Uvaia: uma fruta cheia de benefícios

Em tupi, uvaia significa “fruta azeda”, destacando a principal característica desse alimento. Ela é o fruto da uvaeira, cujo nome científico é Eugenia pyriformis, uma árvore nativa da Mata Atlântica e que pertence à família Myrtaceae, assim como a pitanga, goiaba-serrana e a jabuticaba. (1, 2)

Sua comercialização em mercados e feiras é restrita, tendo em vista que a casca é fina e a polpa muito delicada. Sendo assim, tem facilidade em ser amassada, oxidada e ressecada. No entanto, a fruta é muito aproveitada pelas indústrias na fabricação de certos alimentos como sucos, doces, geleias e até vinagres. (3)

Frutos de uvaia
A uvaia é um fruto capaz de fortalecer o organismo e evitar doenças Foto: Reprodução | Unicentro/ Gerson L. Lopes)

Mas, o que poucas pessoas sabem é que a uvaia é rica em vitaminas e minerais importantes para a saúde. Um dos compostos de mais destaque dessa fruta é a vitamina C, também chamada de ácido ascórbico. Com isso, ela contribui com as defesas do organismo.

Para que serve a uvaia?

Esse fruto hidrata o corpo, pois a polpa apresenta em torno de 90% de água. Além disso, ela possui minerais muito importantes para a saúde como potássio e cálcio. (2)

Fortalece o organismo

O ácido ascórbico é um dos compostos mais importantes presentes nas frutas cítricas, e no caso da uvaia não seria diferente. Para se ter uma ideia, essa fruta azeda tem quatro vezes mais vitamina C do que a própria laranja. E como essa substância não é sintetizada pelo organismo, precisamos consumi-la através dos alimentos.

Entre as múltiplas funções dela estão a de reduzir a suscetibilidade à infecção, aumentar a absorção de ferro e ser vital no desenvolvimento e manutenção do organismo humano. Além disso, também é responsável pela reciclagem da vitamina E e desempenha um papel importante na formação de dentes e ossos.

Outra atuação do ácido é a prevenção do escorbuto, um problema de saúde caracterizado por hemorragias, queda de resistência à infecções e hematomas. Isso tudo sem falar na sua importância para a produção e manutenção do colágeno, proteína necessária para fortalecer pele, cabelo e unhas. (1, 3)

Protege as células

Além de todos os benefícios citados anteriormente, ainda falta um com relação à vitamina C: a ação antioxidante. Assim como ela, outras substâncias presentes no fruto da uvaeira, como os compostos fenólicos, auxiliam na proteção das células do corpo contra os radicais livres.

Normalmente, o corpo possui esses radicais, mas a alimentação desequilibrada e uma vida sedentária podem contribuir para o aumento dessas moléculas instáveis. Elas, por sua vez, passam a “atacar” o organismo, provocando um estresse oxidativo nas células. Esse processo pode resultar em problemas de saúde, como as doenças cardiovasculares, câncer e disfunções cerebrais.

Sendo assim, é recomendado ter uma alimentação saudável, visando consumir produtos naturais como frutas, legumes e hortaliças, além de cereais integrais. Com essa reeducação alimentar, o mecanismo de defesa celular só tende a se beneficiar. (3, 4)

Melhora o desenvolvimento embrionário

O teor de carotenoides da uvaia é considerado alto, “principalmente quando comparado com hortaliças como a cenoura, umas das principais fontes desse composto.”

Para quem não sabe, os carotenoides são pigmentos naturais que dão aos alimentos uma coloração que pode variar entre amarela, laranja ou vermelha. Mas então você deve estar se perguntado: “como um ‘corante’ pode ajudar no desenvolvimento embrionário?”

A questão principal é que esse pigmento possui propriedades benéficas e uma delas é a atividade pró-vitamina A (retinol). Essa substância é essencial para desenvolvimento do feto, além de desempenhar um papel importante no funcionamento da visão e do sistema imune. (4,5)

Combate bactérias

Um estudo publicado na Revista Instituto de Medicina Tropical de São Paulo mostrou que o extrato de semente da Eugenia pyriformis inibiu o crescimento de 13 dos 15 micro-organismos usados no experimento.

Na atividade antimicrobiana, por exemplo, bactérias como Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus e Enterococcus faecalis foram combatidas. Esses resultados abrem precedentes para que tal fruta seja adotada como um possível tratamento para infecções respiratórias, epidérmicas, urinárias e até digestivas. (6)

Reduz a glicose e os níveis de colesterol no sangue

Existem dois tipos de fibras, as insolúveis e as solúveis, sendo esta última a que mais prevalece na maior parte das frutas, hortaliças e legumes. Em 100 gramas da polpa fresca da uvaia há aproximadamente 40 gramas de fibras.

Essas substâncias tornam a transformação dos carboidratos complexos, como o amido em glicose, mais lenta. Com isso, a absorção do açúcar no sangue desacelera e os níveis de glicose no sangue também caem.

Outro benefício das fibras solúveis é a redução do colesterol na corrente sanguínea, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares como a aterosclerose. Apesar do nome difícil, essa doença é muito comum em todo o mundo, pois é caracterizada pelo acúmulo de gorduras nas artérias, dificultando a passagem do sangue.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as pessoas precisam consumir 25 gramas desse composto vegetal diariamente. Mas quem não está acostumado, deve inciar uma adaptação aos poucos. (2, 7)

Formas de consumo

A fruta pode ser consumida in natura, como suco ou até mesmo geleias. Industrialmente, é comum utilizá-la na preparação de vinhos e vinagres.

Suco

Lave um copo de uvaias e depois corte-as ao meio. Retire as sementes de cada uma e coloque as polpas no liquidificador. Adicione meio litro de água e bata até tudo ficar homogêneo. Depois é só coar e adoçar conforme a sua preferência.

Essa bebida é rica em antioxidantes, como os compostos fenólicos e a vitamina C, por isso aumenta a imunidade ao mesmo tempo em que refresca. (8)

Como preparar o chá de folha de uvaia?

Algumas pessoas acreditam que as folhas dessa planta possuem benefícios para a saúde. No entanto, não há descrição na literatura sobre para que serve o chá da folha de uvaia. Ao contrário de uma outra espécie da mesma família, a Eugenia uniflora, popularmente chamada de pitanga.

Nesse caso, é possível fazer uma decocção com as folhas e água fervente. E o resultado final pode ser usado no controle da hipertensão, diminuição do colesterol e ácido úrico, emagrecimento, adstringente e digestiva. (9)

Referências

(1) ZILLO, Rafaela R. et al. “Parâmetros físico-químicos e sensoriais de polpa de uvaia (Eugenia Pyriformis) submetidas à pasteurização”. bioenergia em revista: diálogos, ano 4, n. 2, 2014. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/43e2/de7957959b2812a10751ed16463aaff9b7b1.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(2) SCHMIDT, Helena. “Caracterização físico-química, nutricional e de compostos bioativos de sete espécies da família Myrtaceae nativas da Região Sul do Brasil”. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/178868. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(3) COUTINHO, Amanda Martins; PASCOLATTI, Yasmin Solci. “Caracterização físico-química e análise antioxidante da polpa de uvaia (Eugenia Pyriformis Cambess)”. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2014. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2576/1/LD_COALM_2013_2_03.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(4) CORBEKINI, Diandra. “Compostos bioativos e atividade antioxidante da uvaia (Eugenia Pyriformis Cambess) em diferentes estádios de maturação”. XI ENPOS, I Mostra Científica. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/141946/1/Marcia-Vizzoto-CA-00876.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(5) MESQUITA, S. S. et al. “Carotenoides: Propriedades, aplicações e mercado”. Revista Virtual de Química., 2017.Disponível em: http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v9n2a15.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(6) CHAVASCO, Juliana Moscardini. et al. “Aplicação de atividades antimicrobial e citotóxica de extratos de plantas de Minas Gerais do Sul”. Revista Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4085825/. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(7) Unimed. “Fibras alimentares”. Disponível em: http://www.unimed.coop.br/portalunimed/cartilhas/fibras/pdf/cartilha.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(8) LOPES, Juliana Márcia Macedo. “Efeito do tratamento com suco de uvaia (Eugenia uvalha Cambess) sobre a esteatose hepática e os mecanismos envolvidos no metabolismo de lipídios e estresse oxidativo em modelo experimental”. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Área de Concentração: Bioquímica Metabólica e Fisiológica, 2018.Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/10459/1/TESE_EfeitoTratamentoSuco.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

(9) STIEVEN, A. C.; MOREIRA, J. J. S.; SILVA, C. F. “Óleos essenciais de uvaia (Eugenia pyriformis Cambess): avaliação das atividades microbiana e
antioxidante”. Eclética Química [en linea], 2009. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/429/42913585001.pdf. Acesso em: 30 de setembro de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.