Chá de sementes de melancia: benefícios e como fazer

Você sabia que é possível fazer chá de sementes de melancia? Entre os principais benefícios dessa infusão estão a capacidade de prevenir infecções, melhorar o funcionamento dos rins e proteger o fígado.

Além disso, essa infusão pode auxiliar na redução do colesterol e acelerar o metabolismo, aumentando a perda de peso.

Confira a seguir mais detalhes desses benefícios e aprenda como preparar e tomar da forma correta o chá dessas sementes.

Benefícios do chá de sementes de melancia

Estimula o funcionamento dos rins

O chá feito com as sementes de melancia ajuda a estimular o funcionamento dos rins devido ao seu efeito diurético. Isso significa que ele age aumentando a quantidade de urina que é produzida pelo corpo.

Imagem de rins

Por ser diurético, o chá de sementes de melancia impede a formação de pedras nos rins (Foto: depositphotos)

Além de estimular o funcionamento renal, o chá também auxilia na eliminação do sódio. Com isso, a infusão também promove um efeito hipotensivo, ou seja, de reduzir a pressão arterial.

Esse mesmo aumento na produção de urina também pode impedir a formação de pedras nos rins. (1)

Protege o trato gástrico

Fazendo coração na barriga

As paredes do estômago estarão protegidas com a atuação dessa bebida (Foto: depositphotos)

Outro benefício dessa infusão é o de proteger o estômago contra o surgimento das úlceras gástricas. Isso acontece graças ao efeito das sementes em aumentar a produção do muco que reveste e protege a parede do estômago.

Em um artigo preparado pelo Departamento de Farmacologia e Terapêuticas da Universidade de Delta State, na Nigéria, os pesquisadores verificaram que essa proteção promovida pelas sementes da fruta é semelhante à ação de medicamentos industrializados para úlceras.

Além disso, as sementes conseguiram diminuir a produção dos ácidos estomacais e proteger a região contra os danos causados pelos ácidos e ação de bactérias. (1)

Para completar a proteção do estômago, o chá previne o processo inflamatório das úlceras e alivia as dores causadas por elas.

Em primeiro lugar, é preciso saber que a inflamação é uma resposta natural do corpo à uma possível ameaça. Esse processo acontece porque o organismo libera histamina, substância vasodilatadora que aumenta o fluxo sanguíneo da região.

A intenção é trazer mais células defensoras para lutar contra o problema. No entanto, tudo isso causa vermelhidão e dores. Mas as sementes agem impedindo que isso aconteça. (2)

Por fim, as sementes ainda protegem o fígado contra os danos causados pelo abuso de álcool, consumo exagerado de gordura e de medicamentos.

Essa propriedade hepatoprotetora é derivada da presença de substâncias antioxidantes encontradas no óleo da semente, elas agem impedindo que esses e outros compostos causem danos às células hepáticas. (3)

Regula o funcionamento do intestino

Mulher segurando intestino

Constipação e diarreia podem ser evitados com essa infusão (Foto: depositphotos)

Pesquisadores do Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) descobriram que além dos benefícios já citados, as sementes de melancia também são ricas em fibras alimentares.

A cada 100 gramas de sementes in natura cerca de 15 gramas são compostas de fibras. O valor muda para quase 41% quando se utiliza a farinha das sementes. (4)

As fibras alimentares são essenciais para o bom funcionamento do intestino. Isso acontece porque elas formam uma espécie de gel no estômago, graças à capacidade de reter água. Esse gel é transportado para o intestino e lá estimula a proliferação de bactérias boas e evita o ressecamento das fezes.

Além disso, elas aumentam a produção de gases, que alargam a passagem intestinal. O resultado é que as fezes ficam com uma consistência ideal, aliviando problemas como constipação e diarreia. (5)

Reduz o colesterol

Sementes de melancia

Essas sementes são ricas em fibras, o que ajuda a eliminar o colesterol ruim (Foto: depositphotos)

Falando em fibras, é importante destacar que elas são uma das responsáveis por reduzir o nível de colesterol no sangue. Isso porque, elas diminuem a absorção desse tipo de gordura pelo organismo e, consequentemente, reduzem o impacto dessa substância no sangue.

Essa redução acontece pois o próprio colesterol ruim (LDL) fica “preso” no gel formado pelas fibras. Desse modo, é mais facilmente eliminado através das fezes. (6)

Além disso, a pesquisa da UFPR indicou que essa parte da melancia é bastante rica nos chamados ácidos graxos, em especial o ácido oleico ou ômega-9, representando quase 20% dos lipídeos da semente.

Esse ácido é um poderoso antioxidante, atuando diretamente na diminuição do LDL. Mas, também é importante na diminuição da glicose e na proteção do corpo contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. (4)

Auxilia na perda de peso

Mulher medindo cintura

Também devido às fibras, o corpo queima mais gordura (Foto: depositphotos)

Por fim, o chá também ajuda na perda de peso, principalmente graças às fibras alimentares. O que acontece é que essas enzimas se expandem no estômago e aumentam a sensação de saciedade.

Além disso, as fibras possuem pouca energia, fazendo com que o corpo passe a queimar mais gordura para conseguir se manter. (6)

Também vale destacar que as sementes possuem baixas quantidades de carboidratos e boas quantidades de proteínas. Isso faz com que ela não seja tão energética. No entanto, podem ajudar na formação de novas fibras musculares e no aumento da massa magra. (4)

Como fazer e consumir o chá?

Chá com sementes dentro

Essa infusão é feita com as sementes secas (Foto: depositphotos)

Ingredientes:

  • 500 ml de água filtrada
  • 2 colheres (de sopa) de sementes de melancia.

Modo de preparo:

Para fazer o chá é preciso utilizar as sementes secas, então deixe-as secar de um dia para o outro em um local arejado, para que evapore toda a água. Depois, triture-as.

Em seguida, leve a água para o fogo até que comece a borbulhar e acrescente as sementes, deixando cozinhar por 10 minutos. Passado esse tempo, desligue o fogo e deixe a infusão tampada até esfriar.

Esse chá é feito para ser consumido ao longo do dia em pequenas quantidades. Mas um aviso importante, não deixe guardado por mais de 24 horas para não perder as propriedades benéficas.

Existe alguma contraindicação?

O Remédio Caseiro não encontrou nenhuma contraindicação para o consumo do chá de sementes de melancia. O que significa que ele é seguro, porém não deve ser utilizado como tratamento exclusivo sem indicação médica.

A infusão deve ser utilizada como um auxiliar dos tratamentos tradicionais. Além disso, é preciso evitar os excessos e sempre consumir com moderação.

Referências

(1) ERHIRHIE, Eo; EKENE, Ne. “Medicinal Values on Citrullus lanatus (Watermelon): Pharmacological Review“. International Journal of Research in Pharmaceutical and Biomedical Sciences, v.4, n.4, p.1305-1312, 2013. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/287995545_Medicinal_Values_on_Citrullus_lanatus_Watermelon_Pharmacological_Review. Acesso em 28 de julho de 2019.

(2) RAHMAN, Habibur et al. “A review of ethnobotany, phytochemistry and pharmacology of citrullus lanatus L.” International Research Journal of Pharmaceutical and Applied Sciences, v.3, n.2, p.77-81, 2013. Disponível em: http://www.irjpas.com/File_Folder/IRJPAS%203(2)77-81.pdf. Acesso em 28 de julho de 2019.

(3) DESMUKH, Chinmay D.; JAIN, Anurekha; TAMBE, Mukul S. “Phytochemical and Pharmacological profile of Citrullus lanatus (THUNB)“. Biolife, v.3, n.2, p.483-488, 2015. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/bce3/dc8d9a8810fe19e13485e35dbc246f7e5bd3.pdf. Acesso em 28 de julho de 2019.

(4) SOUZA, Angelica Victoria de Campos et al. “Análises química e bromatológicas de sementes e de óleo fixo de melancia (citrullus lanatus, cucurbitaceae)“. Visão Acadêmica, v.20, n.1, p.18-28, 2019. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/academica/article/view/66842. Acesso em 28 de julho de 2019.

(5) BOSAEUS, Ingvar. “Fibre effects on intestinal functions (diarrhoea, constipation and irritable bowel syndrome)“. Clinical Nutrition Supplements, v.1, p.33-38, 2004. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.clnu.2004.09.006. Acesso em 28 de julho de 2019

(6) BUTTRISS, J. L.; STOKES, C. S. “Dietary fibre and health: an overview“. Nutrition Bulletin, v. 23, n. 3, p. 186-200, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1467-3010.2008.00705.x. Acesso em 28 de julho de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (Mtb-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio. Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.