Lúpulo: saiba o que é e seus benefícios

O lúpulo é uma planta trepadeira muito conhecida por compor uma das bebidas alcoólicas mais consumidas do planeta, a cerveja.

No entanto, ele carrega benefícios medicinais que podem ser explorados a fim de se alcançar melhorias na saúde e no bem-estar, agindo como relaxante natural e bactericida e na solução de problemas cardiovasculares.

Diversos estudos conseguiram comprovar sua eficácia na prevenção e combate de inúmeras doenças. E se você acha que vai precisar viver com um copo de chopp na mão para isso, está enganado! É possível desfrutar das vantagens terapêuticas do lúpulo por meios alternativos: ingerindo chá é um deles.

Benefícios do lúpuloArte sobre os benefícios do lúpulo

O lúpulo contém um composto flavonoide, xanthohumol, que tem propriedades antiviral, anticoagulante, anti-inflamatória e anti-tumoral. Mas também tem sido usado historicamente para promover o sono e para combater a ansiedade.

Relaxante natural

A utilização do lúpulo pode servir como suplemento útil no tratamento de insônia moderada (1), pois possui ação calmante, antiespasmódica e sonífera. Ele também age como ansiolítico natural, combatendo a ansiedade. O que pode ajudar a explicar porque você se sente menos tenso depois de beber cerveja de lúpulo.

A ação calmante acontece de maneira muito semelhante aos ansiolíticos sintéticos, a exemplo dos benzodiazepínicos. Atuando sobre o sistema nervoso central e desacelerando suas funções.

Assim, quando alguma área do cérebro funciona exageradamente resultando num estado de ansiedade, o lúpulo estimula os mecanismos que combatem esse estado de tensão, permitindo o relaxamento.

Saúde do cabelo

Quando usado em combinação com outros óleos naturais, o óleo essencial de lúpulo dá força e brilho aos cabelos graças às suas potentes substâncias voláteis, a exemplo do terpeno, que interagem com folículos pilosos, que é a parte do fio que fica dentro da pele, e com óleos naturais para melhorar a aparência e a saúde dos fios.

O óleo essencial do lúpulo – líquido altamente concentrado extraído da planta – consegue melhorar a circulação e ajudar no crescimento dos fios, uma vez que tem ação antisséptica, anti-inflamatória e antibacteriana.

Essas propriedades ajudam a controlar a oleosidade do couro cabeludo, que atrapalha a oxigenação e, consequentemente a saúde das mechas.

Doenças cardiovasculares

O xanthohumol é um dos flavonoides principais encontrados na planta e pode representar um elevado potencial terapêutico para o tratamento ou prevenção de doenças cardiovasculares, a exemplo da febre reumática e da arritmia cardíaca. (2)

Por ser um poderoso antioxidante, esse flavonoide consegue relaxar os músculos do sistema vascular, contribuindo assim para reduzir a pressão arterial e melhorar a circulação em geral.

Previne o câncer

O xanthohumol é tido como um potente agente quimiopreventivo no tratamento do câncer, através da regulação de diversos mecanismos, graças a sua atividade antiplaquetária. (2) Ele consegue matar células cancerosas e bloquear células de leucemia.

Esse antioxidante atua como defesa do corpo no controle e combate dos radicais livres, moléculas instáveis que podem causar danos a células sadias, causando doenças, a exemplo do câncer.

Eles conseguem neutralizar o poder dos radicais livres, evitando que sua multiplicação se acelere.

Antibactericida

O efeito do lúpulo no corpo humano pode ser equiparado a antibióticos convencionais quando o assunto é o combate a bactérias, sendo altamente potente no combate a infecções causadas por bactérias, a exemplo da infecção intestinal e urinária. (3)

As bactérias são parasitas que precisam usar a estrutura celular de um hospedeiro para se desenvolver e multiplicar. O xanthohumol do lúpulo tem ação direta nesses organismos, alterando sua estrutura, e impedindo que se dividam e se reproduzam.

Como consumir

É possível usufruir dos benefícios do lúpulo consumindo-o in natura, acrescentando em saladas, ou em forma de chá. As partes usadas são os seus cones, que são semelhantes a flores.

Chá de lúpulo

Xícara com chá de lúpulo

O chá de lúpulo pode ser usado para melhorar a qualidade do sono (Foto: depositphotos)

Coloque 2 colheres (de sopa) de erva em 1 litro de água, quando a água alcançar fervura, desligue. Tampe e deixe a solução abafada por cerca de 10 minutos. Em seguida, é só coar e beber. Tomar de 2 a 3 xícaras ao dia.

Dica: o lúpulo também pode ser colocado no travesseiro para promover uma boa noite de sono, pois funciona como um relaxante natural.

Dica para relaxar

Características da planta

A planta de nome científico Humulus lupulus L. é uma trepadeira longa que pode atingir até 12 metros.

Também é conhecida como Engatadeira, Pé-de-galo ou Vinha-do-norte. Seus ramos precisam de suporte para escalar e prosperar. Ela é cultivada especialmente no Hemisfério Norte, onde encontra condições climáticas e de solo favoráveis para seu desenvolvimento.

Curiosidade: essa planta apresenta indivíduos machos e fêmeas. São as flores encontradas na planta feminina que são utilizadas para a produção da cerveja. Elas são conhecidas como flor do lúpulo.

Para fins medicinais, o extrato do lúpulo pode ser comprado em lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação.

Cachos com cones de lúpulo

A flor de lúpulo é a parte usada na composição das cervejas (Foto: depositphotos)

Origem

Como era de se imaginar, a primeira vez em que o lúpulo foi cultivado ocorreu na Alemanha. No entanto, atualmente também é possível encontrar o cultivo em larga escala em países como Estados Unidos, Austrália, China e Canadá.

O lúpulo e a cerveja

Grande parte da produção do lúpulo é destinada a indústria cervejeira.

Isso porque antes do lúpulo ser adicionado na composição da cerveja, ela apresentava sabor expressivamente doce, e estragava em pouco tempo. O amargor do lúpulo foi usado para equilibrar o sabor, mas não só por isso.

Por ter ação antisséptica, combate as bactérias Gram-Positivas, sendo considerado um conservante natural, o que possibilitou maior tempo de validade da bebida.

A fórmula base para se compor uma cerveja integra água, malte, leveduras e o lúpulo. Esse último sendo adicionado durante a fervura da bebida. O resultado quanto ao aroma e sabor variam de acordo com o tempo de fervura ao qual o lúpulo será exposto.

Tipos de lúpulo

Existem mais de 100 variedades de lúpulo, no entanto os mais difundidos são os alemães e tchecos, como o magnum, um dos mais produzidos do mundo; os ingleses, como o target e os americanos, como o amarillo, o cascade e o columbus.

Eles se diferem quanto ao perfil aromático, de sabor e amargor, a depender da forma com que a flor do lúpulo será maturada. Podendo ser picante, terroso, floral, frutado, condimentado e cítrico.

Efeitos colaterais

Por conter propriedades sedativas, se consumido em excesso, o lúpulo pode causar sonolência e diminuição da libido. Em casos graves pode causar hipertermia, convulsões, inquietação, distúrbios do estômago e vômitos.

Contraindicações e precauções

O lúpulo é contraindicado durante a gravidez e amamentação, assim como para pacientes com diabetes ou câncer. O manuseio desta planta pode causar erupções cutâneas (alergias), dificuldades respiratórias e tosse seca, não devendo ser exposto a crianças, idosos e animais de estimação.

Referências

(1) VELOSO, Débora P; GUIDINI, Paula; COMÉRCIO, Raffael M E SILVA, Ary G. Plantas utilizadas em fitomedicamentos para os distúrbios do sono, 2008.

(2) Laboratorio Nutramedic. Humulus lupulus extrato. Disponível em: http://www.laboratorionutramedic.com.br/site/public_images/produto/42eec2bc5be05ff8c1eec6383dd13cd0.pdf. Acesso em: 02 de agosto de 2019.

(3) Faculty of Pharmacy, Charles University, Hradec Králové, Czech Republic. Strong antimicrobial activity of xanthohumol and other derivatives from hops (Humulus lupulus L.) on gut anaerobic bacteria, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28960474. Acesso em 02 de agosto de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Lívia Mota
Jornalista (DRT-PE: 4909), possui especialização em marketing e acumula experiência de mais de 10 anos no ramo da comunicação. Seu currículo reúne conhecimento nas áreas de produção e monitoramento de conteúdo para web, em comunicação empresarial interna e externa e na prestação de assessoria. Trabalhou no jornalismo impresso e digital com repórter, tendo passado pelas editorias de política, economia, cultura, polícia e cidades. Atualmente é editora da empresa iHaa Network, conglomerado de sites no qual o Remédio Caseiro faz parte.