Pistache: saiba tudo sobre esse grande aliado da saúde

O pistache é uma das nozes mais consumidas em todo o mundo. Ela é uma noz oleaginosa, ou seja, que possui óleo natural, assim como as castanhas e as amêndoas. Seu grão verde é a parte mais consumida, servindo como petisco e coroando receitas diversas. Por esse motivo, esses grãos já são encontrados prontos para consumo, seja fresco ou seco (torrado e/ou salgado).

Assim como a maior parte das oleaginosas, há uma série de benefícios à saúde que podem ser obtidos com o consumo do pistache. Essas pequenas sementes são uma excelente fonte de gorduras saudáveis, proteínas, fibras e antioxidantes. É, ainda, um grande aliado na perda de peso, bem como para a saúde do coração e do intestino.

Grãos de pistache

Além de favorecer a saúde do coração, o pistache emagrece e atua como afrodisíaco (Foto: depositphotos)

Os benefícios do pistache para a saúde

Segundo a nutricionista Patricia Duarte, “o pistache é uma excelente fonte de ácidos graxos insaturados e compostos bioativos, como fibras alimentares, tocoferóis, fitosteróis, compostos fenólicos, minerais, como cobre, manganês e fósforo, além de conter elevado teor de proteína.

Ela acrescenta que, por isso, as oleaginosas são utilizadas, frequentemente, como estratégia nutricional para prevenção e tratamento de doenças crônicas não-transmissíveis, no controle metabólico, além de serem uma alternativa eficiente para reduzir a ingestão de gordura saturada, cujo consumo em excesso, segundo a literatura científica, está relacionado com o surgimento de problemas cardiovasculares, como aterosclerose e infarto.

Patricia afirma que os estudos apontam que as oleaginosas trazem benefícios à saúde por minimizar o risco destes eventos, e também de problemas como hipertensão, diabetes, câncer, hipercolesterolemia e síndrome metabólica.

Ela pontua que, além disso, já existem relatos científicos de que a ingestão das oleaginosas pode contribuir com a redução do ganho de peso mesmo possuindo mais calorias por porção. Outro ponto positivo sobre este alimento é a saciedade que proporciona, o que contribui para a redução da ingestão alimentar.

Sua composição é benéfica para diversas funções do organismo, auxiliando na regulação dos níveis de açúcar no sangue e ajudando a evitar quadros de anemia

Contra o envelhecimento celular

Como se todos os benefícios acima não fossem suficientes, o pistache ainda é riquíssimo em antioxidantes. Ele contém maior quantidade de antioxidantes do que a maioria das oleaginosas, segundo estudos. (1)

Entre as nozes, os pistácios, como também é chamado esse grão, têm o maior conteúdo de luteína e zeaxantina, ambos muito importantes para a saúde ocular. (2). Essas substâncias protegem os olhos contra danos causados pelos raios ultravioleta e da degeneração relacionada à idade.

Por fim, os antioxidantes presentes nessas sementes demonstraram ser mais facilmente digeridos no estômago e, portanto, mais propensos a serem absorvidos durante a digestão, o que o torna numa opção saudável para compor a alimentação. (3)

Pistache emagrece?

Apesar do pistache ser uma semente rica em calorias, seu consumo pode ser benéfico para aqueles que desejam perder peso. Isso porque ele é rico em fibras e proteínas que aumentam a saciedade, tornando-o numa ótima alternativa para os lanches entre as refeições.

Em um programa de emagrecimento de 12 semanas, os indivíduos que ingeriram 53 gramas desse grão por dia como lanche da tarde tiveram o dobro da redução no índice de gordura corporal do que aqueles que ingeriram outros alimentos com o mesmo número de calorias. (4)

Outros estudos mostram que, em indivíduos com sobrepeso, o consumo de pistache ajudou a reduzir medidas na cintura. O resultado foi de 1,5 cm a menos em comparação aos que não ingeriram esse alimento.

É afrodisíaco

Há quem diga que, através do estímulo da circulação sanguínea e da sua capacidade de fornecer energia, o pistache seja um poderoso afrodisíaco. Vale a pena testar e tirar suas próprias conclusões.

Tabela nutricional

Porção de 100 gramas Quantidade por porção
Valor energético 567 Kcal
Proteína 20,95 g
Lipídios Totais 44,82 g
Carboidratos 29,3 g
Cálcio 107 mg
Ferro 4,03 mg
Magnésio  109 mg
Fósforo 469 mg
Potássio 1007 mg
Sódio 6,0 mg
Zinco 2,34 mg
Vitamina C 3,0 mg
Tiamina 0,695 mg
Riboflavina 0,234 mg
Niacina 1,373 mg
Vitamina B6 1,122 mg
Vitamina E 2,42 mg
Vitamina A 259 mg

* Valores diários de referência com base em uma dieta de 2000kcal ou 8400kj. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas. Dados retirados da USDA.

Quanto e como consumir?

Para usufruir de todos esses benefícios é preciso estar atento às quantidades ingeridas. Segundo a nutricionista Patricia Duarte, “achados científicos sugerem que 42 g ao dia de pistache já é capaz de reduzir, significativamente, os triglicerídeos sanguíneos e promover benefícios a saúde geral. Porém, é importante consultar um nutricionista para recomendações mais personalizadas”.

Ele pode ser incorporado à alimentação de diversas formas práticas, como em saladas, lanches, sobremesas, ou associado a frutas in natura ou desidratadas.

Saúde em forma de sobremesa: sorvete de pistache

Grande parte da popularidade do pistache no Brasil e no mundo está diretamente relacionada à maneira como a semente foi apresentada para a maioria de nós: através do seu sorvete cremoso, deliciosa sobremesa gelada em tons de verde com aroma de amêndoas. 

Bola de sorvete de pistache

O pistache é o ingrediente principal de sobremesas famosas, a exemplo do sorvete (Foto: depositphotos)

O sorvete, no entanto, não é a única forma de utilizar o pistache. Alguns doces italianos, como o spumoni e o napolitano, e o baklava, famoso na Turquia, tem o ingrediente como protagonista.

É impossível não ficar com água na boca só de imaginar essas delícias, não é mesmo? Então, que tal aprender a preparar esse apetitoso sorvete em casa?! Confira a receita:

Sorvete de Pistache Caseiro

Ingredientes

  • 1 lata de leite condensado
  • A mesma medida do leite
  • 1 xícara de pistaches sem casca (100 g)
  • 2 claras
  • 1 lata de creme de leite.

Modo de preparo

Coloque no liquidificador o leite condensado, o leite e o pistache e bata bem. Reserve. Bata as claras em neve. Junte o creme reservado e mexa delicadamente. Coloque em taças e leve ao congelador por 4 horas, no mínimo. Viu como é simples ter um dos sorvetes mais famosos no mundo em casa na hora que sentir vontade? 

Receita retirada do site Tudo Gostoso

Cuidados

Um ponto de atenção na hora da compra é à qualidade do pistache adquirido, uma vez que este alimento pode ser contaminado por aflatoxinas, que são microtoxinas produzidos por fungos do gênero Aspergillus, os quais desenvolvem-se naturalmente em produtos alimentícios, como amendoim, milho, feijão, arroz, trigo, entre outros.

Características e curiosidades do pistache

O pistache foi uma das primeiras nozes a serem cultivadas, junto com as amêndoas. Prova disso é que ambas as castanhas são citadas na bíblia sagrada, em Gêneses 43. Estudos apontam que seu cultivo data de 7 mil anos a.C.

Dá-se o nome de pistache tanto ao fruto quanto à árvore, nativa do sudeste asiático. Por muito tempo ela foi exclusiva da Ásia e da região do Mediterrâneo, até ser introduzida na América, onde passou a ser estudada e produzida em larga escala. Hoje a Califórnia é o segundo maior produtor desse grão do mundo.

Uma curiosidade sobre ele é que cresce em cachos, e durante o amadurecimento se assemelha às uvas verdes. À medida que a fruta amadurece, ela muda de dura e verde, para macia e amarela. A pele fica enrugada e mais macia, e é quando é colhido.

Após a colheita, a parte externa do pistache é removida e descartada e as nozes são classificadas, secas ao sol e, em seguida, salgadas e torradas.  

Antes da colheita a semente, que é a “noz” que comemos, cresce em sua casca dentro da fruta até o ponto em que ela explode e se divide naturalmente com um estalo. Diz a lenda que se você estiver sentado embaixo de uma árvore de pistache e ouvir esse som, é sinal de boa sorte. Os persas a chamavam de “a noz sorridente” porque a casca rachada lembra um sorriso. Os chineses chamam de “a noz feliz”.

*Artigo feito com a colaboração da nutricionista Patricia Duarte (CRN6 22500).

Referências

(1) ALVES, Raquel Duarte Moreira; MACEDO, Viviane Silva; ROCHA, Fernanda Fonseca; MOREIRA, Ana Paula Boroni; COSTA, Neuza Maria Brunoro. Ingestão de oleaginosas e saúde humana: uma abordagem científica. Revista Brasileira de Nutrição Funcional, n. 57, 2014.

(2) BES-RASTROLLO, Maira et al. Nut Consumption and Weight Gain in a Mediterranean Cohort: The SUN Study. Obesity, [s.l.], v. 15, n. 1, p.107-107, jan. 2007.

(3) OLIVEIRA, Carlos Augusto Fernandes de; GERMANO, Pedro Manuel Leal. Aflatoxinas: conceitos sobre mecanismos de toxicidade e seu envolvimento na etiologia do câncer hepático celular. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 31, n. 4, p.417-424, ago. 1997.

(4) SONG et al. Pistachio nuts reduce triglycerides and body weight by comparison to refined carbohydrate snack in obese subjects on a 12-week weight loss program. J Am Coll Nutr., Jun; 29(3), 198-203, 2010.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista, especialista em Comunicação Digital e Mestre em Serviço Social. Atua como redatora e revisora freelancer. Atualmente vive como nômade digital pela Europa. Cearense de coração paraibano levando o corpo pelo mundo afora!