Varizes pélvicas

As varizes pélvicas são consideradas um dos problemas citados pela Classificação Internacional de Doenças (CID-10). Para quem não sabe, elas são caracterizadas como veias dilatadas localizadas na pelve, região inferior ao abdômen, onde estão os órgãos genitais.

De acordo com o cirurgião vascular, endovascular e ecodoppler, Alexandre Amato, “39,1% das mulheres em algum momento da vida terão dor pélvica crônica, que pode estar associada às varizes pélvicas.”(1)

Mas, mesmo sendo um problema de saúde mais comum nas mulheres, as varizes pélvicas também podem afetar os homens.

Segundo o radiologista intervencionista e angiorradiologista, André Moreira de Assis, no sexo feminino a condição pode prejudicar órgãos como útero, as tubas uterinas e os ovários. Já no masculino, as veias dilatas costumam aparecer nos testículos.

Nesse artigo você vai conhecer mais detalhes sobre esse problema de saúde. Sintomas, causas e tratamentos são alguns dos assuntos abordados nesse texto. Além disso, você pode tirar algumas dúvidas no final da leitura.

Sintomas da varizes pélvicas

“A dor na região é bem característica e piora durante o período pré-menstrual, no final do dia ou após longos períodos em pé”, ressalta o radiologista intervencionista que faz parte do Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa (CRIEP).

Varizes

Essas veias dilatadas ficam localizadas na pelve e abdômen (Foto: depositphotos)

Ainda segundo André Moreira, essa dor costuma perdurar por até seis meses. Por isso, é comum sentir muito incômodo na região inferior ao abdômen. Nas mulheres o aumento do fluxo de sangue na menstruação é um dos sintomas.

Mas de uma forma geral, o paciente com varizes pélvicas pode sentir dor durante as relações sexuais. Também pode sofrer com incontinência urinária, ter uma sensação de peso na região íntima e, claro, visualizar as varizes próximas das regiões íntimas.

Quais são as causas desse problema nas mulheres?

Para o médico André Moreira de Assis, a causa pode ser fatores genéticos. Mas também as varizes pélvicas podem surgir devido aos fatores hormonais e gestacionais. Inclusive, quando o assunto são as mulheres as varizes na região pélvica costumam surgir com mais frequência após a gravidez.

Veja também: ‘Pernas para que te quero!’ 2 receitas que resolvem problemas de varizes

Varizes pélvicas masculinas

Já nos homens, esse problema de saúde recebe um nome diferente, a varicocele. Segundo o radiologista intervencionista, as veias dilatas acometem o testículo com maior intensidade.

Isso ocorre “devido à presença de refluxo nas veias do plexo pampiniforme, que se tornam incompetentes para drenar o sangue. As veias da bolsa escrotal podem aparecer ingurgitadas simulando uma bolsa de minhocas. Isso pode ser mais evidente durante esforços ou exercício físico”, explica o médico.

Tratamento

Antes de iniciar o tratamento, o ginecologista deve fazer o diagnóstico da doença com base nos sintomas e exames. Eco-doppler, tomografia abdominal ou pélvica e angiorressonância são alguns dos teste laboratoriais realizados.

“A flebografia, que é o melhor exame, é reservado para o momento do tratamento cirúrgico, pois o acesso para o exame é exatamente o mesmo do procedimento terapêutico”, conta o cirurgião vascular Alexandre Amato. (1)

Após o diagnóstico, o ginecologista pode recomendar alguns medicamentos para o tratamento desse problema. No entanto, nem todos os casos conseguem apresentar melhoras com esse tipo de medicamento.

A partir disso surgem opções como cirurgias ou embolização das varizes pélvicas, como os médicos chamam. Confira mais detalhes sobre esse procedimento a seguir.

Embolização de varizes pélvicas

“Bastante eficaz, é uma técnica nova e minimamente invasiva. Inserimos um cateter e aplicamos materiais para a oclusão da veia comprometida, por meio de um pequeno furo na virilha. Esse é um procedimento sem cortes ou cicatrizes e o sucesso técnico se aproxima de 100%”, afirma o médico André Assis.

Além disso, o procedimento é feito de forma simples. Por isso, é necessário apenas uma anestesia local e todo o trabalho é realizado em até 2 horas pelo médico. Consequentemente, o paciente não precisa ficar internado por longos períodos, podendo deixar o hospital em até 4 horas após o término do procedimento.

Veja também: Verdades e mitos sobre o aparecimento das varizes

Dúvidas frequentes

Mesmo sabendo de todos os detalhes já mencionados, algumas pessoas ainda podem ter dúvidas sobre esse problema de saúde. Confira as principais perguntas sobre o tema e entenda um pouco mais sobre as varizes pélvicas.

Quem tem varizes pélvicas pode tomar anticoncepcional?

Como esse problema de saúde pode está ligado aos fatores hormonais, não é recomendado fazer uso de anticoncepcional. Isso porque, a maioria desses medicamentos possuem em suas composições hormônios capazes de alterar ainda mais a funcionalidade das veias.

Varizes pélvicas causam infertilidade?

De acordo com André Assis, essa doença pode causar dores na região testicular e levar à diminuição da fertilidade.

Qual a diferença entre esse problema e a endometriose?

As varizes pélvicas causam dores diferentes das apresentadas na endometriose. Isso porque, pacientes com esse primeiro problema podem ter um alívio da dor após um período de repouso. O que não acontece com quem tem endometriose. (2)

Quem tem essas varizes pode engravidar?

“Quem tem varizes pélvicas pode engravidar, mas deve fazer o tratamento antes. Sabendo também que a gravidez pode piorar as varizes pélvicas, agravando seu tamanho ou mesmo sintomas”, afirma o médico Alexandre Amato. (1)

Prevenção das varizes pélvicas

Sangue e oxigênio são os motores do corpo humano, fazendo com que ele funcione da melhor maneira possível. Mas para que essas substâncias cheguem em todas as partes do organismo, é preciso que as veias e as artérias estejam em perfeita ordem, por isso são essenciais no transporte.

No entanto, algumas substâncias podem bloquear essas passagens e consequentemente causam problemas que demandam atenção médica. Esse é o cado das varizes pélvicas, que surgem devido a dilatação das veias que transportam e drenam o fluxo sanguíneo dos órgãos pélvicos em direção ao coração.

Para evitar essa interrupção, tanto homens como mulheres podem adotar uma vida mais ativa e saudável, é o que recomenda o médico André Assis. Segundo o profissional, atividades esportivas e uma alimentação equilibrada podem ajudar o sangue a voltar para o coração e controlar os sintomas.

Mas claro, nem todos os casos podem ser evitados. Isso porque, como já mencionado, as varizes pélvicas podem ser consequências de fatores genéticos. Sendo assim, pessoas que têm familiares próximos com esse problema, devem estar atentas e buscar auxílio médico sempre que for necessário.

*Artigo feito com a colaboração do médico especialista em radiologia intervencionista e angiorradiologia, André Moreira de Assis (CRM-134.076).

Referências

1. AMATO, Alexandre. “Varizes pélvicas”. Site VASCULAR.PRO. 2015. Disponível em: https://vascular.pro/content/varizes-p%C3%A9lvicas. Acesso em 15 de janeiro de 2019.

2. Programa Viver Bem. Tv Ponta Negra/Natal. 2009. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WZFu29Qm3Ok. Acesso em 15 de janeiro de 2019.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.