propriedades medicinais. Sua composição complexa lhe transforma em uma das mais famosas especiarias usadas na medicina natural. Pensando nisso, separamos uma lista com os benefícios saudáveis da pimenta do reino. Veja:

  • Melhora a imunidade do corpo
  • É antioxidante
  • Ajuda no tratamento da asma
  • Previne as úlceras
  • É anti-diabético
  • Elimina bactérias e micróbios
  • Inibe o crescimento de tumores
  • É anti-inflamatório

Bastantes benefícios, não é? Vale ressaltar que estes que foram listados são os benefícios comprovados pela ciência até o momento. Claro que existem outras vantagens saudáveis, mas estas ainda estão sendo estudadas ou passando por testes.

Dessa forma, escolhemos estes que foram citados pois já existem embasamento científico que os comprovam. Assim, certificamos de que todos estes são baseados em pesquisas e estudos originais e certificados. Abaixo, você aprenderá mais sobre cada um.

Usos medicinais: Conheça mais sobre os benefícios

Agora você verá um pouco mais sobre cada um dos benefícios listados anteriormente. É aqui também onde você vai confirmar que todos esses benefícios são verdadeiros. As informações são baseadas em fontes científicas e pesquisas oficiais. Confira nossas referências científicas no fim do artigo!

Melhora a imunidade do corpo

Em primeiro lugar vamos começar com um dos principais e mais potentes benefícios da pimenta-do-reino! De acordo com estudos científicos e testes realizados em animais e humanos, este tempero age como um imunomodulador no organismo (1).

Ou seja, ao consumir pimenta-do-reino, você estimula o seu sistema imunológico, o que beneficia as defesas do corpo e previne algumas doenças comuns, como as gripes e viroses.

É antioxidante

A pimenta-do-reino também possui compostos ativos e substâncias que promovem o efeito antioxidante (1, 3). Sendo assim, esta pimenta é capaz de combater e inibir os radicais livres, substâncias malignas que provocam o estresse oxidativo das células.

Os radicais livres prejudicam o ciclo de vida saudável das células do nosso corpo, o que abre espaço para doenças bem perigosas, como o câncer e doenças degenerativas. Dessa forma, é importante sempre incluir antioxidantes na alimentação para ter uma boa saúde.

Entre as doenças que podem ser prevenidas com o uso de antioxidantes como a pimenta do reino estão o câncer, Alzheimer, diabetes, Mal de Parkinson, envelhecimento precoce e doenças degenerativas no geral.

Ajuda no tratamento da asma

Muita gente não sabe, mas a pimenta do reino faz muito bem para quem tem asma (1, 2). Este é meio que um daqueles segredos naturais que pouca gente sabe. A ciência comprovou, através de testes em humanos e análises nutricionais, que a pimenta previne crises de asma e ajuda na respiração de pacientes com esta doença.

Previne as úlceras

Um engano comum de muitas pessoas é achar que a pimenta faz mal para o estômago. Na verdade, a pimenta do reino faz tão bem que até ajuda a prevenir as úlceras (1, 3).

Estudos comprovaram que a picância deste tipo de pimenta é resultado da combinação de algumas substâncias que ajudam na digestão e estimulam o funcionamento do intestino. Também existe relação entre o consumo da pimenta e a produção de bile saudável.

A bile (ou suco biliar) é um fluido produzido pelo fígado e armazenado na vesícula que tem como função digerir as gorduras, o que deixa a digestão mais fácil e ajuda o estômago.

É anti-diabético

Um estudo científico coreano afirma que a pimenta do reino possui ativos anti-diabéticos (2). Isto é, a pesquisa comprovou que o consumo deste tempero ajuda na prevenção da diabetes, seja do tipo 1 ou do tipo 2.

Além de prevenir, a pimenta do reino pode ser usada para potencializar os efeitos do tratamento contra a diabetes. Dessa forma, é um alimento aliado nesse processo de combate a diabetes mellitus.

Elimina bactérias e micróbios

Muitos artigos científicos produzidos com resultados de pesquisas afirmam que este tempero é capaz de eliminar micróbios e bactérias presentes no corpo (2, 3). Com isso, é possível se prevenir de algumas doenças e há melhora no sistema imunológico no geral.

A presença de bactérias e micro-organismos prejudiciais também pode provocar mal-funcionamento de órgãos e alterações em alguns sentidos, como paladar, olfato e audição. Sendo assim, use a pimenta como um antibactericida e anti-micróbios natural.

Inibe o crescimento de tumores

A medicina foi capaz de comprovar que o consumo de pimenta do reino faz com que tumores parem de crescer ou cresçam mais lentamente (3). Este é um enorme benefício, pois ajuda no tratamento quimioterápico e radioterápico de pacientes com alguns tipos de câncer.

É anti-inflamatório

Por fim, mas não menos importante, a pimenta possui ação anti-inflamatória (4). Dessa forma, consumir essa especiaria auxilia no tratamento de inflamações, aliviando também os sintomas de doenças inflamatórias.

Dessa forma, associa-se ainda a pimenta do reino ao alívio de dores na lombar, ombros, costas e articulações. Pois, comumente, estas dores são provocadas por pequenas inflamações nessas regiões.

Veja também: Comer Pimenta emagrece?

A pimenta do reino muda o paladar?

Sim, é possível. A tolerância a picância aumenta conforme comemos alimentos apimentados. Dessa forma, é possível que as suas papilas gustativas se acostumem com certo grau de picância. Este grau não é comum na alimentação tradicional brasileira.

Sendo assim, há relatos de pessoas que viajaram para países de culinária muito picante (como a Coréia ou Japão, por exemplo) e quando voltaram ao Brasil acabaram achando a comida “sem gosto”. Isso acontece porque o paladar se acostuma e “pede” mais picância.

Contudo, o paladar também se “desacostuma” com a picância. Basta parar de ingerir alimentos picantes e o paladar volta ao “normal”.

Pimenta do reino

A pimenta do reino é normalmente consumida em forma de tempero, principalmente nos países asiáticos (Foto: depositphotos)

Como consumir corretamente?

A pimenta do reino deve ser consumida junto com a alimentação diária, como um tempero comum de receitas, saladas e alimentos no geral. Contudo, não exagere na quantidade. O ideal é usar o tempero em preparos saudáveis, longe das frituras, massas e comidas gordurosas.

Cuidados e contraindicações

Em primeiro lugar, não se deve consumir a pimenta do reino exageradamente. Graças a sua composição complexa e rica em algumas substâncias fortes, o consumo exagerado pode provocar irritações e efeitos colaterais diversos.

Pessoas que sofrem com doenças estomacais – como úlcera, gastrite e hipersensibilidade gástrica, por exemplo – só devem consumir a pimenta do reino sob a recomendação de um médico especialista. Caso contrário, a especiaria podem agravar sintomas.

Idosos e crianças não devem consumir pimenta do reino. Na verdade, idosos ainda podem consumir, desde que seja pouco. Em nenhuma hipótese os idosos devem consumir esta pimenta todos os dias.

Cuidado com o manuseio da pimenta do reino em pó. Quando em contato com os olhos ou nariz, o pó de pimenta pode irritar o organismo, causar alergias e sintomas como dificuldade de respirar e inchaço.

Veja também: Saiba quais são os benefícios da pimenta dedo de moça à saúde

Referências científicas

Por fim, veja abaixo as referências científicas usadas na produção deste artigo. O Remédio Caseiro é um site comprometido com informações verdadeiras, conteúdo relevante e, claro, com a sua saúde. Sendo assim, fique sempre bem informado(a) em nosso site!

Referências

  1. MEGHWAL, M.; GOSWAMI, T. K. Piper nigrum and piperine: an update. 2013. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23625885>. Acesso em 28/01/2019.
  2. BUI. Thi Tho et al. Piper nigrum extract ameliorated allergic inflammation through inhibiting Th2/Th17 responses and mast cells activation. 2017. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29066080>. Acesso em 28/01/2019.
  3. BUTT, M. S. et al. Black pepper and health claims: a comprehensive treatise. 2013. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23768180>. Acesso em 28/01/2019.
  4. NGO, Q. M. et al. Alkaloids from Piper nigrum Exhibit Antiinflammatory Activity via Activating the Nrf2/HO-1 Pathway. 2017. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28185326>. Acesso em 28/01/2019.

Sobre o autor

24 anos, é jornalista e produtor de conteúdo especializado. Atua com produção jornalística há 4 anos. Vencedor do prêmio de empreendedorismo digital “Academic Winner 2017”, promovido pela DeVry University na Califórnia, Estados Unidos. Tem no currículo trabalhos em emissoras de televisão, jornal impresso, revistas e internet. É pernambucano e tem como hobbies escrever, jogar videogames, cinema e estudos sociais.