,

Comer muito espinafre faz mal? Fique sabendo!

Na verdade o excesso não é muito indicado. Iremos esclarecer todas as dúvidas no decorrer do artigo

Este alimento faz parte do grupo dos vegetais que possui uma série de substâncias benéficas para o corpo. Porém, muitas pessoas acreditam que comer muito espinafre pode fazer mal ao nosso organismo e propiciar o aparecimento de doenças. Mas será que isso é verdade?

Para responder essa e muitas outras perguntas a respeito do espinafre, basta ficar de olho nesse artigo. Depois disso, não restará qualquer dúvida a respeito desse vegetal que é tão conhecido e consumido entre as pessoas.

Geralmente seu consumo ocorre durante o horário do almoço. Mas também pode aparecer como estrela principal em pratos no jantar, tais como caldos, panquecas e até sucos.

Comer espinafre em excesso faz mal?

Comer muito espinafre pode ter efeito negativo no organismo

Esse vegetal é rico em ferro (Foto: depositphotos)

Comer espinafre em excesso não é muito indicado. Isso acontece devido a existência de uma substância conhecida como oxalatos, ou ácido oxálico, na sua composição. O vegetal possui quantidade de oxalatos suficiente para afetar algumas áreas do corpo.

Risco de cálculo renal

A presença exagerada dessa substância já foi associada ao aumento do risco de desenvolvimento de cálculos renais. “Quem tem predisposição para cálculo renal, é importante que o consumo seja bem moderado”, explica a nutricionista Fabiana Borrego.

Essa condição é conhecida como hiperoxalúria. “Devido à presença do ácido oxálico, podemos identificar a presença de cálculo oxalato, que está presente no espinafre. Esse ácido inibe a absorção do cálcio e do ferro no organismo”, diz Fabiana.

Isso pode acarretar na diminuição da absorção do cálcio pelo organismo, o que representa um perigo para quem já tem a predisposição para a doença. Nessa relação, quantidades baixas do mineral aumentam as chances da formação de cálculos renais.

Veja também: Chá de sementes de melancia pode eliminar pedras nos rins

Síndrome do intestino irritável

As pessoas que apresentam distúrbios digestivos, principalmente a síndrome do intestino permeável ou intestino irritável, devem evitar comer muito espinafre. O risco de piorar o distúrbio é ainda maior. A explicação para isso vem da presença dos altos níveis de ácido oxálico.

Veja também: Remédios caseiros para a síndrome do intestino irritável

Propriedades e benefícios do espinafre

O espinafre é um vegetal rico em uma série de nutrientes. Entre eles, sais minerais como ferro, fósforo, cálcio, magnésio e potássio. Ele também possui altas concentrações de vitaminas dos complexos A, B, C, E e K.

Digestão

Os principais benefícios do espinafre vem da ação anti-inflamatória e antioxidade. Ele é rico em fibra dietética, que auxilia na digestão dos alimentos, prevenindo a prisão de ventre e melhorando os níveis de açúcar no sangue.

Veja também: Truque caseiro é infalível contra azia e má digestão

Anemia

O espinafre é rico em ferro, só que ele não é absorvido com muita facilidade pelo nosso organismo. Então, precisamos da vitamina C para estar absorvendo esse ferro. Então é aconselhável associar o seu consumo ao suco de laranja ou comer outra fruta, como o morango, goiaba e acerola para evitar a anemia”, oriente a nutricionista Fabiana Borrego.

Veja também: Tratamento natural pode ajudar a combater a anemia

Câncer

A presença de flavonoides é tão significativa no espinafre, que seu extrato é utilizado por laboratórios, em pesquisas promissoras de combate às células cancerígenas de diversos tipos de cânceres, como: câncer de próstata, de estômago, de mama e de pele.

Já a neoxantina e a violaxantina são potentes anti-inflamatórios que auxiliam na regulação das inflamações.

Veja também: Em qual idade a mulher tem mais risco de ter câncer de mama?

Osteoporose

O alimento também pode auxiliar na prevenção de osteoporose, aterosclerose e hipertensão. “O espinafre deve fazer parte da dieta das pessoas. Consumir ele de duas a três vezes por semana já é o suficiente”, afirma Fabiana.

Veja também: Confira os remédios caseiros indicados para osteoporose

Mais benefícios do espinafre

O consumo do espinafre auxilia ainda no combate à pressão alta e na proteção dos olhos contra a catarata, além de aumentar a imunidade combatendo a entrada de infecções.

Segundo estudos, o cérebro consome grande quantidade de energia em seu funcionamento e deixa resíduos químicos oxidantes. O espinafre é um dos alimentos que, se consumidos com certa frequência, eliminam essas substâncias e “desenferrujam” o cérebro.

Nos casos relacionados a pele, o espinafre promove a saúde dessa parte do corpo, mantendo somente a retenção de umidade necessária. Ele também é conhecido por combater acne, rugas, psoríase e queratinização.

O consumo das folhas verdes também tem o poder de prevenir arteriosclerose, já que é rico em beta-caroteno e vitamina C, conhecidos antioxidantes, que impedem a fixação de colesterol LDL nas artérias e veias.

Veja tambémEspinafre – Os benefícios e controvérsias do vegetal

Como comer este vegetal da maneira certa

Consumido com mais ênfase no horário do almoço em saladas ou no preparo de pratos, o espinafre possui algumas peculiaridades. Na maioria das vezes, a indicação é que a verdura seja cozida.

A nutricionista Fabiana Borrego explica qual a melhor forma de consumir o espinafre. “O espinafre precisa ser cozido, pois ele cru apresenta algumas substâncias tóxicas e que podem fazer mal ao nosso corpo. A dica é cozinhar ele no vapor, onde se consegue manter um teor maior de fibras e manter as folhas mais íntegras”.

Essa avaliação dada pela nutricionista é comprovada através de pesquisa publicada pelo Journal of Agriculture and Food Chemistry. Nesse caso, o cozimento poder reduzir de 30% a 87% o teor de oxalato. No vapor, essa redução é de 5% a 53%.

Em relação as mulheres grávidas ou que estão em processo de amamentação, o espinafre é recomendado. “Mulheres que pretendem ficar grávidas ou gestantes, é importante que consumam esse vegetal, pelo menos de duas a três vezes por semana”, completa a nutricionista.