Alimentos indicados para quem tem pedra na vesícula

Você tem pedra na vesícula e não sabe o que comer? Aqui você vai conhecer os melhores e piores alimentos para quem sofre com esse problema. Conheça as indicações e recomendações médicas mais famosas, e aprenda a evitar os vilões que podem prejudicar a sua saúde.

A vesícula biliar é uma espécie de bolsa que fica localizada próxima ao fígado. Sua principal função é armazenar um líquido chamado bile. Algumas pessoas costumam gerar pedras nesse órgão, o que pode ser um problema sem sintomas aparentes (assintomático) ou gerar forte desconforto na região do abdômen.

As pedras ou cálculos na vesícula surgem quando há um desequilíbrio entre a quantidade de água e as substâncias que ficam presentes na bile. O problema pode aparecer quando a água retirada da vesícula biliar excede o normal ou quando os pigmentos e colesterol presentes no mesmo estiverem saturadas.

Agora que você já sabe o que é a vesícula biliar, a bile e como surgem as pedras nesse órgão, vou te mostrar quais alimentos você deve escolher e quais são os que você deve ter bastante cuidado.

Alimentos indicados para quem tem pedra na vesícula

A alimentação das pessoas que possuem problemas na vesícula precisa ser regrada e saudável. Caso o paciente não siga algumas recomendações na dieta, o problema pode acabar se agravando, assim como os sintomas.

Vesícula

Beber água é essencial para a saúde desse órgão (Foto: depositphotos)

Esta dieta deve ser composta por alimentos com pouca gordura e muita água. Deve-se diminuir o consumo de embutidos, frituras e massas mais pesadas. Por outro lado, como já falei, a ingestão de água deve ser aumentada e melhorada. Veja quais são os melhores alimentos para quem tem pedra na vesícula:

  • Legumes em geral (principalmente cozidos).
  • Carnes magras cozidas ou grelhadas (por exemplo peito de frango, peixes e peru).
  • Frutas como maçã e abóbora (Evite abacate, banana, açaí e coco).
  • Leite e derivados desnatados.
  • Grãos integrais (arroz, macarrão, pão integral, por exemplo).
  • Sucos de frutas naturais.

A alimentação é um ponto muito importante no tratamento da pedra de vesícula. É um fator crucial para acabar com os sintomas deste problema. Quem tem pedra da vesícula sabe que uma crise pode causar dores e desconforto terrível. Uma boa alimentação pode evitar esta situação.

Contudo, lembre-se de que a alimentação não é a única solução e, em nenhum, momento deve substituir a consulta médico e o tratamento clínico adequado. Por isso, em caso de pedra na vesícula (ou dores na região do abdômen), procure um especialista de confiança.

Veja também: Remédios para pedra na vesícula

Pedra na vesícula: Quais alimentos evitar?

Como já disse, alguns alimentos são vilões para quem tem cálculos na vesícula ou tem medo de apresentar esse problema no futuro. Por isso, evite comer os seguintes alimentos caso você tenha pedra na vesícula ou esteja em uma crise deste problema:

  • Carnes gordurosas (costelas, linguiça, carne de pato, toscana, mocotó, etc.).
  • Frituras e embutidos.
  • Queijos amarelos (cheddar, parmesão, minas e catupiry).
  • Leite integral e derivados do leite (comum ou integral, como requeijão e iogurte).
  • Manteiga, margarina e gordura animal.
  • Miúdos de animais, como fígado, moela e rins, por exemplo.
  • Peixes gordos (atum, salmão e sardinha).
  • Oleaginosas (nozes, amêndoas, amendoim, castanhas, etc.).
  • Bebida alcoólicas.
  • Chocolate, sorvete e biscoitos.
  • Maionese, ketchup, mostarda e outros molhos condimentados.
  • Caldo de carne e temperos salgados.
  • Massas em geral.

Todos os alimentos listados contribuem, de alguma forma, para a maior produção de bile. Isto pode aumentar o tamanho do problema e potencializar os sintomas existentes.

Outros cuidados importantes

Além da alimentação, existem alguns cuidados e hábitos capazes de reverter os maus sintomas das pedras na vesícula. Abaixo você vai encontrar todas as orientações e informações necessárias para reconquistar a sua saúde.

Beba muita água

Uma boa ingestão diária de água é fundamental para o tratamento e prevenção dos cálculos na vesícula e outros problemas neste órgão. Sendo assim, beba bastante água, cerca de 2 litros por dia. Isso ajudará no processo de expectoração.

A água também pode é consumida em frutas, por isso, opte por frutas com alta quantidade de água. Além do sabor, você estará consumindo nutrientes, água e saúde.

Cuidado com a obesidade

Um estudo realizado no Uruguai afirmou que estar acima do peso aumento o risco de desenvolver pedras na vesículas ou aumentar a proporção deste problema.

Uma vez que elas surgem quando o fígado eliminar uma alta quantidade de bile e esta fica armazenada na vesícula biliar, esse fenômeno se relaciona com a gordura corporal. Como a bile tem a função de auxiliar na dissolução de gordura, o grande consumo de gordura aumenta a produção de bile e as chances de ter pedra na vesícula.

Álcool é proibido

O consumo de álcool faz com que o trabalho do estômago fique mais difícil para o corpo, forçando a maior produção de bile e aumentando o problema de pedras na vesícula.

Quando chega ao estômago, a bebida alcoólica estimula a vesícula biliar a produzir mais bile para digerir o álcool. Além disso, todo mundo sabe que o fígado e rins são forçados em caso de ingestão de álcool.

Por isso, se você tem este problema, o ideal é que não beba nenhuma bebida alcoólica antes de solucionar o problema.

Evite bebidas ácidas e café

Assim como a bebida alcoólica, líquidos com alto teor ácido e o famoso café são responsáveis por aumentar a secreção digestiva no estômago. Isso também é péssimo para quem sofre com pedra na vesícula.

O estômago utiliza de muitos processos para digerir alguns alimentos e bebidas. No caso de bebidas ácidas (como suco de laranja e limão, por exemplo) e café, a produção de bile aumenta. Isso pode fazer crescer os cálculos e trazer sintomas incômodos.

Mulheres são mais afetadas do que homens

O mesmo estudo uruguaio citado anteriormente concluiu sobre os resultados da pesquisa um detalhe curioso: Mulheres são mais propensas a terem pedra na vesícula do que homens.

Outro estudo, realizado no Brasil, apontou que a incidência dos cálculos na vesícula é bastante superior na população. Uma avaliação em 300 pacientes com este problema apontou 201 mulheres e apenas 99 homens.

Infelizmente esse detalhe é real, por isso as mulheres devem estar mais atentas a possibilidade deste problema de saúde. Em especial, mulheres acima do peso e acima dos 40 anos.

Pesquise no seu histórico familiar

Algumas pesquisas confirmam o aumento de chances de apresentar esse problema quando se tem histórico familiar. Não trata-se de um problema hereditário, mas a alta produção de bile através da vesícula biliar pode ser um fator comum em famílias, o que aumenta a possibilidade de surgimento de pedras e cálculos.

Em especial, isso pode ficar mais evidente na ligação avós-pais-filhos. Por isso, se os seus pais ou avós sofrem com esse problema, é recomendado que você fique atento(a) com a possibilidade de obter este problema também.

Mas não veja isso como algo terrível. Sabendo disto, você pode optar por menos exageros na alimentação e cuidados que podem evitar o problema. Desta forma, ele pode nunca surgir e você ter uma vida saudável longe das pedras na vesícula.

Como retirar pedras na vesícula?

As pedras na vesícula podem ser retiradas de forma expectorante, no caso dos pacientes que não apresentam sintomas. Mas algumas pessoas chegam a precisar de uma cirurgia para conseguir a retiradas de todas as pedras presentes na vesícula.

Infelizmente, em grande parte dos casos não é possível eliminar as pedras através da alimentação. Por isso, é necessária a intervenção médica, seja por medicamentos ou por cirurgia.

Contudo, vale lembrar que trata-se de uma cirurgia simples e comum. Por isso, se for o caso, não precisa ficar com medo. A medicina considera este um procedimento fácil e de recuperação rápida.

Quais são os tipos de pedras e cálculos na vesícula?

Os estudos que definem os tipos, tamanhos e características dos cálculos na vesícula ainda são poucos no mundo, mas encontramos um artigo científico produzido em território nacional que indicam alguns tipos comuns no Brasil. Confira:

Cálculos de colesterol

Os cálculos de colesterol (também chamados de “cálculo misto”) é o tipo mais comum no Brasil. Eles apresentam cor, forma e número bastante variados. Sua característica de destaque é nunca são totalmente negros, seja por dentro ou por fora. Sua consistência é bem dura (cristaloide).

São os mais comuns em mulheres, que tem quase o dobro da incidência no número de pacientes pesquisados quando comparado aos homens. Dos 300 pacientes avaliados, foram 177 mulheres com este tipo de cálculo. Nos homens, o número foi de apenas 85. Outros pacientes apresentaram os outros tipos listados abaixo.

Cálculo pigmentar negro

No caso dos cálculos pigmentares negros, como o nome já diz, possuem a cor totalmente preta. Estão no segundo lugar no número de incidência, perdendo para o cálculo de colesterol e mais comuns que os cálculos pigmentares marrom.

Sua superfície é bem irregular e quase sempre são múltiplos. Quando cortados, possuem aspecto cristaloide também.

Cálculo pigmentar marrom

Por fim, temos o cálculo pigmentar marrom, que é o menos incidente dos 3 citados. Ele é o único que não possui aspecto cristaloide. São moles, e sua aparência parece barro ou mesmo lama. Possuem a cor marrom escura e número variável.

Referências

» ZANONI, Deni Rouse¹, et al. “alimentação saudável E O CUIDADO COM A SAÚDE.”

» COELHO, Júlio Cezar Uili et al . Type, number and size of stones of the gallbladder: prospective study of 300 cases of cholelithiasis. Rev. Col. Bras. Cir.,  Rio de Janeiro , v. 26, n. 5, p. 265-268, Oct. 1999 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-69911999000500002&lng=en&nrm=iso> access on  11 Dec. 2018.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69911999000500002.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.

Sobre o autor

Avatar
24 anos, é jornalista e produtor de conteúdo especializado. Atua com produção jornalística há 4 anos. Vencedor do prêmio de empreendedorismo digital “Academic Winner 2017”, promovido pela DeVry University na Califórnia, Estados Unidos. Tem no currículo trabalhos em emissoras de televisão, jornal impresso, revistas e internet. É pernambucano e tem como hobbies escrever, jogar videogames, cinema e estudos sociais.