Pesquisa evidencia a relação do brasileiro com a diabetes

Para 92%, atividades físicas e boa alimentação são essenciais para controlar a diabetes, 64% não praticam


Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a diabetes é uma doença epidêmica, tendo em vista que ela atinge 422 milhões de pessoas no mundo. Só no Brasil são 9,4% da população com este problema de saúde, o que equivale a 14,3 milhões de brasileiros nesta condição.

Levando em consideração estes dados, a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) em parceria com o IBOPE e a Merck, empresa alemã especializada em ciência e tecnologia, produziram uma pesquisa a fim de entender a relação de entendimento e preocupação que as pessoas têm com esta doença, questionando pacientes, quem convive com eles e indivíduos não diabéticos.

De acordo com os envolvidos na pesquisa, os dados obtidos são preocupantes. “Os resultados de todas as pesquisas comportamentais já realizadas mostram que o Diabetes ainda é um assunto que precisa de atenção. E os desafios para combater essa doença atingem toda a sociedade, pacientes e profissionais da área”, avaliou o endocrinologista e colunista da Sociedade Brasileira de Diabetes, Marcio Krakauer.

Pesquisa evidencia a relação do brasileiro com a diabetes

Foto: depositphotos

Os resultados da pesquisa pelos olhos dos pacientes e cuidadores

Os especialistas sempre alertam para o tratamento adequado da diabetes, que não envolve apenas idas ao médico e o uso dos medicamentos receitados pelo profissional. É preciso ainda colocar em prática exercícios físicos de forma diária e optar por uma dieta balanceada. Porém, a pesquisa mostra que os pacientes, apesar de acharem todos estes pontos importantes, não os colocam em prática.

De acordo com o levantamento, 66% dos pacientes usam como tratamento as visitas ao médico, enquanto apenas 39% acredita na eficácia de uma boa alimentação. Para 92% dos entrevistados, atividades físicas associadas a uma boa alimentação são práticas essenciais para controlar a diabetes, porém 64% não praticam exercícios, o mesmo que dizer que dois a cada três diabéticos não exercita o corpo como forma de combate a doença.


Diante dos dados, a pesquisa revelou que mais da metade dos diabéticos está com o índice glicêmico alto, 24% dos entrevistados interromperam o tratamento pelo menos uma vez e manter a alimentação equilibrada é o maior desafio para os que possuem esta condição.

Outras preocupações

Além dos dados assustadores com relação aos pacientes com este problema de saúde, a pesquisa também destacou a opinião dos não diabéticos. Perguntados sobre como são informados com relação a doença, em uma escala de 1 a 5, apenas 39% respondeu 4 ou acima deste número. Desta forma, é perceptível a falta de informação sobre diabetes.

Outro motivo para preocupação é com relação a falta de cuidados com a saúde, segundo a pesquisa um a cada três brasileiros nunca mediu a glicemia, 28% desconhecem os sintomas da doença e 32% são pouco ou nada informados sobre esta condição crônica.

“Um dos aspectos que mais chama atenção é que uma parcela significativa da população não associa o consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo ao surgimento de diabetes”, alerta Dr. Marcio Krakauer.

A única maneira de combater a doença é buscando informações sobre ela. É necessário saber as causas, sintomas, tratamentos e as consequências que podem surgir em meio às taxas de glicemia altas. Nos casos de maior negligência, podem haver mortes e isso é o fato que mais preocupa, tendo em vista que ainda é recorrente, pois a cada seis segundos, uma pessoa morre de diabetes no mundo.


Reportar erro