Conheça alguns mitos e verdades sobre a cárie

A cárie é uma lesão do esmalte que reveste o dente e protege sua polpa e dentina. Sua incidência pode causar desconfortos


Desde os primeiros anos e idade, os pais já ensinam a importância que se deve dar ao cuidado com os dentes. A principal justificativa vem da possibilidade de desenvolver cáries, o que pode acarretar em uma série de problemas relacionados a higiene e autoestima das pessoas.

Sendo assim, um check up regular no dentista é mais que indicado. Através dele é possível identificar pontos que ainda vão se transformar em cárie ou até mesmo quadros mais severos em que é necessário o tratamento de canal para eliminar a dor. Somado a tudo isso, a escovação regular, assim como o uso do fio-dental são imprescindíveis.

Sobre a cárie

A cárie dentária é uma lesão do esmalte que reveste o dente e protege sua polpa e dentina. Quando a acidez corrói parte do esmalte, uma cavidade se forma, provocando dor e mau hálito, para dizer o mínimo.

Conheça alguns mitos e verdades sobre a cárie

Foto: depositphotos

Quando não tratada, a cárie pode se aprofundar e levar à perda do dente. Por isso é tão importante que, independentemente da idade do paciente, toda cárie seja tratada.

Mitos e verdades

Depois de conhecer os cuidados que se deve ter para evitar a cárie, chegou a hora de tirar algumas dúvidas em relação ao assunto. Para isso, a cirurgiã-dentista, Katia Izola, fez uma lista, enumerando mitos e verdades sobre o assunto:

  1. O açúcar é o grande vilão dos dentes.

O que causa cárie é o ácido produzido pelas bactérias da boca. Ao ingerir qualquer tipo de carboidrato, seja um doce ou macarrão, pães ou frutas, esse processo tem início. “Todos temos milhares de bactérias na boca, mas, quando a higienização é falha, há um acúmulo de bactérias atuando no enfraquecimento do esmalte dos dentes e, consequentemente, no aparecimento da cárie”, explica Katia.

  1. Crianças têm mais cárie do que adultos.

Na última década, entretanto, com a adição de flúor na água tratada de quase todos os lares brasileiros e o uso de selantes, a incidência de cárie foi drasticamente reduzida em crianças em idade escolar. Quanto aos adultos, a cirurgiã-dentista diz que, “temos constatado um aumento na incidência de cárie entre idosos, muito provavelmente porque alguns dos medicamentos de uso contínuo produzem o efeito de ‘boca seca’ que, por sua vez, aumenta a população de bactérias na boca”.

  1. Refrigerante estraga os dentes.

O estragar dos dentes está relacionado a ingestão de bebidas e alimentos ácidos, o que inclui sucos de frutas cítricas, refrigerantes e bebidas esportivas. “É fundamental ter uma dieta equilibrada e adotar o hábito de fazer vários bochechos com água corrente durante o dia para evitar que a acidez da cavidade bucal não resulte no enfraquecimento dos dentes”, aconselha Katia.


  1. Toda cárie provoca dor.

Nem toda, como explica a cirurgiã-dentista. “Em muitos casos, pontos pretos que vão se transformar em cárie ou ainda pequenas lesões são identificadas durante o check up odontológico sem que a pessoa tenha se queixado de dor. Já quando não tratada por um bom tempo, a cárie vai se intensificando até atingir o nervo do dente e provocar uma dor bastante incômoda. Nesse caso, só o tratamento de canal resolverá o problema”.

  1. Quem usa aparelho tem mais cárie.

“Quando uma pessoa está em tratamento ortodôntico tem de redobrar os cuidados com a higiene bucal”, como recomenda a profissional. Isso porque é muito comum que os alimentos se prendam ao aparelho. “Como a falta de escovação adequada está diretamente ligada ao surgimento de cárie, é claro que essa pessoa estará mais sujeita a esse e outros tipos de doença”.

  1. Uma vez tratada, a cárie não surge mais.

“Quando tratamos uma cárie, restauramos a cavidade do dente com uma resina que tem determinada expectativa de vida útil e precisa ser trocada depois de alguns anos. Nesse exato ponto não vai mais surgir outra cárie. Porém, se o paciente continuar a cuidar mal da higienização bucal, poderá surgir uma nova cárie ao lado ou em torno da antiga. Sendo assim, não é indicado descuidar da escovação dos dentes”, determina Katia.

  1. Preencher a cavidade com aspirina ajuda a reduzir a dor de um dente cariado.

“Isso é totalmente desaconselhado”, dispara a cirurgiã-dentista. Para surtir efeito contra a dor é preciso ingerir a aspirina. Além do mais, esse medicamento é ácido e pode contribuir para a formação de cárie. Nesse caso, inclusive, a acidez do medicamento pode até queimar a gengiva e formar uma ferida ainda mais dolorosa.

  1. Bolachas e salgadinhos provocam cárie.

“Temos aqui dois problemas. Um em relação aos carboidratos que se transformam em açúcar e aumentam a acidez da boca – favorecendo o surgimento de cárie. Outro problema são esses alimentos que, uma vez mastigados, penetram todo tipo de espaço entre os dentes – dificultando a correta higienização. Além de eliminar esse hábito por questões de saúde em geral, o ideal é que a pessoa escove bem os dentes depois de ingerir esse tipo de alimento, fazendo uso também do fio dental”, orienta Kátia.

  1. Dentes sensíveis geralmente têm cárie.

“Isso não é verdade. A sensibilidade nos dentes pode ser provocada pelo desgaste do esmalte – que, inclusive, piora se a pessoa emprega muita força na escovação. Como vimos, também a acidez de alimentos e bebidas resulta em erosão dentária. Outra causa é a ingestão de determinados medicamentos, bem como a existência de doenças como bulimia e refluxo gastresofágico. Por fim, até mesmo a retração da gengiva pode expor a raiz do dente e torná-lo mais sensível sem que haja cárie”, detalha a profissional.

  1. Escovar bem os dentes é a melhor forma de evitar cárie.

Prevenção é palavra de ordem e a forma mais fácil, mais rápida e menos dispendiosa de evitar cárie. É através da correta escovação dos dentes e do uso de fio dental que as cáries são evitadas.

Em geral, são necessárias duas ou três escovações por dia – lembrando-se de não empregar muita força, mas permanecer tempo suficiente para a completa higienização de cada um dos dentes e dos espaços entre eles.

“Vale lembrar que a remoção da placa bacteriana é mecânica, através de escova de dente macia com cerdas arredondadas e de creme dental com flúor. Quando a pessoa está longe de casa e sem acesso ao kit de higiene bucal, é importante fazer vários bochechos com água corrente depois de ingerir qualquer tipo de alimento ou bebida. O ato de ‘lavar’ a boca ajuda bastante até que se possa fazer a limpeza ideal”, finaliza Katia.


Reportar erro