Você sabia que a ética pode ter relação com o sono?

Quando estamos descansados, relaxados e com as energias renovadas, temos controle maior sob a tentação de mentir ou de enganar


O sono pode interferir na qualidade de vida das pessoas. Essa é uma verdade que ganha ainda mais embasamento depois do resultado de uma pesquisa realizada por psicólogos das universidades de Johns Hopkins, Washington, Georgetown e Harvard nos Estados Unidos.

Eles descobriram que o sono pode ter influência direta na capacidade das pessoas serem mais éticas na tomada de decisões.

O grupo de trabalho examinou a relação entre a tomada de decisão ética e o cronótipo de 200 pessoas que participaram da pesquisa como voluntárias. Segundo o estudo, indivíduos com hábitos de sono diferentes, como dormir e acordar mais cedo ou ir para cama e levantar mais tarde teriam horários do dia específicos no qual a predisposição a ser honesto é maior.

O sono e o dia a dia das pessoas

Você sabia que a ética pode ter relação com o sono?

Foto: depositphotos

De acordo com o psicoterapeuta do Núcleo do Renascimento, Maura de Albanesi, a ética individual está sujeita às pressões do dia a dia. “Quando estamos descansados, relaxados e com as energias renovadas, temos controle maior, por exemplo, sob a tentação de mentir ou de enganar outras pessoas e em cada pessoa isso ocorre em períodos diferentes do dia, de acordo com o sono”.


Aquelas pessoas que por hábito dormem e acordam cedo, tem no período da manhã, a fase de maior atenção, autocontrole e discernimento. Diferente dos indivíduos que preferem dormir e acordar mais tarde, onde ocorre uma inversão. Entretanto, mesmo levando em consideração quando os indivíduos são mais propensos a querer dormir ou então quando têm mais energia, a possibilidade de ser antiético ou não está sujeita, principalmente, à qualidade do sono.

“Dormir e acordar mais cedo ou tarde não é necessariamente uma garantia de que se dorme bem. O mau sono compromete nossa capacidade de tomar atitudes corretas, de fazer escolhas, coloca em risco nosso autocontrole, deixando-nos mais irritados, sem paciência. Ou seja, é a qualidade do sono que favorece esse lado antiético”, explica a psicoterapeuta.

Durma bem

Segundo avaliação de especialistas, problemas relacionados ao sono são decorrentes de ansiedade, quadro depressivo e até problemas neurológicos. Em muitos casos, eles podem ser solucionados de maneira simples. “Se a ausência do sono for algo recorrente, é importante procurar ajuda de um especialista”., alerta a psicoterapeuta, Maura de Albanesi.

Além disso, tentar evitar certos costumes que favoreçam a insônia como uso em excesso de computadores, tablets e celulares, alimentação desequilibrada e fugir de situações de tensão que prejudicam o sono. Na prática, isso trará uma melhoria considerável na forma com que as pessoas encaram as decisões profissionais e pessoais.


Reportar erro