4 usos da vaselina para a pele que você nunca pensou

Você provavelmente já ouviu falar na vaselina, não é mesmo? Este produto multiuso é barato e facilmente encontrado em qualquer farmácia ou perfumaria. Alguns usam para melhorar a aparência dos móveis, lutadores usam para se protegerem durante as lutas e outros até como lubrificante nos momentos mais íntimos.

Mas, afinal, você sabe do que é feita a vaselina e como ela pode ser utilizada da melhor forma?

Segundo o dermatologista Felipe Chediek, “a vaselina é uma substância derivada do petróleo, usada como base em muitos produtos cosméticos”. Ainda segundo o médico, a vaselina foi descoberta, em 1872, por Robert Chesebrough que acreditava tanto no poder cicatrizante do produto que queimava a própria pele para, em seguida, aplicar o produto e acompanhar o progresso da cicatrização do ferimento.

Pote com vaselina

A vaselina pode ser usada para resolver rachaduras dos pés e lábios (Foto: depositphotos)

Atualmente a vaselina é utilizada em várias aplicações como lubrificantes, para proteger metais da corrosão, na área da saúde e farmacêutica e, principalmente, na fabricação de cosméticos, como: cremes, pomadas, bálsamos e emolientes.

Usos e benefícios da vaselina

A indústria dos cosméticos não para de evoluir. Diariamente surgem novos produtos, usos, tecnologias e descobertas que prometem verdadeiros milagres em prol da beleza e do bem-estar.

Surpreendentemente, alguns produtos simples e desprovidos de qualquer tecnologia avançada seguem fazendo sucesso em meio a tantas novidades. É o caso da vaselina.

Se você, assim como nós, ama apostar nos clássicos (aqueles que a sua avó usava e defende até hoje) para cuidar da beleza, confira alguns usos da vaselina. Você vai se surpreender com a versatilidade desse produto!

1- Cicatriza arranhões e queimaduras

Estudos mostram que a vaselina é altamente eficaz na cicatrização de pequenos arranhões e queimaduras de baixa gravidade. Isso porque ela ajuda a manter a pele úmida, facilitando sua regeneração. Além disso, a barreira formada pelo produto faz com que bactérias, sujeiras ou outros agentes não consigam penetrá-la.

Também por isso é importante verificar se a superfície em que você irá aplicar a vaselina está devidamente limpa e desinfetada. Caso contrário, bactérias e outros patógenos podem ficar presos no interior e atrasar o processo de cicatrização. Esta informação abre margem para uma dúvida muito comum:

“Posso passar vaselina na minha tatuagem?”

Segundo Chediek, “a vaselina oclui a pele, por esse motivo não é absorvida, não sendo indicada para cicatrizar as tatuagens. Por causa da formação de uma barreira sobre a cútis, obstruindo e impedindo a sua “respiração” natural. Além disso, a vaselina possui componentes sensibilizantes, devendo ser evitada nesses casos”.

O médico acrescenta ainda que a tatuagem fica bonita se a pele estiver saudável, portanto, a hidratação é fundamental para a longevidade da tatuagem. Usar um hidratante suave diário auxilia na preservação da tatuagem. É recomendado evitar produtos com petrolatos (derivados do petróleo), pois podem até fazer a tinta desbotar.

Por fim, ele explica que o ideal é evitar produtos que contenham substâncias químicas ou ingredientes muito agressivos à pele – isso inclui produtos com corantes artificiais, que podem ocasionar irritação. Existem no mercado produtos específicos para serem utilizados em tatuagens que já foram testados e não apresentam riscos.

2- Trata rachaduras

Poucas coisas conseguem ser tão irritantes (e dolorosas) quanto as rachaduras nos lábios. Elas são mais comuns em épocas de frio e são consequência da falta de hidratação. Para driblar o problema basta aplicar uma pequena quantidade de vaselina sobre a área afetada antes de dormir. A melhora é notória logo no dia seguinte.

A vaselina também é excelente para tratar o ressecamento e as rachaduras nos pés e calcanhares. Com o uso diário as rachaduras não tardam a desaparecer.

3- Reduz as pontas duplas

A exposição ao sol e ao vento, fontes de calor, bem como a água da piscina e do mar, podem ressecar o cabelo. A vaselina pode reduzir a aparência das pontas duplas e dar brilho ao cabelo. O especialista indica: “aplique um pouquinho de vaselina nelas e pronto. Elas ficarão mais juntas e com aspecto brilhante”.

A vaselina também pode ser muito útil para proteger a pele contra as manchas e as irritações causadas pelas tinturas capilares.

4- Remove a maquiagem e os cílios postiços

A textura oleosa torna a vaselina muito útil para remover maquiagem à prova d’água e cola para cílios postiços que costumam ser resistentes aos demaquilantes comuns. Para isso, coloque uma pequena quantidade de vaselina sólida ou líquida sobre um chumaço de algodão e aplique suavemente na área desejada. Faça movimentos leves, sem esfregar. De quebra, ela ainda ajuda a hidratar a pele desta região, que costuma ser mais sensível.

Vaselina faz os cílios crescerem. Mito ou verdade?

“Existem mitos de que a vaselina ajuda a crescer os cílios, mas essa informação é falsa. No entanto, existem alguns benefícios que a vaselina oferece para os cílios, como a hidratação, evitando que eles se quebrem. O gel da vaselina reflete a luz, podendo deixar mais brilhante e volumoso, mas não faz crescer”, esclarece o dermatologista,  Felipe Chediek.

Vaselina e glicerina são a mesma coisa?

Não, ambas são completamente diferentes em composição e características, portanto não devem ser confundidas. Chediek explica:

“A glicerina é um álcool de açúcar sem cor e cheiro, feita a partir de vegetais ou gordura animal, existe também a versão sintética. Seu verdadeiro nome é glicerol, mas popularmente é conhecido por glicerina. É usada em produtos para cuidados da pele e dos cabelos, devido às suas características hidratantes e por fornecer proteção à pele. A vaselina é um líquido mais oleaginoso.”

*Artigo feito com a colaboração do médico Felipe Chediek (CRM-SC 26050 – RQE 16772)

Referências

ARAÚJO, N.M; OLIVEIRA, S.M.J.V. Uso de vaselina líquida na prevenção de laceração perineal durante o parto. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 16, n. 3, 2008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/16965 . Acesso em: 19 de set. 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista, especialista em Comunicação Digital e Mestre em Serviço Social. Atua como redatora e revisora freelancer. Atualmente vive como nômade digital pela Europa. Cearense de coração paraibano levando o corpo pelo mundo afora!