Cipó de São João para vitiligo e outros tratamentos

Por João Silva

Cipó de São João

Imagem: Reprodução

O cipó de São João é uma planta trepadeira muito usada na ornamentação junina, geralmente encontrada em todo o Brasil, produz muitas inflorescências, cheias de pequenas flores alongadas e alaranjadas. É uma planta interessante, pois se adapta a crescer em qualquer ambiente, sendo presente em muros e outras construções.

Seu cultivo da-se em solo fértil regular, sempre a sol pleno e multiplica-se por sementes e por estaquia. Originária da América do Sul, a planta tem maior abundância nos estados do Ceará e do Rio Grande do Sul, o que aponta certa contrariedade de climas, mas mostra que a planta é realmente adaptável e se produz em qualquer clima. De aspecto lenhosa, a planta pode ser facilmente encontrada em estradas, barrancos e cercas, pois prefere desenvolver-se nas alturas para só depois cair em cachos de flores, que começam a se desenvolver no mês de maio até setembro, com pequenas variações por estado. A Planta adulta pode chegar até 4 metros de comprimento, suas folhas são compostos de 3 folíolos e uma gavinha, são ásperas e opostos, em tom de verde-escuro. Além do valor ornamental que agrega vários outros nomes a planta como cipó-vermelho, flor-de-são-joão, bignonia de inverno, trompetero laranja, cipó-bela-flor, masque-de-belas, cipó-pé-de-lagartix aou lagarto, a planta possui também valor medicinal atualmente sendo estudado.

Benefícios e propriedades

Estudos comprovaram a presença de esteroides, taninos e alantoína nas flores, raízes e folhas do cipó de São João, e após analisar a ação desses componentes juntos, chegou-se a conclusão da ação benéfica da planta em casos de:

Uso para tratamentos

O uso da planta pode ser ministrado através de chás e tônicos, e a sua essência já filtrada está a venda em farmácias naturais, e deve ser ministrado da seguinte forma:

- Para cada um litro de água fervente, coloque 3 colheres de sopa da erva. Deixe levantar fervura. Desligue o fogo e abafe por 10 minutos. Tome de 2 a 3 xícaras durante o dia.

Deve-se ter cuidado no entanto, com a toxidade da planta, pois há relatos que dizem que suas folhas cruas são tóxicas, havendo relatos de intoxicação de bovinos. Sabe-se que uso típico da tintura composta da planta é aplicada estritamente sobre as áreas despigmentadas pelo vitiligo, dia sim, dia não.