Folha-da-fortuna – Benefícios, propriedades e indicações

A planta folha-da-fortuna ou folha santa – cujo nome científico é Kalanchoe pinnata – pode chegar a medir até 1,5 m de altura. Ela possui um caule de cor clara e os demais em tons avermelhados, suas flores são tubulosas e hermafroditas, entre amarelo avermelhadas ou verde pálidas.

Popularmente pode ser conhecida também como erva da costa, flores da fortuna, folha grossa, folha da costa, folha da vida, para tudo, sempre viva, planta do amor, amor verde, saião, roda da fortuna, corirama branca, coirama, coirama brava, entre outros nomes populares.

Ela pertence a família Crassulaceae e tem ganhado espaço por possuir propriedades medicinais que podem beneficiar o organismo. Nesse artigo você vai conhecer tudo sobre essa planta e como ela é usada pelas suas propriedades.

Princípios ativos e propriedades

Em sua composição é possível encontrar os seguintes princípios ativos: sais minerais, mucilagens, taninos, glicosídios, alcaloides, flavonoides, esteroides, triterpenos, lipídios e ácidos gástricos. Já as principais propriedades da planta folha-da-fortuna são: anti-inflamatória, antifúngica, antiviral, antimicrobiana e emolientes.

Planta folha-da-fortuna

Essa planta pode ser utilizada no tratamento de problemas internos e externos (Foto: depositphotos)

Os flavonoides são tidos como os principais agentes anti-inflamatórios e a folha-da-fortuna é composta essencialmente por essas substâncias. No entanto, ela também possui em sua composição ácidos graxos, substâncias com função imunossupressora. Por essa razão, podem diminuir a imunidade do organismo.

Além disso, a planta também possui um efeito bactericida, anti-tumoral e até mesmo propriedades antiofídicas. Com isso, foi constatado que o extrato dessa planta conseguiu inibir a ação de uma enzima presente no veneno da cobra jararaca.

A folha santa também consegue diminuir a pressão arterial e serve como um sedativo leve. Sendo assim, melhora a qualidade do sono e também previne quadros de convulsões.

Alguns estudos apontam que o extrato das folhas também é anti-helmíntico, sendo eficaz no tratamento de parasitas humanos e também para evitar choque anafilático em casos de alergias graves.

Ela também possui princípios ativos cicatrizantes, que podem ajudar na recuperação de procedimentos cirúrgicos e feridas abertas. Além disso, ela também ajuda a diminuir a sensação de dor. (1)

Por fim, a planta ainda consegue diminuir os níveis de glicose no sangue e agir como um antifungos. Ela também pode ser eficaz no tratamento de leishmaniose e é um diurético natural. (2)

Benefícios e indicações

Os benefícios advindos pelo consumo da planta folha-da-fortuna são muitos, entre eles estão os alívios de coqueluche, bronquite, asma e de diversas infecções do trato respiratório.

Já quanto ao uso externo, essa planta pode ser usada no tratamento de queimaduras, dermatoses, contusões, cortes, dermatites e furúnculos. Acnes, espinhas, coceiras sem motivo aparente, calos e catapora também podem ser tratadas com essa planta.

Mas ela também age contra a azia, gastrite, úlcera e desconfortos estomacais ou abdominais. Outros problemas relacionados ao sistema digestivo, como disenteria, diarreia, náuseas, prisão de ventre, flatulências e gases podem ser tratados com esse medicamento natural.

Também pode tratar dores de cabeça, enxaquecas, cólicas e distúrbios menstruais. Folha-da-fortuna é indicada ainda para equilibrar diabetes, eliminar ou reduzir cálculos renais e inflamações em geral. Febre, hematomas internos e ossos quebrados são outras indicações dessa planta.

No entanto, os benefícios não param por aqui. Isso porque, dores de dente e de ouvido, infecções oculares e conjuntivite, distúrbios linfáticos e artrite também são amenizados com o uso desse remédio caseiro. Além de linfomas, uretrites, insuficiência renal ou pedra nos rins, pé de atleta, tosses intermitentes, tuberculose, gripes e resfriados, nervosismo, ansiedade e depressão.

De acordo com a farmacêutica especialista em plantas medicinais, Adriana Pereira Freire Junqueira, a infusão das folhas frescas pode ajudar no tratamento de infecções urinárias e também no alívio da tosse. Porém, nesse último caso o mais indicado é o consumo do xarope.

Outros estudos indicam que o sumo retirado das folhas da erva possui propriedades hepatoprotetoras. Por isso, ele é rico em substâncias que protegem o fígado de doenças e lesões. No entanto, vale salientar que esse tipo de uso já é observado em algumas regiões da Índia.

Isso porque, o sumo da folha santa é indicado para o tratamento de icterícia, problema de saúde que interfere no trabalho do fígado, fazendo com que o sangue fique cheio de uma substância responsável por dar a coloração amarela a pele e mucosas. (3)

O chá de folha-da-fortuna é indicado para tratar gastrite?

Sim, de acordo com a farmacêutica esse é o uso mais comum da erva. As enzimas presentes atuam de forma eficiente na proteção da mucosa do estômago, além da planta ter capacidades anti-inflamatórias e cicatrizantes. Por tudo isso, ela consegue prevenir e tratar casos de gastrite e úlceras.

Isso se deve ao fato também da folha santa ser rica em uma enzima que atua protegendo diversas ações fisiológicas. Especialmente no trato gástrico, onde aumenta a produção do muco protetor ao mesmo tempo que em inibe a ação do ácido estomacal. (1)

Um estudo indicou que o consumo do suco feito com as folhas frescas ajudou a reduzir lesões gástricas causadas por álcool e por alguns tipos de medicamentos. Além disso, a planta ajudou a diminuir o inchaço que é causado por lesões na região. (4)

E para quem deseja emagrecer?

Segundo Adriana Junqueira, essa planta pode influenciar no processo de emagrecimento. No entanto, isso se deve ao fato dos potentes princípios ativos presentes no suco, que podem interferir na ação de outros tipos de medicamentos.

Por isso, para quem deseja perder peso ela indica opções como o chá verde, de canela, branco e até mesmo de hibisco. Ainda segundo a especialista, essas são opções mais seguras,  pois não interferem em outros tratamentos.

Mas claro, apenas o consumo desses chás não traz nenhum resultado milagroso para o emagrecimento. Sendo assim, é importante aliar isso a uma dieta saudável e a prática de atividades físicas.

Características da folha-da-fortuna

A folha santa é uma planta suculenta, por isso consegue acumular água em seus tecidos internos. Nativa da ilha de Madagascar, acaba sendo pouco popular no Brasil. Apesar disso, ela é usada há séculos na medicina tradicional de países da Ásia e das Américas, principalmente por populações nativas e ribeirinhas. (5)

De acordo com a especialista em plantas medicinais, a folha-da-fortuna costuma ser mais utilizada como planta ornamental. No entanto, ela possui um grande poder medicinal e pode ser usada para o tratamento de diversas doenças, como já vimos anteriormente.

Inclusive, a Kalanchoe pinnata está na Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do Sistema Único de Saúde (RENISUS) para ser estudada devido ao seu potencial medicinal.

Os exemplares costumam medir entre 30 centímetros até um 1,5 metro de altura. As folhas não apresentam pelos e geralmente medem entre 6 e 8 centímetros de comprimento. Os formatos variam entre de elipse ou oval e elas costumam ser cerradas.

Outra característica marcante da erva é que as folhas crescem em galhos opostos e em forma de cruz. Novos brotos podem nascer através das raízes, galhos e até mesmo das folhas. Já as flores costumam ser roxas ou verdes, e pendentes, enquanto as sementes são pequenas e macias.

Mesmo sendo nativa da região de Madagascar, a folha santa pode ser encontrada em diversas partes do mundo. Sendo parte da medicina tradicional de diversas regiões, inclusive no Brasil. (2)

Como é uma suculenta a forma mais comum de uso é o suco feito com as folhas da planta. Mas ele pode ser ingerido ou aplicado sobre a pele como cataplasma, conforme explica Junqueira.

Como preparar?

No caso da gastrite, deve-se consumir o suco da folha-da-fortuna. Para prepará-lo, leve ao liquidificador 1 colher (de sopa) das folhas frescas, juntamente com 300 ml de água filtrada. Após estar bem batido, coe e beba o equivalente à 1 xícara. Repita o procedimento, tomando o suco de folha-da-fortuna duas vezes ao dia, preferencialmente entre as refeições.

No caso de males externos, como hematomas e feridas, simplesmente aqueça a folha da planta e use-a como cataplasma, colocando-a sobre o local afetado.

Já para quem deseja usar a erva no tratamento de tosse o indicado é amassar uma colher (de sopa) de folhas frescas e misturar o sumo a uma xícara de leite morno. Essa bebida também é bastante eficaz no tratamento da gripe.

Outro modo de uso é como chá. De acordo com Junqueira, a infusão deve ser feita com uma colher (de sopa) de folhas, que devem estar frescas, e uma xícara de água fervente. Misture tudo e deixe descansar alguns minutos, mas beba ainda quente. A infusão também deve ser consumida até duas vezes ao dia e é eficaz no tratamento de infecções urinárias.

Onde encontrar?

Os exemplares de folha-da-fortuna são muito utilizados como plantas ornamentais, em jardins e praças públicas. Por isso, eles são facilmente encontrados nesses locais. Como qualquer suculenta, é possível plantá-la através de uma folha ou das novas plantas que costumam sair pelo caule.

Além disso, a erva também é encontrada em lojas de plantas ornamentais e até pela internet.

Principais cuidados com a planta

Caso você queira cultivar a folha santa em casa, é necessário saber de alguns detalhes. Primeiro que essa planta é nativa de climas quentes e se acostumou bem ao clima brasileiro. Em alguns locais ela é considerada uma espécie invasora, devido ao seu rápido e fácil crescimento.

Além disso, ela sobrevive em áreas secas e com muito sol. Mas como toda suculenta a rega deve ser feita com cuidado, apenas quando a terra estiver seca ao toque. Isso porque as plantas desse tipo costumam estocar água em suas folhas e o excesso de rega pode matá-las. (2)

Contraindicações

Por ser considerada uma estimulante uterina, o consumo da planta folha-da-fortuna é contraindicado para mulheres em fase de gestação e lactação. Isso porque, durante a gravidez os princípios ativos da erva estimulam a contração uterina e pode causar aborto.

Para a especialista em plantas medicinais, folha santa também pode potencializar a ação dos barbitúricos, medicamentos usados para tratar depressão, ansiedade grave e epilepsia. Da mesma forma, ela também pode potencializar os glicosídeos cardiotônicos, que são remédios usados para tratar problemas cardíacos.

Por essas razões, caso você tenha algum desses problemas, é importante consultar o seu médico antes de consumir qualquer produto à base de folha santa.

Outro ponto alertado por Junqueira é a ação imunossupressora da planta. Dessa forma, esse produto natural pode acabar baixando as defesas do organismo e o deixando mais suscetível à doenças.

Sendo assim, ela deve ser usada por um período de no máximo 30 dias. Após isso, é importante dar uma pausa de mais 30 dias antes de retornar o uso.

*Artigo feito com a colaboração da farmacêutica especialista em Plantas Medicinais, Adriana Pereira Freire Junqueira, mestre em ciência em saúde com foco em farmacologia das plantas medicinais.

Referências

(1) FERREIRA, Raquel Teixeira. “Mecanismos envolvidos com as atividades antinociceptiva, antiedematogênica e antiinflamatória do flavonoide majoritário das inflorescências de Kalanchoe pinnata (Lam.) Pers. (folha da fortuna)“. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), 2016. Disponível em:  https://tede.ufrrj.br/handle/jspui/1802. Acesso em 1 de dezembro de 2018.

(2) AEJAZUDDIN, Quazi Majaz Ahamad. et al. “The miracle plant (Kalanchoe pinnata): A phytochemical and pharmacological review“. International Journal of Research in Ayurveda and Pharmacy, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/268347927_The_miracle_plant_Kalanchoe_pinnata_A_phytochemical_and_pharmacological_review. Acesso em 1 de dezembro de 2018.

(3) YADAV, NP.; DIXIT, VK. “Hepatoprotective activity of leaves of Kalanchoe pinnata Pers“. Pub Med, 2003. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12738087. Acesso em 1 de dezembro de 2018.

(4) ARAÚJO, Edilane Rodrigues Dantas de. “Kalanchoe brasiliensis Cambess e Kalanchoe pinnata (Lamarck) Persoon: caracterização química, avaliação gastroprotetora e anti-inflamatória tópica“. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2017. Disponível em: http://www.repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/24572. Acesso em 1 de dezembro de 2018.

(5) SHIVANANDA, Nayak B.; MARSHALL, Julien R.; GODWIN, Isitor. “Potencial de cicatrização de feridas do extrato etanólico de Kalanchoe pinnata Lam. folha – um estudo preliminar“. 2010. Disponível em: http://nopr.niscair.res.in/handle/123456789/9083. Acesso em 1 de dezembro de 2018.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.