Reumatismo também atinge crianças. Veja sintomas, causas e tratamentos

O reumatismo é uma doença crônica muito conhecida pela população adulta. Mas também pode afetar crianças

O reumatismo é uma doença crônica muito conhecida pela população adulta, principalmente da terceira idade. Mas poucos sabem que o problema também pode afetar crianças e adolescentes.

Quanto mais cedo o diagnóstico for detectado e o tratamento específico começar a ser realizado, maiores são as chances dos pacientes manterem uma melhor qualidade de vida, combatendo a doença.

Segundo a presidente do Departamento de Reumatologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo, Cássia Passarelli, artrite idiopática juvenil, lúpus, febre reumática e outras doenças inflamatórias são muito comuns na idade. “Dor é manifestação de que algo está errado – por isso, se a criança acusar algum incômodo, é imprescindível consultar o pediatra para o devido encaminhamento”, alerta.

Esse tipo de enfermidade, normalmente, é caracterizada por dor e inchaço nas juntas, dificuldade de andar e dores nas pernas. Já outros problemas podem trazer também febre prolongada e lesões da pele. “São doenças inflamatórias que ocorrem em indivíduos geneticamente predispostos, desencadeadas por processos ambientais desconhecidos”, explica a especialista.

Reumatismo também atinge crianças. Veja sintomas, causas e tratamentos

Foto: depositphotos

É preciso que os pais fiquem sempre atentos aos sintomas, além de levar periodicamente os filhos ao pediatra, pois a doença, muitas vezes, é bastante silenciosa e o diagnóstico não é claro. “Grande parte dessas doenças é crônica, porém contamos com tratamento e controle, possibilitando ao paciente uma vida normal, ou praticamente normal”, conta.

Doenças reumáticas mais frequentes em crianças e adolescentes

Artrite Idiopática Juvenil

Segundo a especialista, a doença que se inicia aos 16 anos de idade, é uma inflamação nas juntas que tem duração de, pelo menos, 6 semanas e pode levar à dor, inchaço, vermelhidão, calor, diminuição dos movimentos e deformidades. A artrite idiopática juvenil também pode afetar outras partes do organismo, como o coração, olhos, músculos, tendões e pele. Pode durar anos, com períodos de remissão e atividade.

Febre Reumática

A doença aparece a partir dos cinco anos de idade. Sua origem costuma ser uma infecção de garganta provocada pela bactéria estreptococo, apenas em crianças predispostas. Os sinais mais presentes da febre reumática são fortes dores na articulação, febre, lesões de válvulas cardíacas e comprometimento neurológico. O tratamento consiste em injeções intramusculares de penicilina.

Lúpus Eritematoso Sistêmico Juvenil

Essa doença crônica afeta o sistema imunológico, então as células que deveriam nos defender de bactérias, vírus e outros agressores não conseguem reconhecer o próprio organismo e acaba atacando-o.

“O lúpus evolui em surtos e todos os órgãos podem ser afetados pelo processo inflamatório – pele, rins, articulações, sistema nervoso e sangue, por exemplo. Os pacientes são avaliados e submetidos a exames laboratoriais periodicamente. O tratamento é prolongado e, algumas vezes, requer períodos de hospitalização”, conta Passarelli.

Remédio caseiro para reumatismo

É importante procurar o acompanhamento médico para que ele possa orientar de forma profissional e precisa seu tratamento. Mas existem alguns itens naturais que podem ajudar a diminuir os sintomas do reumatismo.

Chá de urtiga

Ingredientes

-1 xícara de folhas de urtiga picadas;
-1 xícara de água.

Modo de preparo

Coloque a água para ferver e acrescente as folhas. Deixe por cinco minutos, depois desligue o fogo e deixe a bebida abafada por alguns minutos. Coa e beba em seguida.

Chá de cavalinha, dente-de-leão e chapéu-de-couro

Ingredientes

-3 colheres (de sopa) das folhas de cavalinha, dente-de-leão e chapéu-de-couro;
-1 litro de água.

Modo de preparo

Leve a água para ferver e depois que ela tiver atingido a fervura, desligue o fogo e acrescente as ervas. Deixe em infusão por cerca de 10 minutos, coe e beba. Procure consumir cerca de 3 xícaras por dia.

Sobre o autor

Formada em Jornalismo pela Unicap, pós-graduada em Comunicação Empresarial e Mídias Digitais pela Devry, fez intercâmbio na ETC School, em Bournemouth (UK) e tem experiência nas áreas de assessoria de comunicação, produção de vídeo e foto e redação.