Trate a angina com um remédio caseiro incrível

A obstrução das artérias leva o paciente a apresentar dores no peito, falta de ar, aturdimentos, arritmia cardíaca e ansiedade, caracterizando a angina


As veias e as artérias são encarregadas de levar o sangue junto ao oxigênio para todas as partes e órgãos do corpo. Entre eles, pode-se citar o coração, que para trabalha bombeando essas substâncias. Quando há uma deficiência sanguínea para esse órgão vital, todo o resto sofre consequências. Essa dificuldade pode ser causada pela obstrução das artérias, levando o paciente a apresentar dores no peito, falta de ar, aturdimentos, arritmia cardíaca e ansiedade, caracterizando a angina.

Limitando a irrigação sanguínea, consequentemente, diminui os nutrientes e oxigênio no coração. A dor se torna um aviso em alto e bom som de que esse órgão está recebendo menos sangue do que ele realmente precisa. Entenda melhor do que se trata a angina e qual o tratamento natural que pode ser feito para tratar essa doença.

Sintomas da angina

  • Um desconforto forte e intenso no peito;
  • A dor se espalha pelo braço e pode atingir até o queixo. É mais comum atacar o lado esquerdo do corpo;
  • Falta de ar;
  • Tontura e perturbação dos sentidos;
  • Batimentos cardíacos mais acelerados que o normal;
  • Mal-estar físico.

Fatores de agravamento: estômago cheio, exposição a temperaturas muito baixas ou extremamente altas, e estresse emocional.

Trate a angina com um remédio caseiro incrível

Foto: Reprodução/ internet

Ações imediatas e tratamentos

A angina pode atacar o corpo tanto em momentos de atividade física ou até mesmo em repouso, sendo esta última a mais perigosa. Se você estiver em pelo exercício e sentir o desconforto no peito, o ideal é sentar-se e descansar por alguns minutos. Caso o problema apareça enquanto você estiver ansioso ou excitado, busque se acalmar. Tanto a tensão física quanto a emocional podem aumentar a demanda de oxigênio no coração.

Também é possível sentir a dor no peito, mesmo estando em repouso. Quando a sensação de incômodo surgir, mude a posição do corpo sentando-se ou ficando de pé. Essa alteração de estado físico controla a pressão feita no nervo do coração, reduzindo assim a dor. Quando o paciente apresenta esse quadro, é um sinal de que ele está mais propenso a desenvolver um infarto miocárdio.


Em todas as situações, principalmente nessa última, um médico deverá ser consultado de forma imediata. Apesar de ser diferente do infarto, uma vez que a angina não obstrui completamente a passagem do sangue para o coração, esse é um problema sério e serve como alerta para ocorrências fatais. O médico irá receitar medicamentos especiais para esse caso, mas você também pode intensificar o tratamento com um elemento natural.

Pilriteiro: tratamento natural contra a angina

O pilriteiro ou como também é conhecido, espinheiro alvar, tem como nome científico crataegus oxyacanta. Essa é uma erva utilizada há mais de 100 anos para tratar problemas ligados ao coração, uma vez que ela é capaz de aumentar o fluxo do sangue e consequentemente do oxigênio. É eficiente na dilatação dos vasos sanguíneos e aumenta a força das contrações cardíacas.

O tratamento é feito com 500 mg diárias desse fitoterápico. Mas lembre-se, ele não substitui os medicamentos indicados pelo profissional da saúde. Apenas, intensifica suas ações.

A importância da prevenção

Não importa qual seja a doença, a prevenção é o caminho mais seguro. Para conseguir isso, no caso da angina, alguns procedimentos são necessários. Por exemplo:

  • Elimine os vícios. Álcool e cigarro devem ser retirados da sua vida cotidiana. No caso do café, tente consumir o mínimo que conseguir;
  • Após as refeições, não pratique nenhuma atividade que consuma energia em excesso. Opte por momentos de descanso que dure de 30 minutos a 40;
  • Em épocas muito frias, mantenha-se dentro de casa. E se sair, que seja bem agasalhado;
  • Evite esforços físicos bruscos;
  • Coloque para fora os sentimentos reprimidos. A técnica de reprimir as emoções pode prejudicar o seu coração.

Reportar erro