Chá de cavalinha: para que serve e receitas

O chá de cavalinha (Equisetum arvense), erva conhecida popularmente também como cauda-de-cavalo e cana-de-jacaré, é um tratamento natural para problemas como infecções urinárias e pedras nos rins, já que é rico em compostos com potencial diurético e antibacteriano

O chá ainda serve como anti-inflamatório, ainda ajuda a controlar o fluxo menstrual intenso e os sintomas comuns da menopausa.

Xícara com chá de cavalinha

O chá de cavalinha, por ser diurético, combate infecções urinárias e ainda emagrece (Foto: depositphotos)

Segundo o naturopata Danilo Ramon, a planta tem vários outros usos terapêuticos além desses e você poderá conferi-los a seguir!

Para que serve o chá de cavalinha?

Tratar infecções urinárias 

“O Equisetum arvense, conhecido como cavalinha, é um precioso vegetal para as vias urinárias (…) pois ajuda a eliminar cálculos renais e incontinência urinária”, afirmou o especialista em fitoterapia.

Ainda de acordo com o profissional, grande parte desses usos é derivado do potencial diurético (aumenta a produção de urina) que a planta tem e que favorece a eliminação de minerais que formam os cálculos e também de microrganismos causadores de infecções urinárias.

A infusão feita com as folhas da erva tem propriedades antibacteriana e antifúngica. Desse modo, a bebida também favorece a destruição das bactérias nocivas ao trato urinário e até alguns tipos de fungos causadores de infecções vaginais. (1)

Impedir a retenção de líquidos e diminuir os inchaços 

“Esse efeito diurético também é muito usado para diminuir a retenção de líquido e até para emagrecer”, disse Danilo, esclarecendo que o acúmulo de líquidos e toxinas no corpo traz aquela sensação de inchaço, o que passa a impressão de que você está com alguns quilinhos a mais.

Contudo, Danilo alerta que “para obter resultados com retenção de líquido precisa consumir bastante água”, ou você pode acabar ficando desidratado devido ao processo do corpo expulsar essas toxinas.

Controlar a pressão arterial 

A ação diurética também faz do chá de cavalinha um poderoso remédio natural contra a hipertensão, visto que o aumento da produção de urina favorece a filtragem e consequentemente a eliminação de minerais que causam a elevação da pressão arterial, como o sódio, por exemplo. 

Para você ter uma noção do poder dessa plantinha um trabalho de pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás descobriu que a cavalinha tem o mesmo efeito que o medicamento hidroclorotiazida, um diurético usado no controle da hipertensão. 

Com isso, a infusão reduz sim a pressão e favorece um controle dela a longo prazo. Por esse motivo deve ser consumida com bastante cuidado por pessoas que apresentam a pressão normal ou muito baixa. (2)

Proteger o trato gastrointestinal 

Danilo esclareceu também que o chá de cavalinha pode ser usado para tratar e aliviar os sintomas de problemas gastrointestinais, como úlceras no estômago e no intestino, colite (inflamação crônica no intestino grosso) e gastrite.

E tudo isso graças ao conjunto de propriedades anti-inflamatória e antibacteriana, que agem no controle de problemas inflamatórios crônicos, favorecem a cicatrização das feridas gástricas e de quebra eliminam os microrganismos causadores de várias doenças.

Tratar e aliviar os sintomas de problemas inflamatórios 

Outro uso da cavalinha é o de promover o alívio dos sintomas de doenças inflamatórias crônicas, como a já citada colite ou prostatite (inflamação na próstata).

Isso acontece porque a erva é rica em fitoquímicos que impedem que o alerta de inflamação seja enviado para o sistema de defesa do organismo.  (1

“Então a inflamação é causada pelo próprio corpo”? A resposta para essa pergunta é sim, porque esse processo é uma forte defesa do organismo, que ao aumentar o envio de sangue e de anticorpos para o local afetado consegue lutar melhor contra os invasores, e é isso que causa os sintomas como dores e vermelhidão.

No entanto, às vezes isso acontece de maneira desordenada e recorrente, o que é chamado de inflamação crônica como reumatismo, por exemplo, e ao impedir essa reação o chá de cavalinha mantém a doença sob controle.

Diminuir o fluxo menstrual intenso e sintomas da menopausa

“Graças ao seu efeito anti-hemorrágico, o chá de cavalinha controla fluxo menstrual ou hemorragia uterina”, informou Danilo, que falou ainda que esse é um uso bastante comum do chá. 

“Porém problemas femininos como esses têm suas causas, por isso é importante a orientação profissional para recomendar plantas que se associam com a cavalinha para obter resultado correto”, completa o profissional.

Não é só isso não. A erva contém uma substância chamada de beta-sitosterol, que age como um fito-hormônio. Basicamente um tipo de hormônio natural produzido por plantas, auxiliando na reposição de estrogênio.

Desse modo, o consumo da erva contribui para diminuir os sintomas da menopausa e até prevenir a osteoporose, que é uma doença bastante comum em mulheres idosas e que está relacionada com a diminuição da produção dos hormônios femininos. (3)

Como preparar o chá: receitas simples 

“Pode fazer a infusão com uma xícara de água quente e 1 colher (de sobremesa) da cavalinha”, ensinou o naturopata. Deixe descansar por 10 minutos abafado e o chá vai estar pronto.

Esse método é o mais simples e pode ser bebido até três vezes ao dia.

Para potencializar os efeitos da erva você ainda pode misturá-la com outros ingredientes naturais. Confira como fazer!

Chá de cavalinha com abacaxi 

Você vai precisar apenas adicionar um pedaço de uns cinco centímetros de casca de abacaxi, que deve estar bem lavada, e usar a medida de 1 colher (de chá) da erva para cada xícara de água. 

Para preparar coloque todos os ingredientes na água fervente e abafe por cerca de 10 minutos, depois é só beber. Bem simples, não é?

Chá de cavalinha com gengibre 

Para essa receita use uma colher (de chá) de folhas secas de cavalinha e uma colher (de chá) de gengibre ralado para cada xícara de água. Todos os ingredientes devem ser levados ao fogo até ferver e depois precisam ficar abafados por cerca de cinco minutos. Após isso, basta coar e beber.

Cuidados e contraindicações 

Danilo explicou que “não há contraindicações na cavalinha”, porém, pessoas que fazem uso de medicamentos diuréticos ou anticoagulantes devem fazer o uso do chá com moderação, uma vez que a erva potencializa os efeitos desses compostos.

Além disso, mulheres grávidas ou que amamentam devem evitar o uso sem orientação médica, para evitar problemas no bebê. 

Por fim, sempre procure orientação especializada, já que mesmo que um remédio seja natural ele ainda pode causar efeitos adversos e graves em algumas ocasiões, caso seja usado sem os cuidados necessários.

Onde encontrar a cavalinha?

O chá de cavalinha, na forma de folhas secas, pode ser encontrado, com bastante facilidade, em lojas de produtos naturais e fitoterápicos, bem como em feiras livres.

Caso não goste do chá uma opção é utilizar a erva em cápsulas, que devem ser tomadas três vezes ao dia.

*Texto feito com a colaboração do naturopata especialista em acupuntura, fitoterapia e iridologia Danilo Ramon (CRTH-1224-BR). 

Referências

(1) AL-SNAFI, Ali Esmail. The pharmacology of Equisetum arvense- A review. Journal of Pharmacy, v.7, n.2, p.31-42, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9790/3013-0702013142. Acesso em: 20 de outubro de 2019.

(2) CARNEIRO, Danilo Maciel. Avaliação da atividade diurética e segurança do uso da Equisetum arvense L. (cavalinha) em humanos saudáveis. Universidade Federal de Goiás, 2012. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/4264. Acesso em: 20 de outubro de 2019.

(3) MELLO, Melissa; BUDEL, Jane Manfron. Equisetum L. (equisetaceae): Uma revisão.Cadernos da Escola de Saúde, v.1, n.9, p.1-5, 2013. Disponível em: http://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2370. Acesso em: 20 de outubro de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.