Tratamento natural para baixar a febre

A febre é um sintoma médico visível através do aumento da temperatura corporal interna. Quando ela aparece, geralmente é o sinal de que algo não vai bem e o corpo está se auto-aquecendo em uma tentativa de resolver o que há de errado.

Dito isso, ela é considerada um processo e que diminui naturalmente com o tempo. No entanto, em alguns casos a febre pode ser um sinal para infecções e outros problemas mais graves. Portanto, será preciso uma intervenção para evitar danos sérios ao organismo.

Pensando nisso, o Remédio Caseiro preparou esse artigo com o auxílio da farmacêutica especialista em plantas medicinais Adriana Pereira Freire Junqueira. Aqui você encontra dicas de tratamentos naturais para baixar a febre e aprende quais os cuidados que devem ser tomados após o surgimento desse sintoma.

Tratamentos naturais para baixar a febre

Além dos banhos mornos e o resfriamento do local onde a pessoa febril se encontra, outros remédios caseiros ajudam a controlar a febre.

Mulher olhando termômetro

Além de compressas frias, outros tratamentos naturais podem acabar com a febre (Foto: depositphotos)

Confira alguns deles:

  • Alho: preparar a chamada “água de alho”. Para isso, é preciso colocar dois dentes de alho amassados em um copo de água durante 6 horas. Depois, coar e tomar três vezes ao dia. Ou ainda, uma cápsula de alho, duas vezes ao dia
  • Cebola: misturar 2 colheres (de sopa) do suco da cebola, em uma xícara de água. Tomar às colheradas. De acordo com Junqueira, a cebola é rica em anti-inflamatórios naturais que podem ajudar nos casos de febre causadas por inflamações
  • Melancia: durante as crises de febre, as dietas de sucos naturais são excelentes. Nesse caso, a melancia é uma das frutas especiais para baixar a febre. Tomar um copo do suco de melancia, três vezes ao dia
  • Laranja: beber suco de laranja ou poncã, várias vezes ao dia, sem adicionar açúcar
  • Camomila e alfavaca: use 3 colheres (de sopa) para cada litro de água fervente. Beba de duas a três vezes ao dia, acrescentando 15 gotas de própolis para cada dose. Em caso de crianças, a dose deve ser a metade
  • Alecrim e eucalipto: usar 3 colheres (de sopa) das ervas para cada litro de água. A ingestão deve ser de duas ou três xícaras ao dia, com 15 gotas de própolis para cada dose. Em caso de crianças, a dosagem deve ser a metade.

Outros remédios caseiros para a febre

De acordo com a farmacêutica Adriana Junqueira,  existem diversos chás que ajudam a diminuir a temperatura corporal. A seguir você irá ver qual é o modo de preparo e a posologia indicada para cada faixa etária.

Chá de salgueiro branco

De acordo com Junqueira, o salgueiro branco (Salix Alba) que tem como princípio ativo a salicina e é antitérmico. No entanto, o uso dele não pode ser feito por mulheres grávidas ou que estejam amamentando e nem por crianças menores de 3 anos.

Sendo assim, crianças entre 3 e 7 anos podem tomar a infusão feita com uma colher (de chá) da casca e uma xícara de água fervente. Para crianças entre os 7 e 12 anos, a infusão deve ser feita com uma colher (de sobremesa) de casca de sabugueiro branco, fervida em uma xícara de água. Em adultos, a infusão deve feita com uma colher (de sopa) da planta para cada xícara de água.

Em todos os casos o chá deve ser bebido no máximo quatro vezes ao dia, até que a febre seja controlada.

Chá de casca de limão

Assim como a laranja, o limão (Citrus limon) também é bastante eficaz no tratamento da febre e na regulação da temperatura corporal. O indicado pela farmacêutica é a ingestão do chá feito com a casca do fruto fresco e misturado ao suco da fruta, que deve ser tomado no máximo quatro vezes ao dia.

O chá deve ser feito utilizando a casca de meio fruto fresco, que deve ser deixada em infusão por 10 minutos em uma xícara de água fervente. Passado esse tempo, deve-se adicionar o suco do limão e tomar apenas meia xícara da infusão.

Atenção, para crianças que tenham entre 3 e 7 anos o chá deve ser feito apenas com ¼ da casca de um limão fresco.

Chá de calêndula

Outro medicamento natural eficaz contra a febre é o chá feito com as folhas de calêndula (Calendula officinalis). A infusão é indicada para crianças a partir dos 3 anos de idade. No entanto, é preciso ficar atento as dosagens na hora do preparo.

Desse modo, para crianças entre 3 e 7 anos o chá deve ser preparado com a infusão de meia colher (de sopa) das flores em uma xícara de água fervente. Já para crianças entre 7 e 12 anos, a medida das flores é de 1 colher e meia (de sobremesa) para cada xícara de água.

Para adultos, a infusão pode ser feita com até duas colheres e meia (de sopa) de flores de calêndula para cada xícara de água fervente. Esse chá também deve ser tomado até quatro vezes por dia.

Chá de gengibre

Junqueira também indica o chá feito com a raiz de gengibre (Zingiber Officinale) para crianças acima dos 3 anos. Para essa idade, o indicado é preparar o chá por meio da infusão ou cozimento de meia colher (de sopa) da raiz em ⅓ de xícara de água.

Chá de gengibre

De acordo com a farmacêutica, esse chá pode reduzir a temperatura corporal (Foto: depositphotos)

Para crianças maiores de 7 anos e adultos, o chá pode ser feito com uma colher ou uma colher e meia (de sopa) de gengibre, para cada xícara de água. Em todos os casos, a bebida deve ser tomada no máximo quatro vezes por dia.

O que fazer para baixar a febre em bebês?

“Os bebês, de maneira geral, não devem tomar chás”, informa a farmacêutica Adriana Junqueira. Isso porque, o sistema imunológico ainda não está completamente formado, logo, as plantas medicinais podem conter substâncias com ações pouco conhecidas ou não serem higienizadas da maneira correta.

Por isso, podem até piorar o quadro que levou ao aumento da temperatura corporal. Sendo assim, o mais indicado é aplicar o xarope manipulado ou medicamento fitoterápico.

Além disso, crianças de até 3 anos são mais vulneráveis as principais causas da febre, que são infecções e inflamações. Portanto, caso a febre não ceda é necessário procurar ajuda médica. (1)

Outros cuidados que ajudam a baixar a febre

Como já foi dito, a febre nem sempre pode baixar com facilidade. Por isso a farmacêutica Adriana Pereira Freire Junqueira também indica banhos mornos, quase frios, afirmando que eles podem ajudar na regulação da temperatura interna do corpo.

Um outro cuidado é aplicar uma toalha fria na testa e no pulso do paciente. Além disso, a profissional também indica colocar limão junto com a água, uma vez que ele atua como regulador da temperatura.

Junqueira ainda indica o consumo de alimentos leves, pois “no caso da febre o organismo consome muita energia e é essencial consumir alimentos leves e de fácil digestão”. Com isso, você  não sobrecarrega o corpo.

Então, os alimentos mais indicados são os ricos em potássio, porque ajudam a evitar uma possível desidratação, como a maçã e a banana. Além disso, segundo a farmacêutica, alimentos ricos em minerais e vitaminas, bem como os com ação anti-inflamatória, são ótimos auxiliares contra a febre.

A febre não é uma doença, mas um sintoma

Essa condição se caracteriza pela elevação da temperatura corporal acima dos níveis considerados normais, que são entre 36,5° até 37° C. Quando a pessoa apresenta temperatura acima de 37,5° pode ser considerada febril.

De acordo com a farmacêutica Adriana Junqueira, a febre é um aumento temporário da temperatura do corpo. Logo, o organismo se encarrega de fazer com que a temperatura volte ao normal após resolver o problema que a está causando.

A elevação da temperatura pode ser dar por vários fatores, entre eles:

  • Infecções
  • Sequelas de lesão tecidual
  • Inflamações
  • Processos malignos
  • Lesões ou anormalidades no cérebro
  • Reação à alguma substância tóxica. (2)

Quando a febre fica entre 37,5° C e 38° C é considerada de baixa intensidade. Já quando está entre 38° C e 39°C pode ser interpretada como moderada. Mas quando está com mais de 39°C, pode ser caracterizada como alta.

Apesar de ser preocupante, a febre geralmente é considerada benigna, uma vez que pode ser uma resposta do organismo à uma doença. No entanto, se chegar aos 42°C ela pode causar danos aos neurônios, atingindo a meninge. Sendo assim, nesse último caso é chamada de hipertermia maligna.

No entanto, quando ela não cede pode significar que a infecção ou inflamação já está instalada no organismo. Por isso, Junqueira defende que um profissional capacitado deve ser procurado com urgência.

Quando é preciso se preocupar com a febre?

Apesar de ser cercada de mitos e até de certo pavor, principalmente se acontecer com crianças, a febre não necessita de preocupações exageradas quando ocorre em pessoas saudáveis e apresenta-se em níveis moderados.

Contudo, algumas circunstâncias merecem um controle mais cuidadoso da temperatura, como quando a febre vem acompanhada de outros sintomas. Por exemplo, diarreia, vômito, confusão mental, rigidez na nuca, qualquer dor muito forte ou pontadas em qualquer parte do corpo.

Também deve ter uma atenção maior os casos em que há ainda a presença de outros sinais, como a tosse, erupções de pele, dificuldade para respirar, sonolência ou irritabilidade excessivas, feridas inflamadas etc. Em todos esses casos, é recomendado procurar um médico imediatamente.

Em casos pós-cirúrgicos é importante ficar atento quando a temperatura ultrapassa os 38°C. Isso porque, dependendo do tempo da cirurgia esse sintoma pode significar algumas situações preocupantes.

Por exemplo, em até 48 horas da cirurgia a febre pode ter relação com problemas pulmonares. Já entre o terceiro e quarto dia, pode significar pneumonia. Por fim, no quinto dia, a temperatura alta pode indicar abscesso (região da cirurgia com pus).

Mas existem algumas situações que não apresentam infecção e mesmo assim causam febre, são elas: transfusões de sangue incompatíveis, doenças reumáticas e doenças autoimunes.

Além disso, certos problemas têm um padrão febril característico, o que chama a atenção para seu diagnóstico. Entre elas estão a tuberculose, malária e os abcessos. E em cada caso, há características peculiares da presença da febre.

Na tuberculose, por exemplo, a febre surge apenas no final da tarde, não muito alta. Em estágios avançados dessa doença, há a febre héctica, que sobe durante a noite e baixa de manhã.

No caso da malária, a febre é alta e dura apenas algumas horas. Mas também pode se repetir todos os dias ou em dias alternados, dependendo do tipo de infecção e quantas vezes a pessoa foi infectada.

Já quando o problema é o abcesso, a febre é baixa e persistente, mas piora durante o período noturno.

Crianças menores de três meses também são mais vulneráveis, principalmente quando a causa da febre não está clara. Isso porque, o organismo delas ainda não está totalmente preparado para lidar com infecções e inflamações. (2)

Quando saber que uma pessoa está com febre?

A febre é causada quando algumas substâncias chamadas de pirogênios são liberadas no organismo. Dessa maneira, além do aumento da temperatura corporal interna existem diversos outros sintomas que podem estar presentes no quadro febril.

Para saber se alguém está com febre é preciso, em primeiro lugar fazer a medição da temperatura corporal. Essa medição deve ser feita com auxílio de termômetros e sempre via oral ou retal. (2)

Mulher de cama

O termômetro deve ser utilizado por via oral ou retal (Foto: depositphotos)

Entretanto, muitas pessoas optam por fazer a medição de temperatura através das axilas. Mas é importante destacar que a temperatura nessa parte do corpo pode ser entre 0,4°C ou 0,8° C menor que a interna. (2)

Um outro sintoma presente na febre são os calafrios, seguidos de piloereção, quando os pelos do corpo ficam arrepiados.No entanto, eles são um mecanismo do corpo para tentar diminuir a temperatura interna.

Além disso, é comum o surgimento da crise, rubor que aparece em febres mais altas, de até 39,4° C. Por isso, causam a sensação de estar com frio. (2)

A partir de quantos graus a febre pode ser prejudicial ao corpo?

Para ser considerada benigna, a temperatura corporal interna não deve ultrapassar os 39,4° C. Acima disso podem ocorrer lesões cerebrais e o corpo perde a capacidade de regular a própria temperatura.

Logo, será necessária uma intervenção médica ou a alta temperatura pode levar a morte. Quando o corpo atinge entre 40,5° e 42,2° C, ela ultrapassa a fase do que é considerado crítico pelos profissionais de saúde.

Essa fase é chamada de hiperpirexia, podendo ocorrer a intermação. Isso significa dizer que quando o corpo costuma apresentar outros sinais, como desorientação, desconforto abdominal, vômitos, delírios e até mesmo a perda da consciência.

Se as temperaturas elevadas se manterem por muito tempo pode levar a morte. As causas mais frequentes são por conta de hemorragias em alguns órgãos do corpo e a degeneração das células, principalmente do cérebro. Além disso, febre muito alta pode acarretar em lesões no fígado e rins, podendo fazer com que os mesmos parem de funcionar. (2)

Portanto, quando se está com febre é importante procurara por tratamentos, naturais ou não. Mas caso eles não consigam diminuir a temperatura do corpo, o mais recomendado é buscar ajuda de um profissional da área da saúde.

*Artigo feito com a colaboração da farmacêutica especialista em Plantas Medicinais Adriana Pereira Freire Junqueira, mestre em ciência em saúde com foco em farmacologia das plantas medicinais.

Referências

(1) Prefeitura de São Paulo. “Protocolo sobre febre sem sinais de localização“. Hospital Municipal Infantil Menino Jesus. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/HIMJ_protocolo_febre_1254773653.pdf. Acesso em 30 de novembro de 2018.

(2) GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. “Tratado de Fisiologia Médica“. 11 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.