Alfavaca: benefícios e como fazer o chá

A alfavaca ou manjericão-de-folha-larga é uma planta rica em benefícios que podem ser obtidos através do seu consumo na alimentação ou por meio do seu chá. Entre os principais, destacam-se o efeito anti-depressivo, anti-inflamatório e sedativo.

Seu nome científico é Ocimum basilicum e trata-se de uma espécie de manjericão, usada principalmente como tempero ou produto medicinal natural. Originária da África e Ásia, é uma planta facilmente encontrada também em países como Brasil, Irã e África do Sul.

Ramos de alfavaca
Além do chá, a alfavaca é muito usada na forma de tempero e seu consumo pode combater úlceras (Foto: depositphotos)

Neste artigo, vamos mostrar todos os benefícios já comprovados pela ciência, além de ensinar como fazer o chá da planta.

Principais benefícios da alfavaca

Alivia sintomas da depressão

Em primeiro lugar, vamos falar sobre um benefício bem peculiar da alfavaca. Existem substâncias na composição da planta que agem como leve anti-depressivo, principalmente em casos relacionados a estresse. (1)

Contudo, é importante ressaltar que a depressão é uma das doenças cerebrais mais perigosas que existem na atualidade. No caso de suspeita ou sintomas, procure urgentemente um profissional da saúde mental (Psicologia ou Psiquiatria).

A alfavaca é um auxiliar, mas não dá conta do tratamento para depressão que é contínuo e essencial para a saúde do paciente.

Elimina bactérias

A partir de substâncias antibactericidas combinadas com as antibióticas, a exemplo do linalol, presentes na composição da alfavaca, é possível prevenir e tratar doenças causadas pelas bactérias. Esse benefício foi melhor observado através do extrato oleoso da planta. (2)

Trata úlceras

Outro efeito medicinal comprovado é a ação anti-ulcerogênica. A planta possui alto potencial medicamentoso para a prevenção, diminuição e tratamento das úlceras. (3)

É anti-inflamatória

A alfavaca também possui efeito anti-inflamatório. Sua ação contra inflamações é tão potente que a planta pode ser usada, inclusive, no tratamento de condições crônicas. (3, 4, 5)

Controla a diabetes

A planta pode ser usada como um produto natural auxiliar para o controle da diabetes. Ela inibe enzimas (enzimas α-amilase e α-glucosidase) e isso retarda a taxa de digestão de carboidratos, o que diminui o aumento da glicemia em pacientes diabéticos. (6)

A alfavaca ainda se mostrou bastante potente no controle da diabetes pois é capaz de “suprimir a liberação endógena de glicose, inibir a glicogenólise e/ou estimular a glicogênese”. (7)

É um leve sedativo

A alfavaca possui efeito sedativo e provoca sono. Algumas substâncias da planta desestimulam o sistema nervoso, o que provoca sonolência e diminuição de estresse/ansiedade. (8)

Desse modo, a planta pode ser usada como medicamente natural para o tratamento da insônia e outros distúrbios do sono. Além disso, o chá da planta pode ser considerado, dessa forma, um bom calmante em momentos de nervosismo, estresse ou ansiedade.

Combate os fungos

A ação antifúngica da alfavaca pode ser extraída a partir da ingestão do seu chá ou por meio de banhos para o tratamento externo de doenças. (9)

Chá de alfavaca: como preparar?

Uma das formas mais simples de obter os benefícios da alfavaca é através da sua infusão em água, que resulta no chá da planta.

  1. Em uma panela, aqueça 1 xícara de água filtrada e espere ferver.
  2. Em seguida, desligue o fogo e adicione 1 colher (de chá) de alfavaca.
  3. Tampe por aproximadamente 10 minutos.
  4. Por fim, coe e beba sem açúcar.

É importante a parte de não adoçar este chá. A razão é que o açúcar elimina alguns dos benefícios listados, fazendo com que o chá perca a maioria dos seus efeitos positivos para a saúde.

Como tomar ou aplicar o chá

O chá de alfavaca deve ser tomado uma vez por dia e uma xícara é suficiente. Além da ingestão, a bebida pode ser usada para tratamento tópicos na pele por meio de banhos, principalmente em caso de tratamento de fungos.

Onde comprar?

Por ser a principal espécie de manjericão encontrada no Brasil, a alfavaca é facilmente encontrada em supermercados, feiras livres, lojas de produtos naturais e quitandas assumindo o próprio nome de manjericão. Para não haver confusão, o ideal é perguntar aos vendedores ou conferir o nome científico na embalagem.

Vale lembrar ainda que a planta pode ser encontrada com outros nomes, dependendo da região do país. Os principais são basilicão e basílico (em referência ao “basilicum” no nome científico), além do nome mais conhecido “manjericão-de-folha-larga”.

Cuidados e contraindicações

O consumo da planta é seguro para seres humanos, mas o exagero do óleo essencial pode trazer efeitos colaterais ainda não definidos. (10)

Referências

(1) Ayuob NN, Firgany AEL, El-Mansy AA, Ali S. Can Ocimum basilicum relieve chronic unpredictable mild stress-induced depression in mice?, Exp Mol Pathol, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28823898. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(2) Araújo Silva V, et al. Ocimum basilicum: Antibacterial activity and association study with antibiotics against bacteria of clinical importance, Pharm Biol, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26455352. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(3) Rashidian A, Roohi P, Mehrzadi S, Ghannadi AR, Minaiyan M. Protective Effect of Ocimum basilicum Essential Oil Against Acetic Acid-Induced Colitis in Rats, J Evid Based Complementary Altern Med, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26620574. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(4) Rodrigues LB, et al. Anti-inflammatory and antiedematogenic activity of the Ocimum basilicum essential oil and its main compound estragole: In vivo mouse models, Chem Biol Interact, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27474066. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(5) Rodrigues LB, et al. Anti-inflammatory activity of the essential oil obtained from Ocimum basilicum complexed with β-cyclodextrin (β-CD) in mice, Food Chem Toxicol, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28235614. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(6) Malapermal V, Botha I, Krishna SBN, Mbatha JN. Enhancing antidiabetic and antimicrobial performance of Ocimum basilicum, and Ocimum sanctum (L.) using silver nanoparticles, Saudi J Biol Sci, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28855825. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(7) Ezeani C, Ezenyi I, Okoye T, Okoli C. Ocimum basilicum extract exhibits antidiabetic effects via inhibition of hepatic glucose mobilization and carbohydrate metabolizing enzymes, J Intercult Ethnopharmacol, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28163956. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(8) Askari VR, Baradaran Rahimi V, Ghorbani A, Rakhshandeh H. Hypnotic Effect of Ocimum basilicum on Pentobarbital-Induced Sleep in Mice, Iran Red Crescent Med J, 2016. Disponível em: ” target=”_blank” rel=”noopener nofollow noreferrer”>https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5486105/</a>. Acesso em: 27 de setembro de 2019.

(10) Sestili P, et al. The potential effects of Ocimum basilicum on health: a review of pharmacological and toxicological studies, Expert Opin Drug Metab Toxicol, 2018. Disponível em: ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
24 anos, é jornalista e produtor de conteúdo especializado. Atua com produção jornalística há 4 anos. Vencedor do prêmio de empreendedorismo digital “Academic Winner 2017”, promovido pela DeVry University na Califórnia, Estados Unidos. Tem no currículo trabalhos em emissoras de televisão, jornal impresso, revistas e internet. É pernambucano e tem como hobbies escrever, jogar videogames, cinema e estudos sociais.