Ginseng: para que serve, benefícios e propriedades

Você já ouviu falar em ginseng? Com um sabor semelhante ao do gengibre, a planta conhecida como ginseng, de nome científico Panax ginseng, é muito utilizada na medicina chinesa como uma forma de melhorar a qualidade de vida e aumentar a longevidade.

Sua raiz possui diversas propriedades benéficas para a saúde devido a presença do ginsenosídeo, principal ingrediente ativo e motivo pelo qual ela passou a ser utilizada em todo o mundo para fins medicinais.

Além disso, conta com benefícios para a saúde cerebral e cardíaca, proporcionando mais vitalidade e saúde para essas áreas do corpo. Atualmente, essa raiz é considerada um alimento funcional.

Ficou curioso (a)? A seguir você verá quais são os principais benefícios desse alimento de acordo com a ciência e ainda vai descobrir como consumir, onde encontrar e quais são os cuidados e contraindicações que se deve ter com esse produto natural. Confira!

Propriedades do ginseng

Entre suas propriedades, podemos citar ações como afrodisíaca, antidepressiva, anti-inflamatória, antioxidante, bioestimulante, depurativa, diurética, tônica, revitalizante, hipotensora, hipocolesterolêmica e hemostática. (1)

Ginseng sobre a mesa
Essa raiz é semelhante ao gengibre e é rica em antioxidantes (Foto: depositphotos)

Benefícios dessa raiz

Confira a seguir como o ginseng age no organismo e alguns dos principais benefícios dele!

Rico em substâncias antioxidantes

Uma das principais vantagens para o organismo no consumo da raiz de ginseng é a sua ação antioxidante. Graças, especialmente, a presença dos compostos fenólicos e poliacetilenos, que protegem o organismo contra os danos causados pela oxidação.

A oxidação é um processo natural do organismo e resulta na produção dos chamados radicais livres. No entanto, essas substâncias são responsáveis por causar diversos danos às células, como o envelhecimento precoce e até mesmo alguns tipos de câncer.

Por esse motivo, a raiz é aplicada na medicina tradicional chinesa como um tônico da juventude, ajudando a prevenir também diversas doenças degenerativas. (2, 3)

Reduz os níveis de açúcar no sangue

O ginseng é rico em saponinas e ginsenosídeo, duas substâncias que têm efeitos comprovados sobre a redução dos níveis de glicose no sangue. Isso inclui, principalmente, pessoas que sofrem com diabetes tipo 2.

Mas esse benefício só é possível devido aos componentes fitoquímicos da raiz que ajudam a diminuir a absorção do açúcar consumido pelo organismo. Ao mesmo tempo, estimulam a produção de insulina, que é a substância responsável por metabolizar os açúcares. (2, 3)

Fortalece o sistema imunológico

O ginsenosídeo também age diretamente sobre o sistema imunológico, melhorando as defesas do corpo contra ataques de vírus, bactérias e diversas doenças.

Isso acontece porque a substância possui propriedades que estimulam a produção de novos glóbulos brancos, as principais células de defesa do organismo. Além de aumentarem o tempo de resposta delas contra as ameaças ao corpo.

Desse modo, consumir regularmente a raiz pode ajudar a prevenir desde gripes e resfriados, até mesmo doenças mais graves, como diversos tipos de câncer. (3, 4)

Reduz o colesterol

Tradicionalmente, o ginseng é indicado para o tratamento de colesterol alto. Isso por causa da capacidade que os compostos fitoquímicos da raiz apresentam em evitar que as plaquetas de gordura se agreguem.

Esse benefício favorece a eliminação do colesterol através das fezes, impedindo que ele seja absorvido pelo organismo e acabe se acumulando nos tecidos.(5)

Melhora a circulação

Os ginsenosídeos são conhecidos por sua função vaso-relaxante. Ou seja, ajudam a relaxar e dilatar os vasos sanguíneos, melhorando a circulação do sangue, principalmente nas extremidades do corpo.

Desse modo, consumir a raiz de ginseng pode ser de grande ajuda para quem sofre com os inchaços causados pela má circulação e ainda pode prevenir as consequências negativas desse mal para a saúde, como dores e o surgimento de varizes. (5)

Reduz os riscos de doenças cardiovasculares

Os compostos fitoquímicos encontrados no ginseng também conseguem reduzir os riscos de doenças cardiovasculares porque reduzem os níveis de glicose e colesterol no sangue.

Além disso, ao melhorar a circulação, a raiz ajuda a fazer com que o coração funcione em um ritmo mais saudável.

Já os ginsenosídeos apresentam a capacidade de proteger as células cardíacas de problemas como hipertrofia dos músculos, falha no funcionamento, isquemia cardíaca e até mesmo dos danos apresentados durante um infarto. (3, 5, 6)

Dá mais energia

Pessoas que desejam ter mais energia no dia a dia também podem se beneficiar com ginseng. Isso porque, essa raiz é reconhecida como um estimulante para o corpo e isso é confirmado pela ciência.

O que acontece é que a raiz possui a capacidade de estimular a produção de alguns hormônios, como os steroidogenesis, que são produzidos pela glândula adrenal e são responsáveis por fazer o corpo de adaptar rapidamente às mudanças de estímulos.

Aliado a isso, ginseng também melhora a taxa de absorção de oxigênio pelo organismo durante exercícios físicos, servindo para aumentar a resistência. Dessa maneira, é confirmado que consumir o ginseng ajuda a dar mais fôlego e energia para aguentar todo o dia. (6, 7)

Estimula a memória

Você provavelmente já ouviu falar que o consumo do ginseng estimula o aprendizado e a memória, não é?  Pois saiba que isso não é um mito e faz todo o sentido, de acordo com as últimas descobertas da ciência.

Esse processo acontece por causa da liberação de neurotransmissores como a serotonina e a dopamina, que melhoram as conexões entre os neurônios, as células cerebrais.

Com isso, é possível aprender mais rápido um determinado assunto e ainda conseguir acessar as memórias sobre ele. (6, 7)

Afrodisíaco natural

Por fim, o ginseng também possui ação afrodisíaca, resultante da junção de propriedades como antioxidante, vaso-relaxante e cardio-protetora da raiz. Tudo isso promove mais energia e influencia diretamente no tratamento da impotência sexual, principalmente em homens. (6, 7)

Como consumir?

O ideal é consumir entre 5 e 10 g de ginseng por dia. Para isso, basta misturar 1 colher (de sopa) em suas principais refeições, tomar 1 cápsula ou ainda consumir entre 3 e 4 xícaras de chá por dia. Veja como preparar o chá dessa raiz!

Chá de ginseng
Esse chá deve ser consumido sem açúcar e logo após a preparação (Foto: depositphotos)

Ingredientes:

  • 1 xícara de água
  • 2 gramas de ginseng

Modo de preparo:

Leve a água ao fogo para ferver. Quando começar a borbulhar, acrescente a raiz, tampe a panela e deixe cozinhando em fogo baixo por cerca de 15 minutos. Em seguida, basta coar e está pronto para ser consumido.

Uma dica importante: o chá não pode ficar muito tempo guardado, pois perde as suas propriedades. Por isso, sempre prepare apenas o suficiente e consuma logo após o preparo e sem adoçar.

Contraindicações e efeitos colaterais

Pessoas que sofrem com problemas no sistema nervoso como hiperatividade, histeria, manias e esquizofrenia devem evitar o uso de ginseng. Além disso, o produto também é contraindicado para quem utiliza drogas que estimulam o sistema nervoso (antipsicóticas) ou quem faz tratamentos hormonais.

Isso porque a raiz potencializa os efeitos dos medicamentos, podendo causar sérios problemas ocasionados por essa mistura. (7)

Onde encontrar a raiz?

Você viu aqui os principais benefícios do ginseng para a saúde e ficou com vontade de experimentar, mas não sabe onde encontrar a raiz? Pois fique tranquilo (a), que atualmente esse suplemento é encontrado facilmente em lojas de produtos naturais e fitoterápicos.

Além disso, é possível encontrar a raiz seca (em pó ou na forma de cápsulas) ou a raiz fresca. Mas atenção, sempre verifique a composição dos produtos antes de comprar, pois eles devem conter apenas o panax ginseng ou panax notoginseng, os suplementos que possuem os benefícios apresentados.

Referências

(1) IM, Dong-Soon; NAH, Seung-yeol. “Yin and Yang of ginseng pharmacology: ginsenosides vs gintonin”. Acta Pharmacologica Sinica, v.34, p.1367-1373, outubro de 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1038/aps.2013.100. Acesso em 26 de maio de 2019.

(2) CHOI, Kwang-tae. “Botanical characteristics, pharmacological effects and medicinal components of Korean Panax ginseng C A Meyer”. Acta Pharmacologica Sinica, v.29, n.9, p.1109-1118, setembro de 2008. Disponível em: 10.1111/j.1745-7254.2008.00869.x. Acesso em 26 de maio de 2019.

(3) NG, T.B. “Pharmacological activity of sanchi ginseng (Panax notoginseng)”. Journal of Pharmacy and Pharmacology, v.58, p.1007-1019, [2006]. Disponível em: 10.1211/jpp.58.8.0001. Acesso em 26 de maio de 2019.

(4) ATTELE, Anoja S.; WU, Ji An; YUAN, Chun-Su. “Ginseng Pharmacology: multiple constituents and multiple actions”. Biochemical Pharmacology, v.58, p.1685-1693, [1999]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10571242. Acesso em 26 de maio de 2019.

(5) LEE, Chang Ho; KIM, Jong-Hoon. “A review on the medicinal potentials of ginseng and ginsenosides on cardiovascular diseases”. Journal of Ginseng Research, v.38, n.3, p.161-166, julho de 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jgr.2014.03.001. Acesso em 26 de maio de 2019.

(6) GILLIS, C. Norman. “Panax ginseng Pharmacology: A Nitric Oxide Link?” Biochemical Pharmacology, v.54, p.1-8, [1997]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9296344. Acesso em 26 de maio de 2019.

(7) NOCERINO, Emilia; AMATO, Marianna; IZZO, Angelo A. “The aphrodisiac and adaptogenic properties of ginseng”. Fitoterapia, v.71, p.1-5, [2000]. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0367-326X(00)00170-2. Acesso em 26 de maio de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.