Assa peixe: para que serve e chá das folhas

Com as folhas de assa peixe é possível preparar diversas receitas de cunho medicinal. Por exemplo, essa planta pode ser usada em forma de chá para o tratamento de problemas respiratórios, como gripe e bronquite.

Ramos e flores da planta assa peixe

O chá de assa peixe é utilizado para combater gripes e bronquites (Foto: depositphotos)

Na verdade, esse uso terapêutico saiu do senso comum e passou a ser reconhecido pelas unidades de saúde do Brasil. Atualmente, a Vernonia polyanthes Less, nome científico da erva, faz parte da Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao Sistema Único de Saúde (RENISUS). (1,2)

Também conhecida como assa peixe branco, estaca-sangue e tramanhém, essa planta serve para fazer um chá de uso oral e tópico. Isso porque, além da propriedade broncodilatadora, ela ainda é considerada anti-hipertensiva, diurética e anti-inflamatória.

Benefícios do assa peixe

Trata problemas respiratórios

Mulher com gripe assoando o nariz

A planta assa peixe contribui no combate à bronquites, gripes e resfriados (Foto: depositphotos)

Considerada uma erva daninha para muitos, assa peixe surpreende pelos benefícios que possui, entre eles o mais importante: o combate às doenças respiratórias.

Por ser broncodilatadora, ela consegue promover a dilatação dos brônquios, permitindo a passagem do ar de forma natural. Essa ação é de extrema importância em pacientes que sofrem de asma, por exemplo.

Quando um agente irritante entra nos brônquios de um asmático, o organismo tem uma reação “exagerada” para eliminar o invasor.

A própria ação de expelir o corpo estranho começa a prejudicar o próprio paciente, promovendo uma série de sintomas comuns na asma, como tosse, falta de ar, dificuldade em respirar etc. E é nesse momento que a erva entra em ação, atenuando essa resposta natural do corpo.

Mas, além de auxiliar no tratamento da asma, essa planta também contribui no combate a bronquites, gripes, resfriados e tosses persistentes. (1,2)

Ajuda a controlar a pressão arterial

Pessoa aferindo a pressão

O chá de assa peixe causa uma queda significativa da pressão arterial (Foto: depositphotos)

O controle da pressão arterial promovido pela Vernonia polyanthes L. está diretamente relacionado ao efeito diurético que a planta possui.

De acordo com um estudo feito em São Paulo, pela Unicamp e Unesp, o assa peixe possui atividade hipotensora e natridiuétrica. Isso porque, o infuso das folhas dessa erva resultou em um aumento do fluxo urinário e da carga de sódio excretada. Consequentemente, a bebida causa uma queda significativa da pressão arterial.

O estudo paulista usou ratos anestesiados para os testes. Nos ensaios, os animais eram submetidos à administração oral de 1 ml do infuso, resultando em um aumento de até 160% do fluxo urinário e 120% da excreção renal de sódio. (3)

No entanto, antes de iniciar esse tipo de tratamento, é importante conversar com o médico. Como os pacientes hipertensos já fazem uso de remédios controlados, é necessário saber junto ao profissional de saúde se é possível usar a planta como um adicional do tratamento.

Combate inflamações

Mulher massageando panturrilha

O uso tópico da planta é indicado para eliminar dores musculares e nas pernas (Foto: depositphotos)

Essa erva também pode ser utilizada para combater inflamações externas e internas. Por exemplo, um outro estudo brasileiro, desta vez elaborado em Juiz de Fora, mostra que a espécie pode ser aplicada no tratamento de ferimentos cutâneos, promovendo a cicatrização. (4)

Além disso, o próprio Ministério da Saúde e a RENISUS indicam a planta de uso tópico para eliminar dores musculares e nas pernas, entre elas as que são causadas pelo reumatismo. (1,2)

Assim como no caso da asma, assa peixe também age impedindo as inflamações causadas pelo organismo que são tentativas de combater as doenças reumáticas. Dessa forma, a erva daninha diminui o sentimento de dor comum nesses problemas.

Como fazer e usar o chá?

Há apenas uma maneira de fazer o chá de assa peixe, mas são duas formas diferentes de usá-lo. A maneira como ele vai se utilizado depende do tipo de problema que deseja ser combatido.

Ingredientes

  • 1 colher (de sopa) das folhas de assa peixe (ou 3 gramas)
  • 150 ml de água (ou uma xícara de chá).

Modo de preparo

Primeiramente, coloque a água para ferver. Assim que ela estiver em estado de ebulição, desligue o fogo e acrescente a planta. Deixe o recipiente tampado por 10 minutos.

Após esse tempo, coe a infusão e utilize de acordo com a sua necessidade. Por exemplo, se você quer tratar os problemas respiratórios, pode usar o chá de forma oral, fazendo gargarejos e, em seguida, ingerindo 1 xícara três vezes por dia.

Agora, se o tratamento a ser seguido envolve dores musculares, então o recomendado é usar a infusão de forma tópica. Para isso, aplique um pano embebido de chá na área afetada duas vezes por dia, durante 2 horas cada aplicação. (2)

Já se você deseja utilizá-la como cicatrizante, o trabalho produzido em Juiz de Fora confirma o uso popular. (4) Para isso, use o emplasto ou o sumo dessa infusão em cima dos ferimentos.

Chá de assa peixe emagrece?

Como essa infusão possui ação diurética, e, por isso, diminui a retenção de líquidos, é comum que as pessoas a associem com um emagrecedor natural. No entanto, ainda não há estudos que consigam comprovar o chá dessa espécie contribui com a perda de peso.

Contraindicações

De acordo com a Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao Sistema Único de Saúde, a planta não deve ser utilizada durante a gravidez e lactação. (2) Também não é recomendado usar assa peixe e seu chá em crianças pequenas.

Além disso, vale destacar que esse remédio natural não pode substituir os medicamentos receitados pelos médicos, principalmente em casos de hipertensão. Como já foi mencionado, nessa situação é recomendado buscar a opinião de um profissional.

Referências

(1) GOMES, Jordany Aparecida de Oliveira. “Estudos complementares ao manejo do assa-peixe (Vernonia polyanthes Less.): Fenologia, fitoquímica, histoquímica, anatomia e variação sazonal em população nativa”. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Botucatu, 2017. Acesso em 29 de julho de 2019.

(2) ANVISA. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 10, de 9 de março de 2010. “Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências”. Diário Oficial da União, Nº 46, 10 de março de 2010. Anexo I. Acesso em 29 de julho de 2019.

(3) SILVEIRA, Renta R.; RÚBIO, Carlos R.; ALVES, Maria José Q. F. “Modificações da diurese e da pressão arterial em ratos wistar anestesiados, após a administração oral de infuso de assa-peixe (Vernonia polyanthes Less.)”. Departamento de Clínica Médica da UNICAMP e Departamento de Fisiologia da UNESP, Botucatu, São Paulo. Acesso em 29 de julho de 2019.

(4) RODRIGUES, Kamilla CM. et al. “Evidência de compostos bioativos de folhas de Vernonia polyanthes com potencial antiinflamatório tópico”. Departamento de Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5187762/. Acesso em 29 de julho de 2019.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.