O que é estomatite aftosa e quais as formas naturais de tratamento

Ela acomete a cavidade oral, e atinge principalmente jovens – embora possa surgir em qualquer fase da vida

Certos tipos de doenças possuem nomenclatura tão complicada que fica até difícil entender se você foi ou não atingido por ela. Esse é o caso da estomatite aftosa.

Trata-se de uma condição muito dolorosa, já que há presença de múltiplas aftas na mucosa interna da boca – o que impede o paciente de se alimentar adequadamente e, em alguns casos, costuma favorecer episódios de febre.

Geralmente a estomatite aftosa acomete a cavidade oral, e atinge principalmente jovens entre 10 e 19 anos – embora possa surgir em qualquer fase da vida de um indivíduo, inclusive em bebês. O período mais crítico da doença costuma durar entre sete e dez dias, podendo variar para mais ou para menos. Apesar de ser muito comum, as causas da estomatite ainda são incertas.

O que é a estomatite aftosa

O que é estomatite aftosa e quais as formas naturais de tratamento

Foto: depositphotos

As aftas, ou úlceras, se formam geralmente na mucosa da face interior dos lábios e da bochecha, bem como na língua, na parte posterior do céu da boca e inclusive no começo da garganta. São pequenas, rasas, arredondadas, e têm coloração amarelo-acinzentada com bordas vermelhas. Por ser uma doença que não apresenta causas específicas, o tratamento para a estomatite aftosa visa o alívio do paciente no que se refere à dor, bem como tentar aumentar os períodos livres da doença e acelerar o processo de cura das aftas.

De acordo com Luiz Alexandre Thomaz, professor de pós-graduação em Estomatologia e Patologia Bucal da FAOA – Faculdade de Odontologia da APCD (Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas), a estomatite pode resultar de fatores genéticos, bem como da deficiência de ferro, vitamina B12 e ácido fólico. Também pode ser causada por estresse, traumas, doença celíaca e uso de determinados medicamentos.

“Num quadro de estomatite aftosa, é comum que se formem grupos de três ou quatro úlceras por local. Apesar de desaparecerem entre dez dias e duas semanas, o paciente precisa contar com um cirurgião-dentista para que, depois do diagnóstico, possa ter algum alívio ao incômodo intenso. Além de analgésicos e antitérmicos, o especialista poderá prescrever corticosteroides tópicos, medicamentos para fortalecer o sistema imunológico, além de enxaguantes bucais que ofereçam algum alívio à dor”, diz Thomaz.

O especialista afirma que, como a produção de saliva protege a mucosa oral, a síndrome de boca seca (xerostomia) é outro fator que predispõe à estomatite. Sendo assim, pessoas com mais de 60 anos – que geralmente produzem metade da saliva de um jovem – têm de estar atentas para o surgimento de aftas recorrentes.

Em determinados casos, seu médico poderá promover a substituição de um medicamento por outro, que não predisponha o paciente às inflamações e ulcerações bucais. Pessoas que fizeram quimioterapia, bem como portadores do vírus HIV (Aids), também têm risco aumentado para estomatite. “É sempre muito importante que pacientes que sofrem de estomatite aftosa recorrente sejam acompanhados por uma equipe multidisciplinar, já que essa condição é influenciada por vários fatores, às vezes associados a outras doenças. De todo modo, em mais de 40% dos casos, fatores genéticos estão envolvidos”.

Como tratar a estomatite aftosa

Através da medicina natural e da consequente utilização de elementos extraídos da natureza, você pode tratar a estomatite aftosa:

Chá de hidraste

A hidraste é uma planta com propriedades antimicrobianas, adstringentes e anti-inflamatórias. Por isso, seu uso é recomendado contra as aftas. Coloque uma xícara da raiz de hidraste em uma panela de água fervente, tampe e espere por aproximadamente 15 minutos. Depois, coe e com o chá ainda morno, gargareje de forma que ele fique sobre a área afetada. Repita esse procedimento por várias vezes ao dia.

Cravo-da-índia

O cravo possui diversas propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e antissépticas, o que permite que o local fique livre de microrganismos e bactérias, além de eliminar a dor. Para usá-lo contra as estomatites, mastigue o cravo algumas vezes durante o dia.

Sal marinho

Esse remédio caseiro é apenas para aqueles que têm muita coragem. O sal marinho vai limpar todas as feridas e auxiliar na cicatrização, mas vai arder bastante. Misture um pouco desse sal com água morna e realize bochechos de duas a três vezes ao dia.

Sobre o autor

Formado em Jornalismo pela UniFavip | Wyden. Já trabalhou como repórter e editor de conteúdo em um site de notícias de Caruaru e em três revistas da região. No Jornal Extra de Pernambuco e Vanguarda de Caruaru exerceu a função de repórter nas editorias de Economia, Cidades, Cultura, Regional e Política. Hoje é assessor de imprensa do Shopping Difusora de Caruaru-PE, Seja Digital (entidade responsável pelo desligamento do sinal analógico no Brasil), editor da revista Total (com circulação em Pernambuco) e redator web do Remédio Caseiro.