Os benefícios do vinho para o coração

Recentemente estudos mostraram que o consumo diário de vinho pode reduzir o risco de doenças…


Recentemente estudos mostraram que o consumo diário de vinho pode reduzir o risco de doenças cardíacas. Algumas substâncias encontradas na casca e sementes da uva ajudam a melhorar a circulação do sangue e traz benefícios ao funcionamento desse nosso órgão vital, o coração. Além disso, a uva é rica em certos tipos de flavonoides que atuam como antioxidantes e otimizam a função vascular, já que as artérias conseguem se dilatar e o acumulo da placa de gordura é reduzido. Agora é possível tomar aquela taça de vinho diária sem culpa, basta moderar na quantidade de taças e o risco do alcoolismo passará longe.

Benefícios nutritivos da uva e do vinho para o coração

Benefícios do vinho

Imagem: Reprodução

As uvas são riquíssimas em ferro, potássio e vitaminas C e do complexo B. Há nelas um alto teor de pectina e bioflavonoides, ambas as substâncias que atuam beneficiando nosso organismo. O vinho, por outro lado, tem um efeito cardioprotetor dado, principalmente, pelo resveratrol, que promove uma elevação nas taxas do bom colesterol (HDL). Isso se dá por meio do aumento das subfrações HDL2, HDL3 e das apolipoproteínas A-1 e A-2, além da ação oxidante que levaria à diminuição do LDL (mau colesterol). Ainda foi descoberto que os polifenóis existentes no vinho inibem a produção da endotelina, peptídeo responsável pela contração dos vasos sanguíneos coronarianos, então conseguintemente diminuindo as chances de ter um infarto miocárdio. Ou seja, consumir uma ou duas doses (250 ml) diárias de vinho promove a elevação dos níveis de HLD, semelhante ao aumento obtido com a prática de exercícios. Contudo, vale lembrar que não se deve parar de praticar exercícios físicos e tomar vinho em seu lugar.


Se não consumir bebidas alcoólicas poderá ingerir o suco de uva que também é muito bom para o nosso coração.

Classificação do vinho

Quanto à classe

  • Finos ou nobres: produzidos somente em uvas viníferas;
  • Especiais: vinhos mistos produzidos de variedades de uvas híbridas ou americanas e viníferas;
  • Comuns: vinhos que são produzidos com variedades híbridas e americanas;
  • Gaseificados ou frisantes: contêm gaseificação em sua composição;
  • Leve: graduação de álcool baixa, feito com uvas viníferas;
  • Espumante: resulta de uma segunda fermentação alcoólica e possui alto nível de dióxido de carbono. Pode ser chamado de champanhe, mas as uvas dessa bebida são exclusivamente as Chardonnay e Pinot Noir produzidas na França;
  • Licoroso: é adicionado, ou não, de álcool potável, caramelo, concentrado de mosto e sacarose;
  • Fortificado ou composto: é adicionado ao vinho plantas amargas ou aromáticas, substâncias de origem animal ou mineral.

Quanto à cor

  • Tinto: é produzido com uma variedade de uvas tintas, roxas. A diferença de tonalidade vai depender do tipo do fruto, do tempo e do método de envelhecimento usado.
  • Branco: é produzido a partir de uvas brancas, verdes. Quando é feito com uvas tintas a fermentação é feita sem as cascas;
  • Rosado, rose ou clarete: tem aparência intermediária e pode ser produzido de duas formas: com uvas tintas, usando um pouco das cascas, ou misturando o vinho tinto com o branco.

Reportar erro