Kombucha: 7 benefícios e como fazer a bebida

A kombucha é uma bebida fermentada que apresenta ligeira gaseificação. Além disso, possui um sabor bem semelhante à sidra.

Devido ao gosto característico, essa bebida de origem chinesa é de fácil ingestão, mas seu potencial mesmo está na lista benefícios à saúde. Melhorar a microbiota intestinal, combater bactérias e prevenir a queda de cabelos são alguns dos efeitos positivos.

“A kombucha é preparada com uma base de chá preto ou verde ao qual se adicionam dois elementos, a sacarose (açúcar) e a SCOBY (Symbiotic Colony Of Bacteria and Yeast), que é uma cultura de bactérias e leveduras. O tempo de fermentação para a preparação da kombucha varia de 3 a 60 dias”, explica o nutricionista e especialista em medicina ortomolecular, Leone Gonçalves.

A kombucha limpa o organismo, melhora a digestão e ainda fortalece o imunológico (Foto: depositphotos)

Mas, você sabe como fazer essa bebida em casa sem que ela fique contaminada? Essa é uma das informações que o profissional de nutrição irá responder nesse artigo. Aqui você ainda descobre como comprar, qual o preço e se ela realmente emagrece.

7 benefícios da kombucha

Segundo Gonçalves, as vitaminas do complexo B (B1, B2, B6 e B12) são alguns dos nutrientes encontrados na bebida. Além delas, a vitamina C e diversos probióticos também compõem o líquido.

1. Melhora a microbiota intestinal

Essa ação é resultante da presença de micro-organismos vivos que beneficiam a saúde, em especial o trato gastrointestinal. Os chamados probióticos ajudam a manter o equilíbrio da microbiota intestinal pois atuam na produção de substâncias que impedem o crescimento de bactérias nocivas.

Por essa ação reguladora, a bebida consegue impedir o desenvolvimento de algumas patologias gastrointestinais, como por exemplo: intolerância à lactose, diarreias, doença de Crohn e câncer do cólon. (1)

2. Fortalece o sistema imunológico

O nutricionista explica que as vitaminas e os probióticos também contribuem com o reforço do sistema imune. Assim, aumentam a capacidade do organismo em se proteger contra mico-organismos prejudiciais à saúde. (1,2,3)

3. Limpa o organismo

“A kombuchá é rica em catequinas e flavenóis, dois polifenóis antioxidantes que reduzem os radicais livres e metais pesados no organismo, atuando como um desintoxicante“, explica Leone Gonçalves.

Outra substância com essas mesmas propriedades é o ácido glicurônico. Apesar do nome difícil, esse composto é essencial para eliminar toxinas presentes no organismo.

Poluentes, excesso de hormônios esteroidais, produtos químicos exógenos (como medicamentos) e a bilirrubina (composto resultante da degradação da hemoglobina) podem ser eliminados através do sistema urinário.

4. Protege as células

Falando em antioxidantes, é importante mencionarmos a ação de proteção das células contra os ataques dos radicais livres. Quando as moléculas instáveis se acumulam no corpo, elas começam um processo de oxidação celular.

Esse efeito é prejudicial para as células e pode ser um fator contribuinte para o surgimento dos diversos tipos de câncer. Mas a bebida consegue bloquear a atividade dos radicais livres, impedindo o efeito oxidante.

Além disso, tem propriedade anticancerígena, uma vez que ela diminui a sobrevivência das células doentes. Isso ocorre pois ela inibe moléculas responsáveis pela formação de novos vasos sanguíneos, processo que está relacionado com o desenvolvimento de doenças como o câncer. (1,2)

5. Combate bactérias

“As bactérias e leveduras presentes na kombucha são em sua maioria do tipo Acetobacter, Gluconobacter e Sacharomyces e são responsáveis pela promoção de atividade antibacteriana benéfica ao organismo e ainda atuar resguardando a contaminação da bebida por bactérias patogênicas”, releva o nutricionista.

Dessa maneira, a bebida previne o surgimento e crescimento da bactéria responsável pelo desenvolvimento da gastrite, a Helicobacter pylori. Além dela, outros micro-organismos são inibidos como Escherichia coli (causa infecções no trato digestivo e urinário) e Staphylococcus aureus (causa infecções cutâneas, cardíacas, ósseas e pneumonia).

Esses efeitos são resultantes da presença do ácido acético. No entanto, a ação antimicrobiana não é igualmente encontrada nos diferentes tipos de kombucha. A bebida feita com chá verde apresenta maior potencial se comparada com o chá preto. (1,2)

6. Alivia inflamações

Também graças a ação antioxidante, esse líquido fermentado consegue diminuir as inflamações que afetam a saúde do organismo. Um exemplo disso é o alívio de dores nas articulações.

Além disso, a bebida ainda melhora significativamente quadros de esclerose múltipla. Essa doença inflamatória é considerada autoimune e é responsável pela degradação de partes do sistema nervoso central. (1)

7. Combate a queda de cabelo

“Alguns estudos apontam que a kombucha pode ser benéfica para tratar a alopecia, que é a perda de cabelo. O chá pode ser uma ferramenta bastante útil no fortalecimento capilar“, conta o nutricionista Leone Gonçalves.

No entanto, ainda segundo o profissional, esse produto natural não deve ser considerado um elixir mágico, pois é necessário fazer o tratamento por pelo menos dois meses para que os resultados comecem a aparecer.

A forma de usar é simples, explica o especialista em medicina ortomolecular. “A kombucha deve ser esfregada no couro cabeludo 30 minutos antes de lavar o cabelo. Estudos sugerem que isto pode interromper em parte a queda capilar”, finaliza.

Outros efeitos benéficos estudados

Além de todos os benefícios já mencionados, alguns usuários apontam para outros efeitos positivos da bebida. No entanto, Gonçalves explica que essas atividades ainda estão sendo estudadas e por enquanto não há como comprová-las. Confira a seguir quais são elas:

  • Redução do colesterol
  • Controle da pressão arterial
  • Auxílio no tratamento de diabetes
  • Combate a insuficiência renal.

Kombucha emagrece?

Uma outra ação muito associada a essa bebida é o efeito redutor de medidas. Mesmo assim, o profissional de nutrição explica que ainda não há fortes indícios que comprovem essa atividade.

“O suposto poder emagrecedor do chá não é uma unanimidade na comunidade médica e científica. Entretanto, existem alguns efeitos indiretos da bebida que podem favorecer o emagrecimento”, esclarece.

Entre esses efeitos está o de estimular o metabolismo, fazendo com o que o corpo gaste mais energia, justificando o uso logo na parte da manhã. Mesmo assim, ainda são poucos os dados que sustentem totalmente esta afirmação.

“Por ter elevado teor de sacarose, que é açúcar, consumir em doses altas pode contribuir para o ganho de peso, na verdade”, alerta o nutricionista.

Como fazer?

Segundo Leone Gonçalves, o preparo em si não é trabalhoso e nem caro, mas exige paciência, pois é necessário esperar que a bebida fermente os micro-organismos necessários para beneficiar o organismo.

Ele ensina a fazer um tipo de kombucha a base de chá preto (5 g para cada litro de água) e usando o açúcar mascavo (50 g). Acompanhe o passo a passo a seguir:

  1.  Coloque a água para ferver e desligue o fogo assim que ela entrar em ponto de ebulição
  2. Depois, adicione as folhas do chá (ou os saquinhos) e o açúcar, deixando em infusão por 10 minutos
  3. Com o chá já frio, coe (ou retire os saquinhos) e coloque a bebida em um recipiente de vidro grande e de boa largura
  4. Adicione o scoby e tampe o recipiente com um pano fino, papel toalha ou filtro de café, fixando-o com um elástico. A intenção é deixar que entre ar, mas que não fique exposto aos insetos como as moscas e formigas
  5. Guarde esse recipiente em um lugar escuro, e quente
  6. Espere em torno de sete dias para saber se a bebida está pronta. Você saberá que ela está pronta quando sentir um cheiro azedo, mas agradável
  7. Coe o líquido preservando 10% da bebida e o scoby. O restante deve ser armazenando na geladeira.

Para fazer e consumir sem medo, é preciso estar atento a alguns detalhes, como por exemplo a água utilizada. Ela deve ser filtrada, sem cloro e, de preferência sem flúor.

Outro ponto importante é a escolha do chá. Além da opção do chá preto ou verde, você pode escolher outras folhas e até mesmo suco de frutas para fazer um tipo personalizado. Hibisco, gengibre, anis estrelado, suco de uva ou maçã são algumas opções viáveis.

Por fim, preste bastante atenção aos aspectos do scoby durante a fermentação, uma vez que essa levedura pode indicar que a bebida está contaminada.

As cores branco, amarelo e/ou marrom indicam uma cultura saudável. Até mesmo filamentos marrons pendurados são bons indícios. No entanto, colorações verde, cinza, azul e preto não são desejáveis e a bebida deverá ser descartada.

Dúvidas frequentes

Quanto posso tomar de kombucha por dia?

“Sabe-se que o ideal é uma ingestão diária por volta dos 120 ml, não muito mais do que isso. Este nível de consumo não apresenta nenhum malefício para a saúde”, recomenda Leone Gonçalves.

Quanto tempo dura a bebida na geladeira?

A bebida deve ser consumida em até 5 dias e essa é a forma mais apropriada para armazenar o chá.

Onde comprar pronto?

Kombucha já virou uma mercadoria muito comum no Brasil, disponível em diversos sabores, tamanhos e preços. Por isso, se você não quer produzir o seu próprio, pode procurar por lojas de produtos naturais ou as que são especializadas nesse produto.

Kombucha, kefir e kimchi: quais as semelhanças e diferenças dessas bebidas?

Esses três produtos são feitos a partir da fermentação. No entanto, o kimchi é um condimento picante feito à base de couve e especiarias, o kefir é um derivado do leite semelhante ao iogurte, e kombucha uma bebida levemente gasosa derivada de chá preto com acúcar.

“Estudos apontam que os três ajudam a restabelecer equilíbrio, introduzindo bactérias benéficas que assistem o sistema digestivo nas suas funções”, revela o nutricionista.

Existem perigos e malefícios?

De acordo com Gonçalves, a agência dos Estados Unidos responsável pela fiscalização e regulamentação de alimentos e medicamentos, o Food and Drug Administration (FDA), confirma que é o consumo de kombucha é seguro para o ser humano.

“No entanto, existem algumas contraindicações para o consumo no caso de grávidas e lactantes, já que o chá pode favorecer a produção de heparina, que inibe a produção de proteínas do sistema de coagulação”, aconselha o especialista.

Pessoas com gastrite ou que apresentam alguma doença no fígado também não devem consumir essa bebida, conforme alerta o nutricionista. Além disso, o consumo excessivo pode oferecer alguns desconfortos.

“Algumas pessoas alegam que sentiram sintomas como náuseas, tonturas, distúrbios gastrointestinais e reações alérgicas após o consumo”, finaliza Leone Gonçalves.

*Artigo feito com a colaboração do nutricionista Leone Gonçalves, especialista em medicina ortomolecular (CRN 5 7604).

Referências

(1) MEDEIROS, Stéphany Christine Guimarães; CECHINEL-ZANCHETTI, Camile Cecconi. Kombucha: efeitos in vitro e in vivo. Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v31.e2.a2019.pp73-79. Acesso em: 16 de dezembro de 2019.

(2) SANTOS, Mafalda Jorge de. Kombucha: caracterização da microbiota e desenvolvimento de novos produtos alimentares para uso em restauração. Universidade Nova de Lisboa, 2016. Disponível em: https://run.unl.pt/bitstream/10362/19346/1/Santos_2016.pdf. Acesso em: 16 de dezembro de 2019.

(3) PALUDO, Natália. Desenvolvimento e caracterização de kombucha obtida a partir de chá verde e extrato de erva-mate: processo artesanal e escala laboratorial. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/174899/001061869.pdf?sequence=1. Acesso em: 16 de dezembro de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.