Como tratar cotovelo de tenista naturalmente

A doença conhecida popularmente como cotovelo de tenista é, na verdade, a epicondilite lateral. Trata-se…


A doença conhecida popularmente como cotovelo de tenista é, na verdade, a epicondilite lateral. Trata-se de uma inflamação nos tendões que acaba originando dores no ombro e no braço.

O nome está relacionado à presença da doença em muitos dos tenistas, mas é claro que você pode desenvolver essa inflamação mesmo que nunca tenha pisado em uma quadra de tênis. Ela produz uma dor na parte de fora do braço, ao contrário do cotovelo de golfista, outra inflamação que afeta os tendões do cotovelo, mas na parte de dentro. Os tendões que estão envolvidos nessa inflamação da epicondilite, são responsáveis por ligar os músculos entre punho e mão.

O cotovelo de tenista é a causa de muitas das procuras por médicos relacionadas às dores em cotovelos e pode acontecer igualmente entre homens e mulheres, afetando principalmente o braço dominante e é mais comum em pessoas entre 30 e 50 anos, mesmo que possa ocorrer em qualquer idade.

Quais são as causas?

A epicondilite é uma condição crônica decorrente de movimentos repetitivos que acontece com o tempo. Pode ser a causa, por exemplo, usar uma chave de parafuso, ou ainda balançar a raquete de tênis. Qualquer movimento repetitivo pode ser a causa, podendo decorrer de atividade esportiva ou atividades constantes em computador, por exemplo.

As atividades mais comuns são os esportes tênis, raquetebol, golfe e esgrima, trabalhos e hobbies que envolvem digitar, usar o mouse do computador, tricô, jardinagem, uso de tesoura e tocar instrumentos musicais. Outras ocupações pode ser a atividade de pintor, marceneiro, encanador, pedreiro e uso de chave de parafuso ou martelo.

Como tratar cotovelo de tenista naturalmente

Foto: Reprodução

Sintomas

Os sintomas mais comuns são a dor e a sensibilidade no epicôndilo lateral, que é a saliência óssea na parte de fora do cotovelo. Ali estão conectados os tendões ao osso e, na maioria das vezes começa moderada e piora no decorrer de semanas ou meses. Pode haver ainda a irradiação de dor ou queimação no braço, antebraço e na parte de fora do cotovelo.


A dor pode se destacar ao fazer coisas simples com as mãos, como erguer um objeto, apertar ou fechar a mão, dar aperto de mão ou abrir porta, ou mesmo pressionar a parte de fora do cotovelo.

O diagnóstico deve ser feito por meio de exame minucioso com a flexão do braço, punho ou cotovelo para ver se dói, além de pressionar o epicôndilo, mas em casos mais graves pode ser necessário raio-x ou ressonância magnética para que seja detectado o problema.

Como tratar?

Basicamente, o tratamento está relacionado ao “princípio de RICE”, sigla que significa descanso, gelo, compressão e elevação. Isso significa que você deve cuidar com descanso adequado e, é claro, procurar ajuda médica.

O mais importante é descansar. Durma todas as horas que precisa e descanse o braço, evitando mais movimentos do que são necessários. Enrole um bloco de gelo em uma toalha fina e aplique durante 15 minutos entre 3 e 4 vezes ao dia. Use cotoveleiras compressivas, pois elas podem ajudar a proteger o tendão danificado. Procure ajuda médica e realize alongamentos e pausas entre as atividades, e procure auxílio em fisioterapias.

Cataplasma confrei

O confrei é uma planta que ajuda a aliviar a dor e acelerar a cura causada por essa inflamação nos tendões. Coloque 1 xícara de folhas secas em uma tigela e cubra com água quente. Deixe por uma hora tampado e coloque as folhas úmidas entre dois panos de algodão. Aperte para remover o excesso de líquidos e aplique diretamente no cotovelo. Altere de duas em duas horas até aliviar a dor.

Chá de gengibre

O gengibre tem propriedades anti-inflamatórias, auxiliando no tratamento. Use ½ colher de raiz de gengibre seco para cada xícara de água. Com a água fervente, coloque o gengibre e deixe de repouso por 20 minutos. Beba ainda quente entre duas e três vezes ao dia.


Reportar erro