Existe um vírus que ataca no inverno e que você não sabe. Descubra qual é

É vasta a lista de doenças que costumam aparecer durante o inverno. Mas existe outro vírus muito comum nessa época

Resfriado, gripe, pneumonia, asma, alergia, rinite… É vasta a lista de doenças que costumam aparecer durante o inverno. Mas existe outro vírus muito comum na época que recebe pouca atenção: a caxumba.

Além da doença ganhar uma discussão menor do que ela merece, ainda existem vários mitos girando em torno da enfermidade, principalmente sobre a esterilidade, que é algo bastante raro nos pacientes.

O diretor da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), Rodrigo Lima, esclarece as principais dúvidas sobre a doença viral.

Mitos e verdades sobre a caxumba

Existe um vírus que ataca no inverno e que as pessoas não dão atenção. Descubra qual é

Foto: depositphotos

A caxumba tem sintomas parecidos com os da gripe ou dengue

Verdade. Segundo o especialista, assim como quase todas as doenças virais, a caxumba causa sintomas como febre, dor de cabeça, no corpo e muscular e muitas vezes é confundida com gripe ou dengue.

Os períodos de maior propagação são inverno e primavera

Verdade. “Por ser um vírus, a caxumba tem a propagação facilitada por aglomerados de pessoas. Os períodos de maior incidência, como o inverno, favorecem o surgimento de surtos”, revela Rodrigo.

O paciente não precisa ficar isolado, a partir da confirmação de diagnóstico

Mito. A doença é contagiosa e é preciso que o paciente fique isolado por alguns dias para evitar a propagação da enfermidade.

Objetos utilizados pela pessoa contaminada precisam ser desinfetados

Verdade. Para evitar a transmissão da doença, utensílios como talhares, pratos e copos devem ser lavados com água e sabão toda vez que usados pelo paciente.

Todas as pessoas que foram vacinadas estão prevenidas da contaminação

Mito. A vacinação é a melhor forma de evitar a contaminação, mas ela não é 100% eficaz e mesmo pessoas vacinadas podem adquirir a doença.

Lugares com aglomerados de pessoas são propícios de contaminação

Verdade. Assim como a gripe e diversas outras doenças virais, a caxumba é transmitida por gotículas de saliva ou secreção respiratória.

Existe um grupo de risco

Mito. Na verdade o que existe são exposições a fatores de risco. “A gravidade da doença se estabelece com as complicações possíveis, como a orquite (inflamação dos testículos), oforite (inflamação dos ovários) ou inflamações do sistema nervoso central como a encefalite. Felizmente todas são raras”, revela o especialista.

Existe tratamento específico para a caxumba

Mito. Não há nenhum tratamento específico para a infecção viral, ela é uma doença que regride espontaneamente. O que existe são medidas que ajudam a controlar os sintomas causados pela doença.

E possível evitar consequências graves da caxumba como surdez, meningite e até esterilidade

Mito. Rodrigo conta: “uma vez estabelecida a doença não existem medidas que evitem complicações. A esterilidade é muito rara, mesmo entre os casos que apresentam orquite, que já são bem pouco frequentes”.

Remédio caseiro para caxumba

As receitas caseiras para tratar a doença são formas de ajudar a acelerar o processo de cura e a aliviar os sintoma causados pela caxumba. Para ajudar a diminuir a inflamação, misture 3 colheres (de sopa) de gengibre em pó com água, transforme em uma pasta e coloque sobre o inchaço.

Esfregar suavemente a aloe vera no inchaço também é uma forma de aliviar o inchaço provocado pela caxumba. Outra dica é aquecer 4 folhas de figueira sagrada, regar com um pouco de azeite e aplicar sobre o inchaço por até 15 minutos. Faça compressas quentes nas áreas inflamadas por cerca de dez minutos.

Sobre o autor

Formada em Jornalismo pela Unicap, pós-graduada em Comunicação Empresarial e Mídias Digitais pela Devry, fez intercâmbio na ETC School, em Bournemouth (UK) e tem experiência nas áreas de assessoria de comunicação, produção de vídeo e foto e redação.