Chás para tratar labirintite

Se você foi diagnosticado com a doença, saiba que a medicina alternativa pode te ajudar a controlar os sintomas

No que se refere à labirintite, muita gente tem dúvidas a respeito dos sintomas e sobre a melhor forma para tratar a doença. Para isso você pode fazer uso de alguns ingredientes naturais que vão ajudar a acabar com os incômodos trazidos pela labirintite. Geralmente a doença acomete pessoas a partir dos 40 anos de idade, sendo resultado de uma alteração metabólica ou vestibular.

A labirintite nada mais é do que um processo inflamatório que atinge os labirintos. Essa característica acaba acarretando em um desarranjo do equilíbrio. A partir da aparição dos primeiros sintomas da labirintite, o mais recomendado é que o médico seja consultado. Só ele possui conhecimento suficiente para recomendar o melhor tratamento, além de poder tirar possíveis dúvidas sobre a utilização dos chás.

Chás para labirintite

Existem algumas plantas que podem ser aplicadas, principalmente a partir dos sintomas que a doença pode desencadear. Veja quais os chás que acabam com os sintomas da labirintite:

Chá de erva-doce, cravo da índia e alecrim

Ingredientes

– 200 ml de água filtrada;
– 1 colher (de chá) de erva-doce;
– 1 colher (de chá) de alecrim;
– 3 cravos da índia.

Modo de preparo

Com ajuda de uma panela, coloque a água para ferver. Assim que apresentar os primeiros sinais de ebulição, desligue o fogo e acrescente a erva-doce, o alecrim e o cravo. Deixe a panela tampada e espere passar 10 minutos. Antes de consumir a bebida, pegue uma peneira e remova todos os ingredientes usados no preparo. A recomendação é que o consumo diário não ultrapasse as três xícaras.

Veja também: Saiba quais chás não devem ser consumidos por quem tem labirintite

Chá de ginkgo biloba

Ingredientes

– Meio litro de água filtrada;
– 30 g de folhas ou pó de ginkgo biloba.

Modo de preparo

Para preparar o chá você vai precisar da ajuda de uma panela com tampa. Como primeiro passo, coloque a água para ferver. Assim que atingir o ponto de ebulição, desligue o fogo e acrescente o ginkgo biloba. Tampe a panela e deixe em infusão por aproximadamente 10 minutos. Coe e consuma em seguida. A recomendação é que o consumo diário não ultrapasse as três xícaras.

Veja também: Ginkgo Biloba pode tratar perigosa doença; descubra qual

Saiba mais sobre a labirintite

A labirintite é uma doença que afeta o sistema nervoso, causando desequilíbrio

A labirintite afeta o equilíbrio, ocasionando tonturas (Foto: depositphotos)

De acordo com o médico do Hospital Sírio-Libanês, Antonio Douglas Menon, “a labirintite é uma doença que pode acometer tanto o equilíbrio quanto a parte auditiva. Os órgãos responsáveis pelo equilíbrio e pela audição estão situados dentro da orelha interna e se comunicam com o sistema nervoso central através dos nervos da audição e do nervo vestibular”.

A labirintite é uma das patologias que pode ser causada por infecções, inflamações, tumores, doenças neurológicas, alterações genéticas e compressões. Normalmente aparece após os 40 anos de idade, quando há alguma alteração metabólica ou vestibular, ou aumento dos níveis de colesterol, ácido úrico ou triglicérides, que podem causar modificações dentro das artérias e reduzirem a quantidade de sangue que circula no cérebro e labirinto.

Entre os principais sintomas que podem ser observados a partir do aparecimento da labirintite estão: tonturas e vertigens. Elas podem aparecer associadas a vômitos, náuseas, sudoreses, desequilíbrio e audição reduzida. É comum o paciente relatar que o ambiente “gira” ao seu redor. “O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, a impressão de que vai cair”, completa Menon.

É importante que o paciente procure o médico ao serem identificados os primeiros sintomas da labirintite, já que as crises podem se agravar. “Depende do tipo da doença. A fase aguda pode durar de minutos ou horas a dias conforme a intensidade da crise. Elas podem ser mensais, anuais ou desaparecem por dois ou três anos”, afirma Menon.

Dependendo do caso, a qualidade de vida levada pelo paciente pode interferir diretamente na labirintite, como explica o especialista. “Geralmente, em indivíduos pré-diabéticos, o excesso de açúcar está relacionado com crises subentrantes por causa da hipoglicemia. Bebidas gasosas que contenham quinino também podem desencadear zumbido no ouvido, por exemplo. Na verdade, cada organismo reage de uma maneira diferente diante do estímulo a que está sendo submetido”, diz Menon.

Como evitar a labirintite

Alguns cuidados podem ser inseridos no dia a dia a fim de prevenir o aparecimento da labirintite. Entre os principais, adotar hábitos saudáveis para a alimentação é um dos mais importantes. Evite ficar mais de três horas sem se alimentar. A qualidade da alimentação é o que conta e não a quantidade, sendo assim, os legumes e verduras devem ser maioria na alimentação diária.

Tomar água várias vezes ao dia também é uma forma de prevenção da labirintite. Exercícios podem ser essenciais no tratamento e prevenção. Movimentos simples que podem ser feitos dentro de casa como andar em linha reta sem olhar para os lados ou para baixo para frente e para trás, andar em linha reta, parar, dar uma rodada e continuar andando reto.

Para quem tem o hábito de dormir muito é bom ficar atento, já que esse é um precedente para o aparecimento da doença. Na hora de dormir não use travesseiro muito alto, além de poder acarretar dores no pescoço, ajuda no aparecimento da labirintite.

Veja também: Tratamentos caseiros para reduzir os sintomas de labirintite

Em suma, Menon passa algumas recomendações. “Uma dieta extremamente leve constituída por alimentos fáceis de digerir e líquidos à vontade. Prescrevo também medicamentos para controlar náuseas e vômitos, a fim de que o indivíduo consiga alimentar-se. Às vezes, ele precisa ser hospitalizado para receber medicação parenteral, ou seja, soro na veia com glicose, soro fisiológico, cloreto de sódio, visando à sua hidratação adequada. Existem, ainda, medicações atuantes, muito usadas em anestesias, que melhoram a crise vertiginosa rapidamente. Esse tratamento, porém, só deve ser feito no hospital por causa dos efeitos colaterais que essas drogas apresentam”, completa.

Tratamento alternativo para a labirintite

Além dos chás, você pode investir em outras substâncias naturais para acabar com a labirintite. Consumir o vinagre de maçã feito em casa é uma boa solução. Para prepará-lo, veja o que é necessário:

Ingredientes

– 1 kg de maçã picada com casca;
– 5 litros de água filtrada;
– 2 xícaras de açúcar.

Modo de preparo

Coloque todos os ingredientes em um recipiente de plástico ou louça e tampe com um pano. Deixe fermentar por cerca de 15 dias, coe e coloque em vidros higienizados. O consumo do vinagre de maçã caseiro para labirintite deve ser feito diariamente, três vezes ao dia. Para tanto, basta misturar uma colher (de sopa) de vinagre de maçã com uma colher (de chá) de mel.

Veja também: Remédio natural para aliviar os sintomas da labirintite

Sobre o autor

Formado em Jornalismo pela UniFavip | Wyden. Já trabalhou como repórter e editor de conteúdo em um site de notícias de Caruaru e em três revistas da região. No Jornal Extra de Pernambuco e Vanguarda de Caruaru exerceu a função de repórter nas editorias de Economia, Cidades, Cultura, Regional e Política. Hoje é assessor de imprensa do Shopping Difusora de Caruaru-PE, Seja Digital (entidade responsável pelo desligamento do sinal analógico no Brasil), editor da revista Total (com circulação em Pernambuco) e redator web do Remédio Caseiro.